Doença do Refluxo Gastroesofágico

Todo mundo tem um pouco de azia seja agora ou depois. E se ela é bem leve e apenas um evento raro, provavelmente não há nada de errado em simplesmente tomar um antiácido e esquecê-la.

Mas se a azia ocorre regularmente, digamos, ao menos uma vez por semana ou mais, ou desperta sintomas mais graves, você não estará lidando mais apenas com um “pouco de azia”. Você provavelmente tem doença do refluxo gastroesofágico, ou GERD.

Como ocorre o refluxo gastroesofágico (DRGE)

E o Refluxo Gastroesofágico não é um problema que você pode se dar ao luxo de apenas remediar.

O que é a Doença do Refluxo Gastroesofágico?

Refluxo Gastroesofágico é uma desordem do sistema digestivo em que o conteúdo do estômago flui ao contrário, para dentro do esôfago (o tubo de deglutição). O refluxo do conteúdo do estômago vai para o esôfago várias vezes, produzindo sintomas que podem ser bastante prejudiciais para a sua vida e, em alguns casos, pode causar complicações mais graves.

É uma desordem bastante comum. Estima-se que até vinte por cento das pessoas que vivem em países desenvolvidos são afetados pela doença.

Se você tem Refluxo Gastroesofágico a boa notícia é que provavelmente você será capaz de controlar os seus próprios sintomas adotando mudanças de estilo de vida adequadas. Se estas medidas simples não funcionarem, os medicamentos podem ser bastante eficazes. O tratamento cirúrgico é raramente necessário hoje.

Sintomas do Refluxo Gastroesofágico

refluxo-gastroesofagico-queimacao-na-garganta

O principal sintoma da doença é a azia, sensação de queimação (pirose) localizada abaixo do esterno, muitas vezes irradiando-se em direção à garganta. Outros sintomas incluem pressão subesternal, agravada ao deitar e aliviada ao sentar, tosse crônica e perda sanguínea oculta.

A regurgitação é uma forma mais grave de azia, em que o ácido do estômago atinge a parte traseira da garganta, produzindo um sabor amargo, ácido.

Estes sintomas podem ser por vezes, acompanhados por náuseas.

Azia e regurgitação são geralmente bem piores logo após uma refeição, e com efeitos mais graves se deitado ou curvado. Estes sintomas podem ser melhorados através da administração de um antiácido e mantendo-se em posição vertical.

A “água impetuosa” é um sintoma relativamente raro da Doença do Refluxo Gastroesofágico, mas pode ser perturbador quando isso acontece. A água impetuosa é uma liberação de saliva em excesso, literalmente espumada pela boca, que pode ocorrer com a regurgitação do ácido pelo estômago.

Pessoas com a doença crônica ou de longa duração podem experimentar disfagia, ou dificuldade em engolir. Especificamente elas podem passar por momentos difíceis simplesmente comendo ou até mesmo ingerindo líquidos a partir de sua boca para o estômago.

A disfagia, por vezes, pode ser acompanhada de odinofagia ao engolir. A disfagia ou odinofagia geralmente indicam que uma forma mais grave de Doença do Refluxo Gastroesofágico pode estar presente; provavelmente, o dano já ocorreu no estômago.

Complicações da Doença do Refluxo Gastroesofágico

crise-de-refluxo-acido-e-azia

A maioria das pessoas com a doença simplesmente tem azia.
No entanto, o problema pode causar complicações que podem levar a alguns problemas muito sérios.

As complicações mais frequentes do Refluxo Gastroesofágico que afetam o esôfago podem ser:

Esôfago de Barrett

Nesta condição, as células que normalmente revestem o esôfago são substituídas por células anormais que parecem com as células do estômago. O significado desta mudança é duplo.

Em primeiro lugar, as células do esôfago anormais têm maior risco de desenvolverem câncer de esôfago. Em segundo lugar, as células anormais são mais propensas a desenvolver ulceração, estenose e sangramento.

Esofagite Erosiva

Na esofagite erosiva, o revestimento do esôfago inflama e começa a desenvolver úlceras. Úlceras esofágicas podem produzir graves sintomas: azia, regurgitação, disfagia e odinofagia e também podem causar hemorragia esofágica ou perfuração.

O que Procura?
15 Possíveis Causas da Salivação em Excesso

Estenose Esofágica

Com estenose esofágica uma porção do esôfago torna-se estreita e parcialmente obstruída. Esta condição muitas vezes leva a uma disfagia relativamente grave, em que o alimento sólido pode se alojar no esôfago. Estenoses esofágicas geralmente são resultado de uma esofagite erosiva que sarou.

Além das complicações esofágicas, a GERD pode levar a outras complicações que envolvem a cabeça, pescoço e as vias respiratórias. Esses incluem:

Asma

O refluxo do conteúdo do estômago é agora reconhecido como um gatilho comum para a asma. De fato, mais da metade das pessoas com asma podem desenvolver a GERD.

A GERD pode desencadear um ataque de asma por tornar as vias aéreas mais reativas (isto é, contraindo mais facilmente), através do aumento da função vagal, e por aspiração de ácido gástrico para as vias respiratórias. Leia mais sobre a asma.

Laringite Crônica

Se o conteúdo gástrico constantemente atingir a laringe (cordas vocais), uma inflamação crônica da laringe, ou laringite, pode acontecer. Esta condição pode causar rouquidão, pigarro frequente ou a sensação de um caroço na garganta.

Laringe ou Estenose Traqueal

A inflamação crônica pode, eventualmente, produzir um estreitamento das vias aéreas ao redor da laringe, produzindo dispineia, pieira, tosse e/ou sangramento.

Cáries Dentárias

As cáries dentárias podem ocorrer com o refluxo crônico de ácido gástrico na boca.

Sinusite Crônica

A sinusite crônica pode ser causada por uma Doença do Refluxo Gastroesofágico crônica.

Causas do Refluxo Gastroesofágico

refluxo-de-acido-causas

A Doença é produzida pelo refluxo do conteúdo gástrico para o esôfago. Normalmente, o refluxo é impedido pelo esfíncter esofágico inferior (LES), um anel de músculo localizado na junção do esôfago e do estômago.

Na maioria das vezes o LES é contraído de modo a fechar a abertura e de modo a formar uma barreira entre o estômago e o esôfago. Normalmente, o LES transitoriamente relaxa ao engolir, para permitir que o alimento passe para dentro do estômago. E também relaxa ao arrotar, para permitir que o gás escape a partir do estômago.

Na maioria das vezes, o Refluxo Gastroesofágico ocorre quando o LES relaxa transitoriamente quando não é esperado, permitindo assim um breve intervalo de tempo em que o conteúdo do estômago possa entrar no esôfago.

Não está claro por que tantas pessoas desenvolvem frequentes relaxamentos transitórios do LES.

Menos comum, a patologia pode ser produzida quando o LES torna-se cronicamente flácido, permitindo que o refluxo ocorra quase todo o tempo. Essas pessoas tendem a ter Refluxo Gastroesofágico bastante grave.

A pressão do esfíncter esofágico inferior pode ser reduzida e o refluxo encorajar a distensão gástrica (estômago cheio), pelo tabagismo, por vários medicamentos, por beber álcool, pela cafeína, e por vários tipos de alimentos (especialmente alimentos gordurosos e chocolate).

Qualquer uma dessas coisas tendem a provocar Refluxo Gastroesofágico em pessoas que são propensas a essas condições.

Ter uma hérnia de hiato pode contribuir para a doença. Com uma hérnia de hiato, uma porção do estômago sobressai acima do diafragma, o que pode perturbar o funcionamento normal do esfíncter esofágico inferior.

No entanto, a relação entre a hérnia de hiato e o Refluxo Gastroesofágico é menos direta, e muito mais complexa do que se pensava anteriormente, pois uma cirurgia para reparar uma hérnia de hiato é feita agora com muito menos frequência do que no passado.

A obesidade, especialmente a obesidade abdominal é um forte fator de risco para o Refluxo Gastroesofágico, e as pessoas obesas com a doença são mais propensas a desenvolverem complicações. A obesidade aumenta a pressão no conteúdo do estômago e tende a perturbar o funcionamento normal do LES.

Como resultado, em pessoas obesas os episódios transitórios de relaxamento do esfíncter esofágico inferior acontecem com mais frequência (porque a pressão dentro do abdômen tende a ser mais elevada). O refluxo ocorre mais facilmente. Conheça a ligação entre a obesidade e o refluxo.

O Refluxo Gastroesofágico também é muito frequente em mulheres grávidas. Tal como acontece com a obesidade, a gravidez aumenta a pressão abdominal. E durante a gravidez as alterações hormonais tendem a causar o relaxamento do LES. Ambos os fatores contribuem fortemente para a doença durante a gravidez.

Diagnóstico

Na maioria dos casos o diagnóstico é bastante simples. É, essencialmente, um diagnóstico clínico. Isto é, os sintomas da doença são muitas vezes tão clássicos que os médicos geralmente podem fazer um diagnóstico confiável com base apenas nos sintomas.

O que Procura?
Tosse Persistente e Refluxo Gastroesofágico

Exames para diagnósticos geralmente são feitos somente quando uma pessoa com o Refluxo Gastroesofágico não responder à terapia, ou quando há suspeita de uma das complicações mais graves da GERD possa ter ocorrido.

Por exemplo, uma pessoa que experimenta disfagia ou odinofagia é muito provável que desenvolva uma complicação esofágica e precisa de exames para fazer um diagnóstico definitivo.

Os exames frequentemente utilizados no diagnóstico da GERD são:

Endoscopia

O teste de diagnóstico mais comum usado para detectar a doença é a endoscopia, que é usada para visualizar a mucosa do esôfago e a biópsia de qualquer área suspeita encontrada. Esse teste é útil para o diagnóstico de esofagite, esôfago de Barrett e estenose esofágica.

Monitoramento do pH por 24 horas

Ás vezes, uma pessoa com sintomas que parecem clássicos de Refluxo Gastroesofágico deixam de responder à terapia, e seu exame de endoscopia mostrará nenhuma doença esofágica. Nestes casos, o monitoramento do pH por 24 horas pode ser útil em documentar se o refluxo ácido esta realmente acontecendo.

Este teste é feito através da colocação de um tubo fino no esôfago que é capaz de medir o pH, isto é, a quantidade de acidez no esôfago, em qualquer dado momento.

O tubo permanece no local durante um dia inteiro, durante o qual a pessoa com suspeita da doença mantém um registo de todos os sintomas que ele ou ela pode experimentar. Ao correlacionar os sintomas com a presença ou ausência de ácido do estômago no esôfago, pode ser determinado se os sintomas são realmente causados por refluxo ácido.

Manometria esofágica

A manometria esofágica utiliza um tubo fino que passa pelo estômago para medir a pressão ao longo do comprimento do esôfago durante a deglutição.

Este teste é pobre em diagnosticar o Refluxo Gastroesofágico, mas pode ser útil no diagnóstico de certos distúrbios de deglutição cujos sintomas podem imitar esta patologia, tais como espasmos esofágicos ou acalasia.

Bário Raio-X

Tomando raios X do esôfago ao engolir bário (uma solução de contraste) é um teste em que anos anteriores era comumente usado para diagnosticar doenças esofágicas, mas a sua utilidade já foi largamente suplantado pela endoscopia. Saiba mais sobre o diagnóstico da doença.

Tratamento do Refluxo Gastroesofágico

antiacidos-para-o-tratamento-do-refluxo-gastroesofagico

Vários potenciais tratamentos estão disponíveis para a doença, incluindo:

Mudanças no estilo de vida

Qualquer pessoa com Refluxo Gastroesofágico deve aproveitar todas as oportunidades para fazer as mudanças no estilo de vida ou hábitos que são susceptíveis de se tornar um problema pior.

Mudanças que foram definitivamente mostradas para ajudar a reduzir os sintomas de Refluxo Gastroesofágico incluem perda de peso e a elevação da cabeceira da cama.

Além disso, enquanto a modificação da dieta específica não é universalmente útil, qualquer pessoa com a doença deve estar alerta para alimentos que provocam claramente os sintomas e evitar esses alimentos.

Muitas pessoas vão notar problemas particulares após a ingestão de alimentos ou bebidas que contenham cafeína ou chocolate, ou alimentos gordurosos ou fritos, por exemplo.

É particularmente importante evitar o tabagismo e o excesso de álcool (mais do que uma dose por dia), sendo que ambos podem perturbar a LES.

Abster-se de comer por três horas ou mais antes de deitar pode reduzir significativamente sintomas noturnos de refluxo. Evitar roupa apertada em torno da cintura pode ser útil também.

Conheça 14 Tratamentos Naturais para Refluxo Gastroesofágico e Azia.

Antiácidos

antiacidos

Os antiácidos não ajudam a prevenir o Refluxo Gastroesofágico, mas eles podem ser tomados para ajudar a aliviar os sintomas durante um episódio da doença. Os Antiácidos comumente usados incluem Gaviscon, Maalox, Mylanta, Rolaids e Tums. Antiácidos naturais.

Antagonistas do Receptor de Histamina-2 (H2RAs)

As drogas IH2 ajudam a limitar a produção de ácido no estômago, de modo que o conteúdo do estômago cause menos sintomas quando há refluxo para o esôfago.

Os H2RAs começam a trabalhar duas horas após de tomada uma dose, e sua eficácia persiste por até dez horas. Portanto, essas drogas não são particularmente úteis no tratamento de um episódio agudo da Doença do Refluxo Gastroesofágico.

O que Procura?
O que Causa Queimação no Estômago e Garganta

Os H2RAs são mais úteis quando são tomados regularmente para um curso de 2-4 semanas de terapia. Drogas IH2 comumente usadas são a nizatidina (Axid), famotidina (Pepcid), cimetidina (Tagamet) e ranitidina (Zantac). Estas drogas são todas mais ou menos igualmente eficazes.

Inibidores da bomba de prótons (PPIs)

PPIs trabalham inibindo a “bomba” em células gástricas que produzem o ácido no estômago. Eles são os inibidores mais potentes do ácido, e são mais eficazes do que H2RAs na eliminação de sintomas da esofagite de cura.

No entanto, eles são mais caros do que os medicamentos IH2, e tendem a causar efeitos ainda mais adversos, a maioria dos médicos vão tentar uma droga ARH2 em primeiro lugar.

Os PPIs incluem rabeprazol (Aciphex), pantoprazol (Prevacid), esomeprazol (Nexium), ou omeprazol (Prilosec). Similar às drogas IH2, os PPIs não são particularmente úteis nos alívios dos sintomas agudos da GERD.

Em vez disso, eles são úteis quando tomados regularmente durante um curso planejado de terapia, para tentar eliminar a GERD completamente. Estas drogas são todas semelhantes entre si em termos de eficácia. Leia mais sobre PPIs para a GERD.

Regimes típicos para o tratamento do Refluxo Gastroesofágico

Em geral, se uma pessoa com GERD tem apenas sintomas leves, o médico irá recomendar modificações no estilo de vida adequadas, e muito provavelmente prescrever um período de duas a quatro semanas de uma droga ARH2 duas vezes por dia.

Se os sintomas persistirem após o curso planejado da terapia, a droga ARH2 será interrompida, e um curso de oito semanas de um medicamento PPI será dado em seu lugar. Durante este tempo, um antiácido pode ser tomado como necessário para sintomas agudos.

Se os sintomas iniciais são considerados moderados ou graves, ou se a endoscopia demonstrou a presença de esofagite ou outras complicações do Refluxo Gastroesofágico, os médicos costumam ignorar a droga ARH2 e ir direto a um curso de oito semanas de um medicamento PPI uma vez por dia.

As pessoas cujo o Refluxo Gastroesofágico causou esofagite grave ou esôfago de Barrett geralmente precisam continuar a terapia PPI cronicamente, para evitar complicações mais terríveis como perfuração do esôfago ou cancro.

Se os sintomas persistirem após oito semanas de tratamento com PPI, mais testes podem ser feitos para certificar de que a GERD é o diagnóstico correto.

Estes testes podem incluir uma endoscopia (se ainda não foi feito inicialmente), o monitoramento do pH e/ou manometria. Se a doença ainda parece ser o diagnóstico preciso, em seguida, um curso de oito semanas de um fármaco duas vezes por dia de PPI é muitas vezes a terapia complementar, às vezes com uma droga PPI diferente da que foi usada inicialmente.

Além disso, o médico, muito provavelmente, mencionará mais uma vez todas as modificações no estilo de vida que devem ser feitas, como o estresse.

Em pessoas cujos sintomas graves persistem após um curso de oito semanas de tratamento com PPI duas vezes ao dia, o tratamento cirúrgico pode ser considerado. A cirurgia é destinada a aumentar a integridade do LES, a fim de reduzir a possibilidade de refluxo. Hoje me dia, muitas vezes isso pode ser conseguido com um procedimento minimamente invasivo.

Conclusão

O Refluxo Gastroesofágico é uma desordem gastrointestinal comum que é geralmente suave, mas pode causar complicações graves. Se você tiver sintomas da doença, deve trabalhar com seu médico para ter certeza de que o diagnóstico é correto, e para certificar-se que recebe um regime de tratamento que eliminará seu problema antes que se tornem mais graves.

Felizmente, com modificações no estilo de vida adequadas e com os tipos de medicamentos que estão disponíveis atualmente, a grande maioria das pessoas com Refluxo Gastroesofágico podem ser tratadam com sucesso antes de seu problema irritante tornar-se perigoso.

Recursos

Chang JT, Katzka DA: Gastroesophageal reftux disease. Barrett esophageus, and esophageal adenocarcinoma.

14 Remédios Caseiros para Refluxo Gastroesofágico

loading...

12. Outubro 2016 by admin

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *