Figo

O figo é um falso fruto, pois é um receptáculo que contém centenas de pequenos frutos que vulgarmente chamamos sementes. Utiliza-se como fruta para consumo em fresco, em seco, como puré para confeitarias, em conserva ou confeitados. Os figos são frutos muito frágeis, pelo que a sua conservação em boas condição é difícil. Por isso, a importância comercial dos figos secos e em conserva aumentou. Dado que é uma fruta perecível, o figo maduro não se conserva mais de 3 dias no frigorífico.

O primeiro fruto da figueira, produzido em finais da Primavera, recebe o nome de figo lampo. A pele fina e o seu sabor são parecidos com os do figo, mas são menos doces. Para além de ser um fruto consumido em fresco, o figo utiliza-se para fabricar puré, que serve de recheio de diversos produtos de pastelaria, ou mesmo para a obtenção de um tipo de vinho.

Dos produtos derivados do figo, o mais importante é o figo seco obtido mediante a desidratação do fruto fresco. A sua humidade é reduzida de 80% a 15%, ocorrendo a concentração dos compostos nutritivos do figo. Neste caso o seu período de conservação é alto e o fruto apresenta-se amassado, flexível, de cor cinzenta, violeta ou parda, com polpa amarelada e algo viscosa. A par das uvas passas, constitui um dos frutos secos mais populares e antigos.

O figo, ainda que não seja, em termos botânicos, um fruto, mas um sícone, é como fruta que é conhecido na linguagem corrente. 

A conserva de figos é outra das grandes utilizações dos figos. Elabora-se com figos outonais de tamanho reduzido, muito doces, aos quais se adiciona açúcar e um licor, como rum, conhaque ou xerez.

Os figos confeitados podem apresentar-se em caixas de lata. Para o fabrico de figos em álcool são necessários figos pequenos de cor escura, consistentes e que não estejam totalmente maduros.

Os figos depois de tostados e moído originam um pó que se pode utilizar como sucedâneo do café.

O figo, contrariamente ao que se pensa, não é um fruto. É um receptáculo carnoso, denominado ‘sícone’, em forma de pêra, que suporta as flores masculinas e femininas que darão origem aos pequenos frutos, denominados ‘aquénios’, aos quais vulgarmente chamamos sementes. É portanto uma infrutescência.

A parte carnosa e doce do figo ou sícone corresponde às flores que após a fecundação incham e ficam carnosas. O figo é um fruto mole e de pele fina, cuja cor varia de verde a roxo, enquanto que a polpa pode ser encarnada ou branca. Dependendo da espécie, a sua forma é redonda ou achatada, mas geralmente os figos são mais largos do que altos.

Cato mexicano Opuntia Ficus-indica, que dá o conhecido figo-da-índia.

A figueira, tal como outras fruteiras de zonas áridas, é agronomicamente pouco conhecida. A sua cultura é feita tradicionalmente de sequeiro, embora actualmente esteja a aumentar a superfície de regadio para determinadas variedades com maior rentabilidade económica.

Tipos e Variedades

Existem diferentes variedades de figo que se podem dividir, pela cor que apresentam, em brancas, coradas e negras. As primeiras apresentam cor branca-amarelada, as coradas têm cor parda-azulada e as negras possuem uma cor que varia de púrpura a negro.

figos de rei ou abêboras - Estremoz - Alentejo - Portugal

Existe uma grande quantidade de variedades, que podem ser classificadas utilizando diferentes critérios.

Segundo o seu uso, os figos podem-se dividir em dois grupos: consumo em fresco ou em seco.

Os figos de mesa são os que se destinam ao consumo como fruta fresca. A pele é tenra, contém poucas sementes e a sua maturação é longa. Os figos de secar têm uma pele mais dura e compacta e amadurecem mais rapidamente.

As variedades de figos para consumo em fresco cultivadas em Portugal são a Lampa Branco, Lampa Preto, Bebera Branca, Bebera Preta, Burjassota Branca e Vindimo e as variedades de figo para secar são a Branco do Douro, Rei Branco, Rei Preto, Pingo de Mel e Branco Regional.

Segundo a sua cor, os figos classificam-se em três grupos: brancos, corados e negros.

A s variedades brancas apresentam na maturação uma cor branca, amarelada e até mesmo verde. Os mais saborosos são os amarelo-dourado ou esverdeados. Dentro deste grupo a variedade mais importante é a Kadota, também conhecida pelo nome de ‘Dotato’, é proveniente de Itália, tem a pele amarela-esverdeada e a polpa púrpura. Pode ou não conter sementes, em função do tipo de polinização usada. As variedades sem sementes medem 3 a 5 centímetros e o comprimento dos frutos com sementes varia de 5 a 8 centímetros.

Fonte da Foto: Valter Jacinto: http://www.flickr.com/photos/valter/

As variedades coradas diferenciam-se pelos seus figos de cor parda azulada, mais ou menos clara. As variedades negras incluem figos de cor vermelho escuro até aos totalmente negros, destacando-se os de negro-púrpura pela sua qualidade. A este grupo pertencem as variedades Brown Turkey, Celeste e Sari Lob. A variedade Brown Turkey cultiva-se principalmente em Israel, Itália e Califórnia e está disponível de Abril a Janeiro. Os frutos têm forma de pêra, medem 4 a 6 centímetros e têm a pele vermelha escura.

A variedade Celeste provém do México e da Califórnia e está disponível de Novembro a Janeiro. Quando o fruto amadurece, a pele fica púrpura e a polpa mantém uma cor rosada. Sari Lob é a principal variedade cultivada em França e Israel, sendo também importante no Mediterrâneo. O fruto é de cor púrpura-amarelada e tende a abrir quando está maduro. Algumas variedades de figos:

Brown Turkey

Fruto com forma de pêra, de 4-6 cm de comprimento, pele avermelhada escura e polpa cor de púrpura. É uma variedade doce e com sumo, utilizando-se normalmente para enlatar.

Celeste

O figo é púrpuro e a sua polpa rosada é doce.

Kadota

É um figo amarelo-esverdeado com polpa cor de púrpura. Pode ou não possuir sementes. Os frutos sem sementes medem 3-5 cm de comprimento e os com sementes medem 5-8 cm.

Sari Lob

A cor do fruto vária entre o púrpura e o amarelo e tende a abrir-se quando fica maduro. O sabor é doce e com aroma.

Planta – Árvore do figo

Os figos crescem em figueiras, que são árvores robustas que podem alcançar os 10 metros. As suas raízes são muito potentes e o desenvolvimento das suas pequenas flores é o que dará lugar ao que conhecemos como figo.

Figueira – é o nome que se dá á planta (árvore que dá o figo) 

Os figos pertencem à espécie Ficus carica e crescem em árvores grandes chamadas figueiras. Estas podem ter mais de 10 metros de altura, mas em plantações comerciais podem-se manter as árvores pequenas, com 3 e 4 ramos principais. As folhas são de cor verde claro, com pêlos rígidos e fortes na página inferior. O tronco é grosso e retorcido. Os ramos da árvore não têm flores, já que estas se desenvolvem no interior do fruto e são pequeníssimas.

Todo o receptáculo da flor fica carnoso com a maturação, por isso o figo entra na categoria de falso fruto. O sistema radical é muito potente, permitindo explorar a grande profundidade e à superfície, suportando longos períodos de seca. Já se encontraram figueiras a vegetar sobre fendas de rocha. A figueira adapta-se a uma grande variedade de solos, embora seja mais produtiva quando estes são profundos e férteis. É uma planta de zonas tropicais e zonas temperadas, onde as temperaturas baixas são limitativas. Temperaturas acima dos 40ºC, durante o período de maturação, provocam a maturação antecipada e alteraram a consistência da pele.

Origem do figo e Produção

A figueira é proveniente do Próximo Oriente. Pensa-se que terão sido os fenícios a introduzi-la no Mediterrâneo e os gregos na Palestina e Ásia Menor. Os principais países produtores são da zona do Mediterrâneo, destacando-se dentre eles a Turquia. A figueira teve origem nos países do Próximo Oriente, desde a zona mediterrânea até a ocidente da Ásia. As antigas civilizações do Mediterrâneo oriental usavam o figo muito antes dele chegar à Europa.

Provavelmente o seu cultivo iniciou-se na Arábia meridional e a partir daí estendeu-se aos restantes países. O figo era conhecido no Egipto com o nome de ‘teb’, e já se encontraram referências a este fruto nas pirâmides de Giza. Também foram encontrados figos fossilizados em depósitos terciários e quaternários em França e Itália. Possivelmente terão sido os fenícios a difundir a cultura da figueira em Chipre, Sicília, Malta, Córsega, Ilhas Baleares, Península Ibérica e França. Os gregos difundiram o fruto na Palestina e Ásia Menor.

Os principais produtores encontram-se na bacia do Mediterrâneo, destacando-se a Turquia, Argélia, Grécia, Itália e Espanha. A Ásia Menor e os Estados Unidos, principalmente Califórnia, são também importantes produtores. A produção mundial de figos ronda um milhão de toneladas e os países da bacia do Mediterrâneo e Médio Oriente são responsáveis por 90% da produção total de figos. No quadro seguinte pode-se observar a produção obtida em alguns dos principais países produtores:

  
País
  Produção (milhares toneladas)   %
  MÉDIO ORIENTE   446   44
  Turquia   278   27
  Irão   84   8
  ÁFRICA   301   30
  Egipto   115   -
  Argélia   69   -
  EUROPA   145   14
  Espanha   60   6
  Grécia   35   3
  Itália   35   3
  AMÉRICA   -   -
  Estados Unidos   42   4

Fonte: Melgarejo, P. Tratado de Fruticultura para zonas áridas e semiáridas. Relativamente às importações de figos secos, os principais importadores são países europeus.

  
País
  Milhares de dólares(1.999)
  Alemanha   18.668
  França   14.909
  Itália   12.546
  Suíça   6.132
  Reino Unido   5.363
  Espanha   4.021
  Holanda   3.897
  Bélgica-Luxemburgo   2.426
  Portugal   2.395
  Áustria   1.989

Dos países europeus, a Espanha é o principal produtor e exportador, com cerca de 60.000 toneladas de figos produzidos. As principais regiões produtoras são as Baleares, a Extremadura e a Andaluzia. A produção portuguesa não atinge as quatro toneladas, sendo o Algarve responsável por 50% da produção, seguido do Ribatejo e Oeste (30%), do Alentejo (14%) e de Trás-os-Montes (5%).

Mês de Colheita

Os figos colhem-se no final do Verão e comercializam-se como fruta fresca ou processada. Um dos mercados mais exigentes da Europa, o do Reino Unido, importa figos de países de todo o mundo, como Espanha, Itália, Egipto, Turquia, Estados Unidos, etc.

Embora os figos se colham geralmente no fim do Verão, os seus derivados, como compotas, figos secos, etc., permitem a sua comercialização durante todo o ano. O quadro seguinte mostra a disponibilidade deste fruto nos mercados do Reino Unido e indica quais os países donde provêm as importações:

  
Origem
  Meses de disponibilidade no Reino Unido
  Turquia   Meados Junho-Outubro
  Espanha   Julho -Setembro
  Estados Unidos   Setembro-Novembro
  Israel   Maio-Junho
  Egipto   Julho-Setembro
  França   Julho-Setembro
  Chile   Fevereiro-Março
  Brasil   Maio-Julho
  Colômbia   Esporádica
  Grécia   Julho-Setembro
  México   Esporádica
  Marrocos   Esporádica
  Portugal   Maio-Setembro
  África do Sul   Dezembro-Fevereiro

Fonte: Fresh Produz Deskbook (2001)

Embalagem

Os figos e os figos lampos são frutos muito delicados, pelo que se deve minimizar a sua manipulação tanto na colheita como na comercialização, para que cheguem ao consumidor nas melhores condições. Por isso, em muitos casos os frutos são embalados no campo, depositando-os directamente sobre caixas com alvéolos de plástico. Desta forma, no armazém apenas são pesados e colocados em paletes, antes da sua expedição.

Os figos podem-se colocar em caixas de plástico, madeira ou cartão, em uma ou duas camadas, sendo o conteúdo destas embalagens de 4-5kg ou de 10-12kg. Para a separação dos frutos usam-se alvéolos de cartão ou de plástico. Estas caixas dispõem-se nos mercados, para a livre escolha do fruto por parte do consumidor.

Regulamentos

Não existem normas de cumprimento obrigatório, apenas umas de referência chamadas CEPE/ONU. Estas normas dividem os figos em três categorias e especificam que os figos devem estar limpos, isentos de cheiros e sabores estranhos, etc. Para os figos secos, os requisitos de qualidade são praticamente os mesmos.

Existe a norma FFV-17, CEPE/ONU referente ao comércio e ao controlo da qualidade comercial dos figos frescos. As normas CEPE/ONU são normas de referência, mas não são obrigatórias. Estas normas especificam que os figos devem estar intactos, limpos, frescos em aparência, praticamente livres de danos e cheiros ou sabores estranhos.

Os figos classificam-se em três categorias:

- Classe Extra:
Estes figos devem ser de qualidade superior. A forma, a aparência e a cor devem ser as típicas da variedade a que pertencem. Os frutos devem estar livres de defeitos, com a excepção de ligeiros defeitos na pele, desde que não afectem a aparência geral do produto nem a sua qualidade.

- Classe I:
Devem ser frutos de boa qualidade. São tolerados ligeiros defeitos se bem que não podem afectar a aparência nem a qualidade do produto. Por exemplo, toleram-se ligeiras variações da sua forma e cor, ligeiras gretas longitudinais, etc.

- Classe II:
Pertencem a esta classe os figos não incluídos nas classes superiores mas que satisfazem os requisitos mínimos de qualidade. Podem apresentar defeitos de forma, cor, gretas na pele e certos defeitos mínimos.

Quanto ao tamanho, a diferença existente entre o fruto mais pequeno e o maior é de 5 milímetros, se os frutos estão alinhados em filas, e de 10 milímetros se os figos estão dispostos em pacotes. Os figos de uma embalagem devem ser uniformes, devem ter a mesma origem, variedade e qualidade. Os materiais usados na embalagem não podem causar nenhum dano, tanto externo como interno, ao produto.

Em cada embalagem deve aparecer claramente o produtor ou embalador, a natureza do produto, a origem, as características comerciais e opcionalmente a marca de controlo oficial. Para os figos secos, a norma CEPE/ONU é a DDF-14. Os requisitos básicos de qualidade são praticamente os mesmos que para os figos frescos.

Existem também 3 categorias: Classe Extra, Classe I e Classe II. Os tamanhos são determinados pelo número de frutos por quilograma e os requisitos de apresentação são quase os mesmos, apesar de existirem alguma variações por se tratar de um produto seco.

Criterios de Qualidade

Dada a sensibilidade do figo à manipulação, não se realiza nenhum tipo de tratamento, como lavagem, polimento, etc. Nalguns países conseguem-se manter os figos em boas condições mediante armazenamento em câmaras frigoríficas a 1ºC e 90% de humidade relativa.

O figo após a colheita, como são muito sensíveis à manipulação, são submetidos unicamente ao processo de selecção por tamanho (calibração). Não existem muitos estudos sobre a conservação frigorífica, dada a sensibilidade deste produto.

Alguns países indicam que os figos podem permanecer até 6 semanas em câmaras, sempre que as condições de armazenamento sejam de 1ºC e 90% de humidade relativa e os frutos se colham semimaduros, com um certo grau de dureza. Experiências realizadas no Japão confirmam o que foi exposto anteriormente. Em Espanha, especialmente na província de Alicante, a técnica de refrigeração a 6-7ºC permite manter os figos em bom estado durante uma semana.

Problemas pós colheita

A principal causa de alteração nos figos é a podridão provocada pelo fungo Botrytis cinerea.

Vários parasitas e doenças podem afectar tanto o figo como a figueira. Os frutos podem ser afectados na árvore pelo insecto conhecido por ‘mosca da figueira’, o qual devora os frutos. Durante a conservação frigorífica, a principal causa de alteração é a podridão provocada pelo fungo Botrytis cinerea.

Outros fungos como Alternaria tenuis, Penicilium, Mucor e Rizopus, também produzem importantes estragos. Para evitar esses danos e assim melhorar a conservação dos frutos, realizam-se tratamentos pós-colheita com diferentes fungicidas. Nos centros comerciais é comum encontrar os figos em bandejas de 8-10 unidades ou 1kg, de poliestireno expandido, cobertas com plástico.

Beneficios do figo para a saúde

O figo cru e seco é altamente nutritivo e uma rica fonte de fibra dietetica, potassio, proteinas, minerais (ferro, fosforo, magnesio, cobre e zinco) e vitaminas (riboflavina e vitamina B6). A fibra ajuda ao perfeito funcionamento do tubo gastrointestinal, enquanto que os minerais e vitaminas presentes no figo e outras frutas e hortaliças são essenciais para o crescimento e desenvolvimento e para a manutenção de uma boa saúde durante toda a vida.

Tradições Populares

O figo é conhecido pelo seu carácter curativo desde há muitos séculos. Pelas suas propriedades regula a digestão, ajuda a ultrapassar o esgotamento, estimula a capacidade de concentração, melhora o ânimo e elimina o nervosismo. O seu uso externo está recomendado para as inflamações da boca, chagas e queimaduras. O figo, pelas suas numerosas sementes, foi, para muitas culturas, símbolo de fé e sabedoria, enquanto que a figueira simboliza a fertilidade.

O famoso médico grego Hipócrates, em 400 a.C., já recomendava o figo para combater a desnutrição, enquanto que o seu compatriota Galeno aconselhava aos atletas gregos o consumo de figos como alimento básico das suas dieta. Os figos consumidos durante a Idade Média e o Renascimento, eram utilizados em comidas que se consideravam excelentes. Os figos frescos possuem uma elevada percentagem de água, pelo que o seu valor energético não é muito alto.

Cem gramas de figos frescos fornecem 65 calorias e o mesmo peso em frutos secos proporciona 280 calorias. Depois da água, o componente maioritário são os hidratos de carbono, fundamentalmente a sacarose, a glicose e a frutose. O figo fornece todos os aminoácidos essenciais e os lípidos aparecem em muito pequena proporção.

O figo é uma das frutas cujos efeitos curativos se encontram entre os mais antigos. De entre as principais propriedades dos figos, destacam-se o seu carácter nutritivo, digerível, tónico, laxante, diurético, peitoral e tópico emoliente. Está indicado o seu uso interno para casos de astenia física e nervosa em crianças, adolescentes, convalescentes, desportistas, mulheres grávidas, irritações gastrointestinais, obstipação, estados febris, transtornos menstruais e inflamações pulmonares e urinárias.

O figo é de fácil digestão e laxante, devido ao seu elevado número de sementes e ao seu teor em fibra. Com efeito, a sua acção laxante impede o abuso do seu consumo. Um par de figos diários fazem mais pela manutenção da saúde da flora intestinal que qualquer outro alimento ou produto farmacêutico.

O efeito diurético deve-se ao elevado teor em potássio do figo, que torna-o num alimento alcalinizante. Os figos apresentam o valor de pH mais básico (alcalino) de todos os alimentos. Por isso, são muito adequados para neutralizar alimentos ácidos, como a carne, os produtos de charcutaria, a massa elaborada com farinhas refinadas e os doces.

É recomendado em caso de astenia física por causa do seu teor em açúcares, estimulando além disso a capacidade de concentração. Quanto ao seu uso externo, é recomendado utilizar o leite dos figos verdes para eliminar as verrugas, e a dor de dentes desaparece assim que se aplica a polpa prensada de figo sobre a gengiva. A infusão de 25 a 30 gramas de folhas de figueira, por litro de água, reduz a tosse, melhora a circulação e ajuda as menstruações difíceis, se tomada uns dias antes.

Ditados Populares

1. Figos lampos não são para mancos 2. Setembro molhado figo estragado 
3. Da noz, o figo é bom amigo 4. Uns comem os figos, a outros rebenta-lhes a boca
5. Em tempo de figos, não há amigos 6. Água ao figo e à pêra vinho
7. Ano de figo torrão é ano de pão 8. Antes pão duro do que figo maduro 
9. Antes para nós um baguinho que dois figos para o vizinho 10. Não busques o figo na ameixoeira
Em: Beneficios Para a Saúde, Plantas Medicinais | 19 comentários

19 Comentários no Fórum

  1. onde encontrar a muda de figo na bahia

  2. Boa noite Exma Rosa,

    Tem toda a razão acerca dos dados de produção.

    Na tabela não indica, mas os dados são de 2001.

    Atentamente
    Rui Guerreiro
    Fotosantesedepois.com

  3. Excelente artigo de pesquisa na internet. Fico envergonhada por ver uma artigo tão completo sem qualquer menção, interesse ou sequer investigação sobre esta cultura em Portugal. Não há uma única menção às variedades Portuguesas, e os dados de produção não têm ponta onde se pegue: Só eu produzi sozinha 7 toneladas de figos em 2013 – totalmente exportados em fresco. Não serve este comentário para o criticar, somente para deixar a noção aos restantes leitores que os dados nacionais estão bastante incorretos. Bem haja.

  4. pode plantar ele perto de muros? ou as raizes destroem tudo?

  5. possuo algumas figueiras de figos oxários ou euxários que são excelentes. Não os seco porque o processo artesanal exige muito cuidado.
    Caso haja interessados em consumi-los frescos agradeço o vosso contacto para

    912287345

  6. Obrigado pelas informacoes. Este artigo ajudou me muito num trabalho da escola. Deixo so uma dica, a informacao por topicos seria mais apelativa e mais facilitada..

  7. Onde posso comprar figo português, já que nos hipermercados os figos à venda vêm de Espanha.

    obrigada,

  8. Felicito também o autor deste excelente artigo.
    Desde já agradecia que alguém me informasse acerca duns belissimos figos conhecidos em Lagos por oxária ou ouxaria.

  9. Felicito também o autor deste excelente artigo.
    Agradecia desde já que alguém me possa informar acerca de uns magníficos figos conhecidos em Lagos por figos oxária ou ouxaria.

  10. agradeço a dedicadeza de quem estuda as plantas
    somente assim podemos ter proveito de plantas que por muitas vezes estao tao perto de nos
    fica o meu agradecimento a todos
    um abraço

    Mario Lopes

  11. Foi com muito prazer que li o artigo sobre os figos e agrada-me saber que há amigos que se preocupam com o assunto. Diria que oficialmente não se vê grande interesse num fruto que tanto já representou para o País e se não for o gosto e dedicação de alguns (poucos infelizmente) poderá tornar-se num fruto em vias de extinção.Numa obra que me acaba de chegar às mãos, escrita por botânico americano em 1901 (Gustav Eisen) e que visitou Portugal nessaaltura, afirmava que os dois melhores lugares do Mundo para esta cultura eram o Vale do Meander (Smyrna) na Turkia e as encostas viradas ao mar das Serras de Monchique e do Caldeirão no Algarve. De notar que já nessa altura aquele botânico alertava para o facto da cultura e industria do figo no Algarve estar ameaçada pelo despertar da concorrencia turca, havendo que modernizar processos, niveis de higiene, variedades,etc.. o que infelizmente , caíu em orelhas moucas…e foi o que se viu ! vá-se lá saber porque!? ONTÉM como HOJE, né ?

  12. muito boa as explicações me ajudou muito

  13. Artigo bastante esclarecedor em relação a este fruto tão particular.

  14. Olá, gostei muito da materia, queria que alguém me mandasse uma muda aqui pra Maceió é muito dificil? amo figo e gostaria de ter um pé… ele pode ser plantado em jardim?

  15. Já agora podiam era dizer como se secam os figos… Isso é que era importante em vez de estarem todos ofendidos copm direitos autorais…

  16. Bom dia amigo Valter Jacinto. Peço desculpa, já foi incluido o nome e o link para a sua galeria de fotos. Quanto á sua questão não lhe sei responder. Parabens pelo excelente trabalho fotografico.

    Cumprimentos
    Rui Guerreiro

  17. Bom artigo!

    A 4ª foto é minha… mas não está identificada!

    Deve incluir o meu nome (Valter Jacinto) e colocar o link para o meu site:

    http://www.flickr.com/photos/valter/

    Já agora, qual é a variedade deste figo lampo verde:

    http://www.flickr.com/photos/valter/5987122862

  18. muito bom o artigo… planto em curitiba o figo roxo de valinhos , 1630 pes , sao maravilhosos!

  19. ola boa tarde
    muito bom artigo .
    gostava de saber ,se possivel qual a melhor variedade para fazer fico seco
    obrigado

Deixe o Seu Comentário no Fórum

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *