Cirurgia Histerectomia

O que é a Histerectomia?

A histerectomia é um procedimento cirúrgico que tem como intuito a remoção do útero da mulher. Esta cirurgia é a segunda mais realizada em mulheres, logo a seguir à cesariana. De acordo com o tipo de histerectomia levado a cabo e da razão por detrás da intervenção, podem ser também removidos os ovários, o colo do útero e as trompas de Falópio, órgãos localizados na parte inferior do abdómen feminino.

O colo uterino situa-se na parte inferior do útero, os ovários são os órgãos responsáveis pela produção de óvulos (e também hormonas), as trompas de Falópio têm a função de transportar os óvulos dos ovários até ao útero e este último, em caso de gravidez, providencia protecção e alimento ao bebê até ao seu nascimento.

Tipos de Histerectomia

A histerectomia pode ser de três tipos:

  • Histerectomia total ou completa remove o colo do útero, bem como o útero, sendo o tipo mais vulgar de histerectomia.
  • Histerectomia parcial remove a parte superior do útero e mantém o colo do útero.
  • Histerectomia radical remove o útero, colo do útero, parte superior da vagina e todos tecidos de suporte.

Os ovários e as trompas de falópio poderão também ser removidos na histerectomia.

Como é feita uma histerectomia?

Noutros tempos que já não são os nossos, a única forma existente e disponível para as mulheres de realizar uma histerectomia era a histerectomia abdominal total. Contudo, nos dias que correm, o desenvolvimento da medicina e dos instrumentos cirúrgicos permitem realizar procedimentos cada vez menos invasivos e perigosos, nos quais é possível remover o útero sem necessidade de extracção do colo do útero, trompas de Falópio e ovários.

Existem diferentes formas de realizar histerectomias:

Histerectomia total abdominal ou aberta

Este tipo de procedimento mais tradicional inclui a remoção do útero e do seu colo através de uma incisão abdominal – a remoção dos ovários e trompas de Falópio pode ou não ocorrer. É o procedimento do género mais invasivo, mas também o mais comum. A histerectomia total abdominal é recomendada especialmente no caso de a paciente possuir fibromiomas grandes que não tenham respondido adequadamente à terapia de hormonas e cuja remoção vaginal não seja possível. Este método pode ainda ser preferencial em alguns tipos de cancro, infecções pélvicas, endometriose grave e cicatrizes de cirurgias pélvicas antecedentes. Este procedimento cirúrgico é realizado sob anestesia geral ou local e requer internamento que pode variar entre três e seis dias. A recuperação é relativamente longa – pode chegar até às seis semanas – e a cirurgia deixa uma cicatriz visível no abdómen.

Histerectomia Vaginal

Neste procedimento cirúrgico, o útero e o colo uterino são retirados através de uma incisão profunda no interior da vagina. Este método é normalmente utilizado para o tratamento do prolapso uterino-vaginal, sendo também bastante boa escolha no tratamento do cancro do colo do útero em fase precoce ou o cancro do útero. De uma forma geral, este procedimento que pode ser realizado sob anestesia local ou geral, resulta num menor desconforto relativamente ao pós-operatório da histerectomia abdominal total, que incluem menor duração do internamento (entre um e três dias) e da recuperação geral (cerca de quatro semanas), bem como a ausência de cicatriz muito visível. Todavia, deve notar-se que a histerectomia vaginal não é indicada se existirem fibromiomas de dimensão grande.

Histerectomia vaginal assistida laparoscopicamente

Este procedimento é em tudo semelhante à histerectomia vaginal (útero e colo são retirados por uma incisão profunda na vagina), incluindo contudo a utilização de um laparoscópio inserido através de um corte feito no umbigo. O uso deste instrumento permite que a parte superior do abdómen seja examinada cuidadosamente durante a cirurgia. Também como a histerectomia vaginal, não se pode realizar se existirem fibromiomas grandes. A combinação de métodos requer mais tempo e perícia do que os procedimentos mais tradicionais de histerectomia abdominal ou vaginal.

Histerectomica supracervical laparoscópica

É uma nova opção cirúrgica que usa a laparoscopia para retirar o útero, deixando intacto o colo uterino. Durante o processo, são feitas pequenas incisões no umbigo e abdómen e são introduzidos um laparoscópio e instrumentos de pequenas dimensões. Utilizando-os, o cirurgião consegue separar com sucesso o útero do colo do útero, retirando-o posteriormente por uma das incisões feitas inicialmente. Como esta técnica envolve menos cortes e consequentemente, menos manipulação de tecidos, serão sempre menores as chances de ocorrerem lesões graves nos órgãos próximos (como a bexiga). Este procedimento é menos invasivo do que a histerectomia aberta, e foi desenvolvido com o intuito de reduzir a dor, minimizar cicatrizes e diminuir o tempo de recuperação das doentes. O procedimento é normalmente realizado em regime de ambulatório sob anestesia local, sendo que o paciente poderá voltar para casa dentro de 24 horas e retomar as actividades normais passado menos de uma semana. Devemos ainda notar que a histerectomia supracervical laparoscópica resguarda o colo do útero, o que pode ajudar a reduzir os riscos de incontinência, prolapso do pavimento pélvico, entre outras complicações.

Pós-operatório

Uma histerectomia abdominal requer hospitalização por volta de três dias. No caso de cirurgia vaginal ou laparoscópica a estadia na instalação de saúde não deve durar mais de dois dias.

Recuperação

Depois da retirada do útero, e como em qualquer outro procedimento cirúrgico a recuperação após uma cirurgia destas dimensões pode por vezes ser demorada, e por vezes alongar-se para além do período normal. No caso da histerectomia, esta necessita normalmente de quatro a seis semanas para a recuperação completa da doente. A taxa de recuperação e grau de dor da mesma dependerão também da forma como a operação for realizada.

Riscos e complicações

A histerectomia, como qualquer outro procedimento cirúrgico, envolve alguns riscos e complicações, uns mais preocupantes que outros. A maioria das mulheres não apresenta graves problemas durante ou depois da operação, mas alguns desses riscos e complicações podem incluir:

  • Grande perda de sangue (que poderá exigir transfusão sanguínea).
  • Problemas nos órgãos próximos (lesões nos intestinos ou bexiga por exemplo).
  • Problemas com a anestesia.
  • Necessidade de alterar a incisão abdominal durante o procedimento cirúrgico.
  • Infecções

Efeitos colaterais

Os efeitos secundários dependem de diversas variantes, como a idade, a razão pela qual se realiza a histerectomia, o facto de ter ou não menstruação e o tipo de histerectomia realizado. No caso de a mulher ainda não ter entrado na menopausa, a histerectomia acabará com a menstruação.

Como consequência destas alterações, a mulher irá sofrer os sintomas da menopausa que incluem, afrontamentos, alterações de humor e secura vaginal.

Como é óbvio depois da retirada do útero a mulher também não pode engravidar mais. No caso de os ovários serem removidos, a mulher entrará de facto na menopausa diretamente.

É normal também a mulher ter uma considerável perda de sangue pela vagina (hemorragia vaginal) durante algumas semanas.

No que respeita à atividade sexual, a maior parte das mulheres não sente diferença na sua resposta sexual (libido) após uma intervenção cirúrgica de histerectomia, sendo que muitas mulheres sentem até uma melhoria, que pode estar ligada a um maior à-vontade (por já não poderem engravidar) e ao facto de já não existir sangramento vaginal decorrente do problema que deu origem ao tratamento.

No caso dos ovários serem removidos, notar-se-á uma certa secura vaginal que poderá tornar-se um problema nas relações sexuais. O uso de estrogénios ou lubrificantes vaginais podem atenuar este problema.

Como já referido, se os ovários forem de facto retirados, a mulher perde a sua fonte de criação de estrogénio, e as pacientes que não se puderem submeter a uma terapia de reposição hormonal, terão uma menopausa imediata e terão uma hipótese acrescida de desenvolver osteoporose e enfartes.

Entre as mulheres nas quais os ovários não foram retirados, muitas dessas pacientes relatam sintomas como a fadiga, ganho de peso, dores nas articulações, alterações urinárias e até depressão.

Indicações da cirurgia

De uma forma geral, a histerectomia é uma cirurgia realizada quando surgem doenças ou problemas graves, ou porque os outros tratamentos realizados para tratar o problema não tiveram sucesso. A histerectomia pode estar indicada nas seguintes patologias:

Fibromiomas uterinos

Os miomas uterinos referem-se a tumores comuns e benignos (não cancerígenos) que crescem no músculo do útero. A maior parte não cria problemas e os mesmos diminuem depois da menopausa, mas alguns fibromas podem levar a excessivas perdas de sangue e dores.

Hemorragia uterina anormal

Perda de sangue irregular pela vagina

Prolapso uterino

No caso de prolapso genital o útero desce e “cai” na vagina, entrando dentro dela. Este problema resulta de músculos e/ou tecidos enfraquecidos.

Endometriose

A endometriose ocorre quando o tecido endometrial (a cobertura interior do útero) começa a aumentar e crescer para fora do útero e sobre os órgãos próximos. Este problema causa períodos menstruais bastante dolorosos com hemorragia vaginal de carácter anormal e provoca problemas na gravidez.

A histerectomia é também indicada para tratamento de alguns tipos de cancro, como por exemplo o Câncer do útero (Cancro uterino) e do colo do útero.

Papanicolau

As mulheres que passaram por uma histerectomia precisam realizar o teste de Papanicolau se a cirurgia tiver removido apenas o útero mas não o colo do útero.

Por outro lado, em mulheres cujo procedimento aplicado foi a histerectomia total, a realização do teste de Papanicolau pode não ser necessária uma vez que o colo do útero foi também removido. Ainda assim, e mesmo nestes casos, todas as mulheres devem realizar um exame pélvico todos os anos.

Para se informar mais e melhor sobre este procedimento, consulte o seu médico. O ginecologista é o profissional mais qualificado para lidar com estes problemas e decidir qual a cirurgia mais indicada, dependendo de cada caso em particular.

06. Outubro 2009 by admin

1.156 Comentários no Fórum

  1. Fiz uma histerectomia parcial (retirei as trompas e utero) fazem sete meses e agora tive sangramento vaginal e dor pelvica, o que pode ser?

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *