Lichia

lichia ou litchi é um fruto oriental arredondado, com 2,5-4cm de diâmetro. É de cor vermelha e tem a pele rugosa. A polpa é branca, doce e sumarenta. Pode-se consumir cru, embora na China se combine com carne e peixe. Também se utiliza no fabrico de gelados e batidos. É um alimento que fornece vitaminas e minerais ao organismo.

O litchi é um fruto com 2,5-4cm de diâmetro e 20g de peso. A pele é geralmente vermelha ou rosada e está coberta de pequenas protuberâncias ou rugosidades, recordando um medronho. A polpa é branca, consistente e um pouco dura, com uma semente no seu interior. Este fruto tem um sabor doce e ligeiramente ácido.

Geralmente é consumido em cru, como fruta fresca, ainda que se possa adicionar a macedónias. Na cozinha chinesa os litchis combinam-se com carne ou peixe. Também se utilizam para elaborar gelados e batidos. Podem ser conservados desidratados ou enlatados em calda de açúcar.

É uma fruta rica em vitaminas C e B e em minerais como potássio, cálcio, magnésio, ferro, cobre e fósforo. Os frutos, os caroços e as raízes são usados com fins medicinais, pois têm múltiplos efeitos benéficos para o organismo.

TIPOS E VARIEDADES DE LICHIAS
As variedades de litchi distinguem-se por características como a precocidade ou o tipo de fruto. As principais são a ‘Bengal’, ‘Brewster’, ‘Floridian’, ‘Haak Yip’, ‘Kway May Pink’, ‘No Mai Chee’, ‘Salathiel’, ‘Tai So’ e ‘Wai Chee’.

As diferentes variedades comerciais de lichia classificam-se de acordo com várias características agronómicas como a época de colheita, o tipo de crescimento da árvore e as características do fruto. As variedades mais importantes são as seguintes:

Bengal: é uma variedade precoce, a árvore é moderadamente vigorosa e dá frutos em forma de coração, com 20g de peso médio. Os litchis são vermelho brilhante e de boa qualidade.

Brewster: trata-se de uma variedade muito precoce, que se desenvolve numa árvore grande e vigorosa. Os frutos são elípticos, de 19g e de cor vermelho brilhante. Apresenta uma qualidade aceitável e tem sabor ácido.

Floridian: é uma variedade semelhante à anterior, embora com frutos de menor tamanho.

Haak Yip: é uma árvore de vigor médio, larga e compacta. O seu fruto é ovóide, com um peso médio de 17g e a pele é de cor vermelho mate. Apresenta uma qualidade muito boa.

Kway May Pink: esta variedade dá frutos arredondados, rosados e de 22g de peso. A árvore é de vigor médio e de porte erecto.

No Mai Chee Late: é uma variedade tardia que forma uma árvore vigorosa. O fruto tem a forma de coração, tem uma cor variável entre o amarelo e o vermelho brilhante. Apresenta uma qualidade excelente.

Salathiel: é outra variedade tardia que dá árvores pequenas e compactas. Forma frutos ovóides de 15-18g. A pele é grossa, de cor amarelo a vermelho intenso. O sabor é muito bom.

Tai So: a árvore é muito vigorosa, de copa aberta e de produção precoce. O fruto é ovóide a cordiforme e tem cerca de 24g. A pele é vermelho brilhante, mas escurece na maturação. O sabor é ácido-doce.

Wai Chee: trata-se de uma variedade muito tardia, em que a árvore é de vigor médio e de aspecto compacto. O fruto é redondo e pequeno (17g) e quando amadurece fica vermelho e amarelo. Apresenta um sabor doce.

A ÁRVORE – PLANTA
O litchi ou lichia pertence à família das Sapindáceas e o seu nome científico é Litchi chinensis. É uma árvore com cerca de 10m de altura, com um tronco grosso, recto e curto, com tendência a formar ramos baixos. A casca é de cor castanho escuro. As flores são branco-esverdeadas ou amareladas e originam os frutos, que são vistosos e de cor vermelho brilhante.

As folhas são alternas, com um número variável de folíolos. A forma, o tamanho e o número de folíolos servem para distinguir variedades. As flores do litchi agrupam-se em panículas, e são branco-esverdeadas ou amareladas. Surgem no final do Inverno ou princípios da Primavera e podem ser de três tipos: masculinas; hermafroditas que amadurecem como femininas e hermafroditas que se comportam como masculinas.

O fruto é uma drupa de forma ovóide, com 5cm de comprimento e 4cm de diâmetro. O seu peso oscila entre 10 e 35g. A pele é vermelho brilhante e está coberta por saliências angulares. A polpa é branca, translúcida, sumarenta e doce. A semente é brilhante e de cor castanho escuro.

O litchi abrolha várias vezes ao ano. A emissão de novas ramos começa a meio do Verão e termina na floração de Primavera.

ORIGEM DA LICHIA
A lichia é originária da província de Cantão, na zona subtropical do Sul da China. É conhecida desde o ano 2000 a.C., embora a primeira referência escrita seja do ano 1000 a.C., durante a dinastia Han. As primeiras notícias do litchi no mundo ocidental são de Juan González Mendoza, escritor e religioso que Felipe II mandou à China no século XVI.

Em 1883 este fruto foi introduzido nos Estados Unidos, e a partir da segunda metade do século XX foi aparecendo paulatinamente no Brasil, Honduras, Antilhas, Hawai, África do Sul, Nova Zelândia, Japão, Austrália e Madagáscar.

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) recolhe os dados de produção e exportação de diferentes frutas tropicais, entre eles a carambola, anona, litchi, feijoa, goiaba, maracujá, rambutã, etc.

O principal continente produtor de frutos tropicais, entre as quais se encontra o litchi, é a Ásia com 83% do total, seguida da América do Sul com 12%, enquanto que no resto do mundo a produção é escassa:

  Continente    Toneladas    % 
  África    406.270    3 
  Ásia    12.736.173    83 
  Europa    25.000    - 
  América do Norte    366.390    2 
  América do Sul    1.766.650    12 
  Oceânia    30.826    - 
  Total    15.331.309    100 

Frutos tropicais
Fonte: Anuário FAO de produção (2000)

Os principais países produtores são asiáticos: Índia, Filipinas, Indonésia e China. Também aparecem entre os 10 primeiros produtores alguns países da América do Sul.

  País    Toneladas 
  Índia    3.700.000 
  Filipinas    3.600.000 
  Indonésia    2.000.000 
  China    1.675.192 
  Colômbia    1.120.000 
  Tailândia    704.000 
  Paquistão    468.500 
  Brasil    335.000 
  Bangladesh    267.000 
  Perú    253.179 

Frutas tropicais
Fonte: Anuário FAO de produção, 2000

O principal país exportador é a Malásia, seguida dos Estados Unidos e do Quénia. No quadro seguinte mostram-se os 10 principais países exportadores de frutas tropicais, entre as quais se encontra o litchi:

  País    Toneladas 
  Malásia    52.412 
  Estados Unidos    28.269 
  Quénia    10.592 
  Tailândia    5.542 
  Indonésia    4.794 
  Egipto    4.081 
  Madagáscar    3.642 
  Iémen    2.953 
  China    2.914 
  Austrália    2.897 

Frutos tropicais
Fonte: Anuário FAO de Comércio, 2000

DISPONIBILIDADE
O litchi ainda é pouco conhecido na Europa. Pode-se consumir em conserva durante todo o ano e fresco desde Novembro a Janeiro.

O litchi é um fruto pouco conhecido em muitos países europeus, onde é importado. É difícil encontrá-lo nos mercados, e muitas vezes só se comercializa em estabelecimento e restaurantes orientais. Pode-se conseguir fresco de Novembro a Janeiro, e desidratado ou em calda de açúcar todo o ano.

O quadro seguinte mostra as importações de litchi no Reino Unido, indicando o país de procedência, a época e o peso das embalagens.

  País de origem    Disponibilidade    Peso das embalagens 
  Austrália    Outubro-Fevereiro    5kg 
  Bangladesh    Abril-Setembro    2kg 
  China    Junho-Agosto    10kg 
  Honduras    Março-Maio    2kg 
  Índia    Maio-Julho    2kg 
  Indonésia    Esporadicamente    Vários 
  Israel    Julho-Setembro    2kg 
  Madagáscar    Novembro-Janeiro    2kg 
  Malásia    Julho    Vários 
  Maurícias    Janeiro-Março    2/5kg 
  África do Sul    Novembro-Março    2kg 
  Espanha    Julho-Setembro    2kg 
  Taiwan    Junho-Agosto    2kg 
  Tailândia    Abril-Junho    2kg 
  Estados Unidos    Junho-Julho    Vários 

Fonte: Fresh Produz Desk Book (1998)

ACONDICIONAMENTO
A embalagem padrão para o litchi é uma caixa de cartão com capacidade para 5 kg de peso. No entanto, cada vez mais são utilizadas bandejas e cestas de materiais plásticos, cobertas de filme plástico que prolongam a conservação destes frutos. Recentes investigações provaram que as cestas cobertas mantêm melhor a humidade e, desta forma, os litchis não se desidratam e conserva-se melhor a cor do fruto.

Segundo um estudo realizado por Steven Underhill, John Bagshaw e Cameron Turner do Horticulture Postharvest Group de Hamilton, Deparment of Primary Industries Queensland, intitulado ‘Evaluation of Packaging Options for Lychee’, a correcta embalagem dos litchis é essencial para evitar o acastanhamento prematuro da pele. O acastanhamento é causado por rápidas perdas de água durante o processo de embalagem, transporte e exposição no ponto de venda.

As bolsas de plástico ou as caixas de cartão têm sido muito usadas para reduzir as perdas de água e o acastanhamento da pele.

Neste estudo foram avaliados os diferentes tipos de bolsas de plástico disponíveis comercialmente: polietileno de baixa densidade de 35, 50 e 75 micrómetros de grossura, Lifespan film, bolsas PY-7 e PY-1 perfuradas com capacidade para 2,5kg. Também foi testado um cartão de novo desenho, com o nome de Active Packaging, fornecido pelo Australian National Line (ANL) como uma alternativa aos ‘polibags’.

Este cartão foi especialmente desenvolvido para prevenir as perdas de humidade e, ao mesmo tempo, absorver o excesso de humidade, evitando assim a condensação.

A avaliação foi realizada usando diferentes temperaturas para simular a manipulação comercial. Os resultados indicam que o acastanhamento da pele aumenta com o tempo de armazenamento, para todos os tipos de embalagens. Por outro lado, provou-se que arrefecer os frutos até 5 graus Celsius antes da embalagem em bolsas pode reduzir a condensação. Além disso, se os frutos arrefecidos são embalados e mantidos em pacotes de cartão a cerca de 5ºC, o risco de condensação e de aparecerem raízes é mínimo.

Os grossistas e os retalhistas preferem as embalagens transparentes (como as bolsas PY-1 e PY-7). No entanto, os frutos, não arrefecidos e embalados nestas bolsas, quando são submetidos a variações de temperaturas provocam uma importante condensação nas embalagens.
Em resumo, não existem respostas simples quando se trata da embalagem dos litchis. Recomenda-se o seguinte:

- Consulte o seu agente antes de seleccionar uma embalagem.
- Pré-refrigere o fruto até 5ºC antes de o embalar. Isto diminuirá o risco de condensação dentro da embalagem.
- Seleccione uma embalagem que mostre claramente o produto. Evite plásticos coloridos ou pintados.
- Comprove a resistência do material.

REGULAMENTAÇÃO
A FAO estabelece normas de qualidade para o litchi com carácter informativo. Estas indicam que o litchi deve apresentar-se limpo, são e praticamente sem danos externos. Segundo a qualidade que apresentem classificam-se em três grupos: categoria Extra, I e II. As embalagens devem apresentar um conteúdo homogéneo, tendo litchis da mesma variedade, origem, categoria e calibre. Estes dados devem estar indicados no exterior da embalagem.

Os litchis não têm uma norma de cumprimento obrigatório em relação à qualidade. Existe a norma Codex Stan 196 da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), que é de referência e não é obrigatória.

Segundo esta norma, exige-se como requisitos mínimos que os frutos estejam inteiros, sãos, limpos, praticamente livres de pragas e danos causados por estas, livres de danos e de humidade externa anormal, e sem odores ou sabores estranhos. O estado dos litchis deve ser tal que permita o seu transporte e manipulação para chegarem em condições adequadas ao seu destino.

As litchias classificam-se em três categorias segundo a qualidade que apresentam:

Categoria Extra: são frutos de qualidade superior. Devem estar livres de defeitos, embora possam apresentar ligeiros defeitos superficiais.

Categoria I: os litchis deste grupo são de boa qualidade. Podem apresentar ligeiros defeitos desde que não afectem o aspecto geral nem a qualidade do produto, como ligeiras deformações, ligeiros defeitos de cor ou ligeiros defeitos na pele, inferiores a uma área de 0,25cm2.

Categoria II: estes litchis podem apresentar defeitos de forma, de cor e manchas na pele, não superiores a 0,5cm2.

O calibre dos litchis determina-se pelo diâmetro equatorial. O valor mínimo é de 33mm para a categoria Extra e de 20mm para as outras duas categorias. Numa mesma embalagem ou lote a diferença máxima permitida entre dois frutos é de 10mm.

Em relação às tolerâncias, admite-se que 10% dos frutos de um pacote não cumpram as especificações de qualidade ou calibre, com excepção da categoria Extra, em que esta percentagem é de 5%.

O conteúdo de cada embalagem deve ser uniforme, com litchis da mesma origem, variedade, qualidade, calibre e cor. Os materiais usados devem ser novos, limpos e sem substâncias que possam alterar os frutos. Os litchis podem-se apresentar individualmente ou em molhos.

Na embalagem deve constar o nome do embalador e distribuidor, a variedade, origem, categoria e calibre.

Critérios de Qualidade
Gestão atmosferica pós colheita

O litchi é um fruto que se deve conservar no frio, de contrário degrada-se rapidamente. As condições adequadas são 2ºC e uma humidade de 90-95%. A conservação é melhorada se se cobrem os frutos com filmes plásticos.

O litchi é um fruto muito sensível que em ausência de refrigeração se deteriora facilmente. Em menos de 24 horas a 20-30ºC perde a sua cor e depois apodrece, pelo que é importante conservá-lo no frio até muito próximo do momento do seu consumo. As condições adequadas são de 2ºC e uma humidade ambiental entre 90% e 95%. Se os frutos são mantidos em tabuleiros cobertos com filme plástico a conservação prolonga-se até às 4 semanas. Alguns países fazem tratamentos com ácido sulfúrico ou anidrido sulfuroso antes de transportes longos, embora haja cada vez maior preocupação com os resíduos destes produtos.

O uso de atmosferas controladas reduz o acastanhamento da pele e a perda de sólidos solúveis do fruto. Recomenda-se uma concentração de oxigénio e de dióxido de carbono de 3-5%.

Problemas pós colheita
Entre os problemas surgidos durante a conservação do litchi, destaca-se o acastanhamento da pele, danos provocados pelo frio, ruptura da pele ou a deterioração da polpa. Aparecem ainda doenças provocadas por diversos fungos, como Alternaria ou Aspergillus.

Os litchis podem sofrer diversos problemas durante o seu armazenamento, como alterações fisiológicas e doenças. Entre as primeiras pode-se encontrar:

Acastanhamento da pele: a perda de água do fruto produz o aparecimento de manchas castanhas na superfície do litchi. Em condições de baixa humidade as manchas crescem e cobrem todo o fruto. Este problema pode-se reduzir cobrindo as embalagens com filmes plásticos.

Danos por frio: os sintomas são semelhantes aos do problema anterior e ocorrem quando as temperaturas são demasiado baixas.

Ruptura da pele: depende da variedade e da humidade durante o armazenamento. As fendas na pele favorecem a entrada de patogéneos.

Deterioração da polpa: em armazenamentos prolongados e quando os frutos estão demasiado maduros aparecem problemas de amolecimento e perda de turgescência da polpa, que também perde sabor.

Entre as doenças encontram-se as produzidas pelos fungos Alternaria, Aspergillus, Botryodiplodia e Colletotrichum. Os estragos são reduzidos se os frutos forem mantidos em condições adequadas de humidade e temperatura.

Efeitos Saudaveis

Beneficios da lichia para a saude
O litchi é uma fonte de potássio, cálcio, magnésio, ferro, cobre, fósforo, vitaminas do complexo B e vitamina C. Os minerais são nutrientes necessários para os processos metabólicos. O potássio intervém no metabolismo das proteínas e hidratos de carbono.

O cálcio é essencial para a manutenção dos ossos e para o crescimento em geral. Não só exerce funções estruturais, como também participa em funções do sistema nervoso. O zinco participa na síntese de ADN. Uma ingestão adequada de vitamina C tem efeitos benéficos para o corpo, reduzindo o risco de contrair diversos tipos de cancro, doenças cardiovasculares e arteriosclerose.

Tradições Populares
O litchi possui múltiplas propriedades curativas. Para este propósito utiliza-se tanto o fruto como o caroço, casca e raízes, que se aplicam externa ou internamente. O litchi combate, entre outras coisas, as dores de estômago, hérnias e as dores de garganta.

Na China, de onde é originário, reconhecem-se muitas propriedades medicinais ao litchi. A polpa de litchi promove os fluidos corporais e favorece o sangue. É um bom anti-inflamatório e está indicado em casos de polidipsia, soluços, dores de estômago, carbúnculo, dores de dentes, hemorragias externas e hérnias. A casca é boa contra a disenteria e os eczemas, enquanto o caroço e a casca da raiz usam-se para curar hérnias, inchaços e dores de garganta.

Pode ser consumido cozido ou macerado em vinho. Para ser usado externamente, o fruto é esmagado e pode-se aplicar a pasta, ou pode ser reduzido a pó. A casca, o caroço e a raiz são cozidos.

(Não faça confusão com os nomes porque ambos são o mesmo fruto)

Em: Beneficios Para a Saúde | 2 comentários

2 Comentários no Fórum

  1. EU SIMPLISMENTE AAAAAAAAAMO LICHIA, FAZ BEM PRA DIGESTÃO ! mt bom

  2. por favor poderia mandar fos da flor da lichia.quero saber como e?por favor agradecida mercia

Deixe o Seu Comentário no Fórum

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *