A importância do sono

Conheça a importância do sono:

Ter força e energia para um dia atarefado com uma aparência vigorosa e bonita é um dos maiores trunfos… daquelas que, simplesmente, não se esquecem que as horas suficientes de sono são o seu maior segredo. Apesar de haver uma grande porção de factores que influenciam a beleza e a boa aparência do indivíduo, sem qualquer dúvida que o sono se pode considerar uma das bases influentes dessa boa aparência. Ainda que uma percentagem de indivíduos sinta a sua actividade mental mais estimulada durante a noite, a certeza porém é que, mesmo esses indivíduos precisam de um determinado número de horas de sono nas vinte e quatro horas de um dia. O ritmo do ciclo do sono pode ser variável de indivíduo para indivíduo e deve ser adaptado a cada um, consoante a sua necessidade pessoal e circunstâncias que o permitam. No entanto, também neste campo pode haver um período de educação do organismo, no que respeita o seu relógio biológico quanto ao tempo de produção activa, independentemente de ser dia ou noite.

Apesar disso, diremos que a regra geral e normal é estar-se desperto desde o amanhecer e sonolento quando já é noite. Independentemente disso, existem indivíduos capazes de um acordar madrugador mas que, chegando as primeiras horas da noite, necessitam de dormir mais cedo. Ao contrário destes, existe aquele grupo de pessoas que só conseguem despertar de manhã com ajuda de um despertador mas que, naturalmente, se mantêm perfeitamente dinâmicos até horas tardias da noite.

Relógio biológico e hábitos

Como é próprio em cada ser humano, cada um de nós tem um relógio biológico muito individual que determina a força do nosso hábito relativamente a determinadas acções. Assim acontece com a necessidade de nos alimentarmos a certa hora, bem como outras funções orgânicas que se manifestam de uma maneira tão automática que, passando esse período em que se manifestam, deixam de ser incomodativas para o indivíduo. Todo este mecanismo se estende igualmente ao fenómeno do sono que entra no hábito de cada um de nós. De qualquer maneira, e independentemente do ritmo próprio de cada um, a verdade é que toda a gente precisa de um número mínimo de horas de sono em cada dia.

Tempo para dormir

Segundo estudos feitos sobre a relação que existe entre o sono e a aparência do indivíduo, chegou-se à conclusão que este apresenta melhor semblante e saúde geral dormindo um número razoável de horas, do que aqueles que não o fazem porque contrariam voluntariamente as suas necessidades naturais e repouso orgânico. Em relação à beleza da mulher em particular, este processo resulta com consequências idênticas, ou seja, a beleza do rosto da mulher, bem como a sua boa condição física, é tanto superior quanto mais ela respeita a sua necessidade orgânica de sono e de descanso físico.

Em termos gerais, podemos dizer que passamos cerca de um terço da nossa vida a dormir, tempo este que é superior nas crianças e um pouco inferior na velhice. No entanto, considera-se ideal um tempo médio de sono de oito horas em cada vinte e quatro horas do dia em todos os adultos, sejam eles homens ou mulheres, ainda que, curiosamente, parece ser defendido que, em igualdade de idades, as mulheres precisam de dormir um pouco mais do que os homens.

Quando se dorme pouco

Uma vez que o sono tem como principal função colocar em estado de repouso as células musculares e nervosas, pondo em acção os mecanismos para uma desintoxicação profunda do organismo e recarregar o seu potencial energético, daí se compreende a sua importância para uma plena vitalidade durante o dia, ou para os períodos em que nos encontramos despertos. Logo, é um erro pensarmos que ao dormirmos poucas horas ou menos horas do que as necessárias, isso não vai acabar por se reflectir na nossa capacidade fisiológica, intelectual e psicológica quando estamos acordados nas nossas tarefas do quotidiano. De facto, o corpo começa a manifestar sinais de cansaço e fadiga, bem como menos resistência às solicitações do dia-a-dia.

Rejuvenescer enquanto dorme

Dormir não só relaxa o corpo de uma forma natural, como restaura a energia dispendida durante o dia. Enquanto dormimos, acciona-se no nosso organismo o diencéfalo (que se situa na base do encéfalo) o qual, à semelhança de um interruptor que, enquanto se mantém ligado, faz obscurecer as nossas acções voluntárias, assim como o pensamento da nossa vida consciente, e mantém acesas todas as actividades dos mecanismos automáticos da nossa vida vegetativa.

O que fica em estado passivo

Isto significa que, enquanto dormimos, os nossos músculos encontram-se em perfeito estado de relaxamento natural, bem como o nosso sistema nervoso em geral. Ao mesmo tempo, é durante o período em que estes se encontram, como que inactivos, que entram em actividade outros sistemas, considerados de verdadeira recuperação e desintoxicação do organismo. Desta forma, e enquanto também o nosso consciente se encontra obscurecido, o diencéfalo em actividade passa a governar o sistema circulatório, provocando uma diminuição do ritmo cardíaco e da respiração, uma ligeira descida da temperatura interna do corpo e, finalmente, a supressão do tónus dos músculos com consequente paragem dos seus movimentos voluntários.

O que se dinamiza durante o sono

Por outro lado, sabemos que o sono se transforma numa verdadeira fonte de rejuvenescimento porque, enquanto acontece, é restaurada toda a energia que foi despendida ao longo do dia ou durante período desperto e activo do indivíduo, os “deficits” carenciais fisiológicos são repostos, as toxinas orgânicas são mais fácil e rapidamente eliminadas do organismo, o estado de fadiga diurna dissipa-se gradualmente e assim se vai recarregando o nosso capital energético.

O sono e a beleza

Dentro deste contexto, também a secreção das glândulas sebáceas é dinamizada, proporcionando maior libertação do sebo que drena pelos canais pilo-sebáceos, bem como através da perspiração se vão libertando toxinas da pele. Por outro lado, é igualmente durante o sono que a epiderme vê aumentada a sua capacidade de absorção, o que justifica a importância do uso de um creme de noite nutritivo que lhe dê alimento. Por sua vez, ao ficarem em estado de relaxamento, os músculos faciais permitem que os pontos de tensão acumulados no rosto ao longo do dia se dissipem, permitindo que, ao acordar, se venha a verificar uma expressão de tranquilidade sem sinais de cansaço e uma pele revigorada e mais firme, o que significa mais rejuvenescida.

Consequências da falta de horas de sono

Por todos estes motivos, é importante que nos lembremos que roubar horas de sono ao nosso corpo não lhe vai trazer nada de benéfico. Quando isso acontece por um ou dois dias, é sempre possível poder compensar o organismo dormindo mais tempo ao terceiro dia, mas se dormir pouco se tornar um hábito, as consequências irão, também, acumular-se. Desta forma e sob estas condições, passa a notar-se no corpo sinais de fadiga como enfraquecimento muscular com diminuição do rendimento físico, menor capacidade de concentração mental e memória diminuída. A falta de sono acumulada tende ainda a diminuir a força de vontade e a tornar o indivíduo menos atento e menos vigilante. A força e a determinação tornam-se igualmente precárias, conduzindo a uma capacidade produtiva menor. Com a falta de sono podem ainda surgir transtornos orgânicos como alterações do humor, diminuição da capacidade psíquica com aumento do risco para a depressão.

Ao nível da pele, esta torna-se murcha e sem vitalidade, fica mais flácida e macilenta, surgem as olheiras profundas, as pálpebras dos olhos pesadas e toda uma aparência própria de abatimento, tal como acontece num processo de envelhecimento precoce.

Receba os novos artigos no seu email:

Em: Beneficios Para a Saúde | Comentar

Deixe o Seu Comentário no Fórum

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *