Herpes

O que é o herpes?
É uma infecção provocada por um vírus, o herpes simples ou simplex, que se divide em tipo 1 e tipo 2. O herpes simplex tipo 1 é responsável pelo herpes labial; o tipo 2 pelo herpes genital. O herpes difere de outras infecções virais comuns porque o vírus permanece para sempre no organismo em estado de latência, ou seja, como se estivesse adormecido, podendo voltar a qualquer momento. É por isso que uma pessoa pode ser portadora do vírus, mesmo que nunca não tenha tido sintomas de herpes labial ou genital.

Quais são os sintomas de herpes?
Nos lábios, nariz e, raramente, nos olhos começa por haver uma sensação de ardor ou comichão. Surgem depois pequenas bolhinhas de água, muito juntinhas e que provocam dor, comichão e sensação de formigueiro. No prazo de uma semana, as bolhinhas tendem a rebentar e secar, formando crostas, que depois desaparecem, normalmente sem deixar lesões. No caso do herpes genital, as lesões são semelhantes e podem afectar, não apenas o pénis ou a vulva, mas qualquer localização na região genital.

Como é que o vírus do herpes se transmite?
O herpes genital transmite-se através do contacto sexual com um indivíduo infectado, sendo actualmente a doença sexualmente transmissível mais comum no mundo ocidental. O herpes labial através do contacto directo de pele com pele, embora possa existir contágio sem que exista contacto directo com a zona lesionada. Num período de menor resistência o vírus pode penetrar no organismo.

E a própria pessoa pode espalhar o vírus por outras partes do corpo?
Pode, mas não é difícil evitar a auto-infecção: não toque nas feridas e, se o fizer, lave muito bem as mãos.

Como é que se previne o contágio de herpes?
Quando se está com lesões, devem evitar-se os contactos físicos com outras pessoas. Evite os beijos e as relações sexuais desprotegidas durante as crises.

O herpes genital é diferente do labial?
O herpes labial e o genital são causados por tipos diferentes do mesmo vírus. O contágio do herpes genital ocorre apenas por contacto sexual. A forma como a doença evolui e o tratamento seguem um padrão semelhante ao do herpes labial. De qualquer forma, ter herpes genital não significa ter labial ou vice-versa.

O herpes deixa cicatrizes?
Depois de a ferida sarar ficam umas marcas muito discretas, que vão desaparecendo com o tempo. Não arranque as crostas porque isso provoca feridas, aumentando a probabilidade de deixarem cicatrizes.

O herpes Tem cura?
Não existem tratamentos que acabem de vez com o vírus do herpes, mas há medicamentos que ajudam a controlar a infecção e diminuem o sofrimento. Geralmente, estes remédios são administrados sob a forma de comprimidos e existem cremes que ajudam a secar as bolhinhas e aliviam a dor. Quanto mais cedo os começar a aplicar, menor e menos dolorosa será a crise. Apesar de aliviarem o sofrimento, estes medicamentos não eliminam o vírus. Esse continua sempre lá, adormecido. De qualquer forma, é boa ideia ir ao médico. Este vai-lhe explicar o que é a doença, quais as suas formas de contágio e a melhor maneira de se defender. Pode ainda ajudá-la a identificar situações de risco e a tomar cuidados especiais com o sol, o stress ou a febre.

Já que não posso eliminar o vírus, como é que posso minorar as crises?
Ser portadora do vírus não significa que sofra de crises constantemente. Não se sabe porque é que algumas pessoas enfrentam crises mais frequentemente que outras. No entanto, existem suspeitas de que algumas situações – como gripes, stress, cirurgias e até mesmo exposição ao sol – podem causar uma falha no sistema imunitário, deixando-o mais vulnerável ao vírus. Sabe-se que os raios solares ultravioleta diminuem as defesas naturais da pele, assim como algumas mulheres costumam sofrer de crises durante o período pré-menstrual.

E se eu estiver grávida?
O herpes genital, não afecta a possibilidade de ter filhos. Contudo, é possível que o vírus seja transmitido ao feto durante a gravidez, especialmente no momento do parto. Por isso, se a futura mãe tem uma história de herpes, é importante informar o médico durante a consulta pré-natal. Nos casos em que a mãe não tem uma história de herpes, mas o seu parceiro sexual tem, é importante que evite contrair a infecção durante a gravidez. Um primeiro episódio durante a gravidez representa um maior risco de transmissão ao recém-nascido. Se no momento do parto a mulher tem uma infecção hepática activa procede-se a uma cesariana para evitar o contágio do recém-nascido.

21. Junho 2010 by admin

9 Comentários no Fórum

  1. meu marido tem herpes, o que faço para não contrair, pois não tenho o diagnostico

  2. as herpes em geral aparecem por falta de himunidade,doenca oportunista,pra isso existem vacinas,e remédios pra que elas demorem mais a aparecer…bjos

  3. oi tenho uma amiga q tem herpes a muitos anos e tem muitas crises e a pele das nadégas dela é muito manchada o q ela pode fazer?

  4. Joelson Mota, ninguém sabe aqui que seu parente é vc mesmo né!

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *