Frieiras

Com a chegada do Inverno e dos dias mais frios há que proteger a pele. Para quem habitualmente tem frieiras, nesta altura do ano, esta protecção assume uma maior importância.

A origem das frieiras

As frieiras resultam de uma reacção anormal do organismo a temperaturas particularmente baixas, em climas húmidos, e afectam principalmente as zonas da pele das extremidades, mais expostas ao frio: mãos, nariz, orelhas e pés. No caso dos pés, as zonas mais susceptíveis são as que se encontram sob maior pressão devido ao calçado.

As frieiras não são mais do que zonas da pele lesionadas e inflamadas, as quais podem assumir uma coloração que varia do vermelho ao violeta/roxo. O aparecimento destas lesões dá-se quando o organismo não consegue responder adequadamente a variações, mais ou menos bruscas, de temperatura.

Assim, a exposição ao frio provoca uma vasoconstrição, com estreitamento dos vasos sanguíneos (vénulas e arteríolas existentes na derme), dificultando a circulação sanguínea ao nível das extremidades do corpo.

Perante um aumento de temperatura, especialmente quando este é rápido, a quantidade de sangue que chega às extremidades é superior mas o organismo não consegue reverter a vasoconstrição induzida pelo frio.

Como resultado desta falta de resposta atempada, dá-se um extravasamento de sangue proveniente dos vasos sanguíneos para os tecidos circundantes, provocando a reacção inflamatória, acompanhada de necrose celular e edema.

São vários os sintomas que caracterizam as frieiras:

– Sensação de queimadura;
– Prurido (muitas vezes intenso);
– Ardor;
– Dor;
– Edema;
– Ferida (em situações mais graves.
Estes sintomas tornam-se mais intensos e incomodativos durante a exposição ao calor.

Frieiras – uma situação aguda ou crónica?

As frieiras podem ser classificadas como agudas ou crónicas, de acordo com a natureza e persistência dos sintomas que as caracterizam. Situações agudas são auto limitadas no tempo, e a circulação arterial mantém-se normal. Ocorrem 12 a 24 horas após a exposição ao frio, são acompanhadas de prurido intenso, podem afectar mais do que uma zona (geralmente pés e dedos das mãos) e duram 7 a 14 dias.

Apesar do seu carácter auto limitado, podem ocorrer recorrências, sempre que há exposição ao frio. Situações crónicas acontecem quando a repetida exposição ao frio provoca lesões persistentes, que podem ter início no Outono e só desaparecer na Primavera.

Nestes casos, as zonas da pele onde surgem as frieiras podem sofrer alterações mais acentuadas e permanentes.

Causas e Fatores condicionantes

Qualquer pessoa pode ter frieiras. Contudo, o seu aparecimento é mais frequente em jovens mulheres, com idades compreendidas entre os 15 e os 30 anos, crianças e idosos. Mas não é só a idade que determina a maior ou menor predisposição para a ocorrência de frieiras, também algumas patologias e situações particulares podem aumentar o risco de desenvolvimento desta situação, nomeadamente:

• Problemas de circulação;
Lúpus eritematoso;
• Doença vascular periférica devida a diabetes, tabagismo e hiperlipidemia;
Anemia;
• Baixo peso ou nutrição deficiente;
• Alterações hormonais (ex. gravidez);
• Doença e fenómeno de Raynaud;
• Antecedentes familiares.

Também alguns medicamentos ao induzirem vasoconstrição ao nível das extremidades do corpo, contribuem para o aumento do risco de aparecimento de frieiras. É o caso dos beta-bloqueadores: Inderal®, Darob®, Artex®, Lopresor®, Tenormin®, Tenoretic®, Prent®, Concor®, Nebilet®, entre outros.

Medicamentos

As frieiras e os sintomas incomodativos e por vezes limitantes que acarretam, levam muitos utentes a procurar a intervenção da Farmácia. Cabe ao farmacêutico aconselhar sobre as principais medidas que ajudam a prevenir, a acelerar a cura e a tratar as frieiras.

Prevenção

No que diz respeito a frieiras, a prevenção é o melhor tratamento:

• Evitar a exposição ao frio;
• Durante a exposição ao frio, manter quentes as extremidades do corpo, recorrendo a vestuário adequado (meias de lã, sapatos confortáveis, luvas e gorro);
• Evitar o aquecimento rápido do corpo após exposição ao frio (ex. retirar primeiro os agasalhos e esperar que o organismo atinja gradualmente uma temperatura mais elevada);
• Evitar lavar mãos e pés com água muito quente;
• Evitar a proximidade de lareiras, aquecedores e radiadores;
• Fazer exercício físico regular, uma vez que facilita a circulação;
• Manter uma dieta saudável pobre em gordura e rica em fruta e vegetais, para facilitar a circulação;
• Evitar fumar, uma vez que promove a vasoconstrição.

Tratamento para Frieiras

Mesmo quando as frieiras já estão instaladas, as medidas de prevenção devem continuar a ser postas em prática, uma vez que permitem diminuir os sintomas e acelerar a cura.

Para alívio dos incómodos provocados pelas frieiras (prurido, sensação de queimadura, ardor), existem medicamentos e produtos de saúde com substâncias com propriedades calmantes e antipruriginosas, como calamina, aloé vera, cânfora, calêndula.

A aplicação de emolientes é aconselhada com o objectivo de suavizar e diminuir a irritação da pele e evitar o aparecimento de feridas.

Efeito Exemplos de Produtos Farmacêuticos
Calmante e Antipruriginoso – Queimax ®, Friax ®,
Frimax Top Frieiras ®, Frioven ®,
Akilhiver ®, RSpharma Frieiras ®
Emoliente – ATL ®, Atoderm Bioderma ®,
Avène Trixera ®, Babe Corpo ®,
Hidro Lact ®, Xeramance ®, Uriage
Xemose ®, Roc Enydrial ®, Roche Posay
Lipikar ®, Nutratopic Isdin ®

Segundo alguns autores pode ser vantajosa a aplicação de um corticosteróide tópico, no sentido de minorar o prurido e diminuir o edema.

Contudo, estes medicamentos não estão aprovados para estas situações. Uma das maiores preocupações relacionadas com as frieiras é o facto de estas poderem ulcerar e infectar.

Para evitar que tal aconteça é fundamental resistir ao prurido que estas provocam, recorrendo à aplicação de produtos antipruriginosos.

Quando as frieiras dão origem a feridas, é aconselhada a aplicação de um anti-séptico tópico, para que não infectem. O Bepanthene Plus, é um exemplo que alia propriedades cicatrizantes, a propriedades anti-sépticas.

Segundo alguns estudos, a administração oral de nifedipina pode melhorar a circulação sanguínea, dado o seu efeito vasodilatador e consequentemente evitar ou melhorar as frieiras. Contudo, trata-se de uma indicação não aprovada (“off label”).

10. Junho 2010 by admin

35 Comentários no Fórum

  1. Estou com uma frieira entre os dedos do pé, já fui na Dermatologista e até agora nada… A coceira continua, há um tempo atrás eu fui num Dermatologista e ele receitou uma pomada que é de manipulação, mas acontece que ele não atende mas pelo meu plano de saúde e a consulta é cara demais… Alguém sabe de algum remédio pra mim…

  2. Vez em quando, me aparece entre os dedos dos pés, principalmente quando uso constantemente, sapatos muito fechados.
    Uso TIOCONAZOL CREME em poucas aplicações, obtenho ótimo resultado.

  3. Estive a ler os v/ comentários à espera de encontrar a solução fácil, rápida e eficaz que vi os meus pais aplicarem com muita eficácia, quando eu era ainda uma criança.
    Casca de limão assada na brasa, ou talvez em qualquer chama.
    A casca do limão fica de cor amarelada ou tostada, então esfrega-se nas frieiras e o resultado aparece de seguida.

    Lembro-me de ver o meu pai com as frieiras quase a rebentar nas mãos, aplicava este tratamento e no dia seguinte já quase não tinha nada.

  4. uso chinelo o dia inteiro mais mesmo assim estou sofrendo muinto com esta coseira provocada pelas frieiras estou usando uma pomada chamada cetobetabmais esta nao esta me dando resutado por favorme ajude antes que eu arranque todos os dedos do pe

  5. eu estou com frieira só no meu minguinho esquerdo faz duas semanas q estou passando uma pomada pra frieira mais não está adiantado,e não é permitido eu trabalhor de calçado aberto,oq eu faço?me ajude por favor.

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *