Tiróide – O que é a tiróide?

A tiróide é uma pequena glândula, tambem chamada de tireóide, situada na base do pescoço. As hormonas por ela segregadas são indispensáveis para o desenvolvimento do cérebro, o crescimento dos ossos, o consumo de oxigénio pelas células, a transformação das gorduras e dos açucares, etc. Por isso, um mau funcionamento desta glândula pode implicar uma série de problemas, com efeitos a nível da pele, do coração, do humor, do sistema digestivo, dos olhos, do colesterol, etc.

Como funciona a glândula tiróide?
As hormonas tiroideias são fabricadas a partir do iodo proveniente da alimentação, que é captado por esta glândula. Esta substância está presente, por exemplo, no sal de cozinha de origem marinha (o que se consome em Portugal), nos peixes de mar, etc.
Uma carência ou um excesso de iodo podem originar diversos problemas. Mas o bom funcionamento da tiróide não depende apenas do aporte de iodo.

Dois outros órgãos contribuem para manter o nível correcto de hormonas tiroideias no sangue: a hipófise, uma glândula, e o hipotálamo, uma pequena região do cérebro.
O hipotálamo segrega a TRH (hormona libertadora da tiroglobulina) e a hipófise, a TSH (hormona estimuladora da tiroide), duas hormonas essenciais para o funcionamento da tiróide. A manutenção do nível correcto de hormonas tiroideias no sangue resulta de interacções entre a hipófise, o hipotálamo e a tiróide.

De que forma a falta de iodo interfere com a tireóide?
Vejamos o que acontece, por exemplo, quando a alimentação é pobre em iodo, como acontece nalgumas regiões montanhosas, longe do mar: o hipotálamo apercebe-se de que o nível de hormonas tirodeias no sangue não é adequado e reage, aumentando a produção de TRH. Esta hormona, por sua vez, estimula a hipófise a libertar uma maior quantidade de TSH. Por fim, esta última actua sobre a tiróide, aumentando a sua capacidade de captação de iodo, de modo a que possa produzir uma quantidade superior de hormonas. O problema é que a TSH também provoca um crescimento das células da tiróide. Esta glândula pode, assim, aumentar de volume, dando origem ao chamado bócio.

O que é o bócio?
Normalmente, chama-se bócio a qualquer aumento de volume da glândula tiróide, seja qual for a causa. Esta hipertrofia da tiróide pode ser geral ou localizada (nódulos). Por vezes é pouco perceptível, mas também pode atingir um tamanho considerável. Quando é muito volumoso, pode afectar a respiração e a deglutição. Nalguns casos, também oprime as veias que transportam o sangue do cérebro para o coração, pelo que o paciente fica com a sensação de ter a “cabeça cheia”.

O bócio pode ser benigno e resolver espontaneamente, mas também pode ser mais grave e necessitar de tratamento médico. Um bócio, mesmo que pouco perceptível, é sempre motivo para uma consulta médica. Convém, no entanto, ter presente que este problema só muito raramente está ligado ao cancro da tiróide, uma doença pouco frequente e fácil de tratar, se detectada logo de início.

Quem é mais afectado pelas alterações da tiróide?
Os problemas da tiróide, que englobam uma série de afecções e doenças (ver mais à frente), são relativamente frequentes e mais na mulher do que no homem, sem que se saiba porquê. Esta doença ocorre mais nas regiões onde há grandes carências de iodo, mas também é possível desenvolvê-la mesmo quando se absorve uma quantidade suficiente desta substância. Em regiões onde, na população em geral, não há carências de iodo, como acontece com Portugal, estima-se que 7% das pessoas tenham a tiróide demasiado volumosa.

Na Grã-Bretanha, 10% das mulheres com mais de 45 anos têm a tiróide pouco activa. Nos Estados Unidos, calcula-se que haja 10 milhões de pessoas com problemas nesta glândula (actividade insuficiente ou excessiva. Ou seja, trata-se de afecções relativamente frequentes, embora, no nosso país, não haja estatísticas fiáveis sobre este tipo de doenças. Como saber, então, se sofremos de problemas da tiróide? É relativamente simples: quase todos os doentes apresentam sintomas de hiper ou de hipotiroidismo.

O que é o hipertiroidismo?
O hipertiroidismo, como o próprio nome indica, caracteriza-se pela produção excessiva de hormonas, o que origina uma aceleração do metabolismo: todo o organismo funciona mais depressa.

De que forma o organismo pode manifestar o hipertiroidismo?
São múltiplos e variados os sinais e sintomas que podem estar presentes nesta condição. Os mais frequentes são:

Nervosismo, mãos trémulas e hiperactividade
Diarreia e defecação frequente
Emagrecimento, apesar de um eventual aumento de apetite
Fraqueza muscular
Transpiração excessiva e intolerância ao calor
Insónia, fragilidade emocional e ansiedade
Pele quente e húmida, e palmas das mãos vermelhas
Cabelos finos e sedosos
Aceleração do ritmo cardíaco (palpitações)
Olhos exorbitados, dolorosos, com sensibilidade excessiva à luz e diminuição da acuidade visual
Bócio

Quais as causas do hipertiroidismo?
As causas deste problema são múltiplas e variadas, pelo que nos limitamos a indicar as mais importantes.

- O chamado bócio tóxico difuso ou doença de Graves é a causa mais frequente do hipertiroidismo. Trata-se de uma doença auto-imune, ou seja, é o próprio organismo que produz anticorpos que desregulam o funcionamento da glândula. Esta doença afecta sobretudo as mulheres jovens.
– O bócio multinodular tóxico. Os nódulos são formações esféricas que se desenvolvem sobre um bócio “normal”, isto é, sobre uma tiróide aumentada, que fabrica hormonas em grande quantidade. Afecta particularmente os idosos.
– O nódulo tóxico único. Trata-se de um tumor benigno, constituído por um conjunto de células da tiróide, que se tornam hiperactivas. Atinge sobretudo as mulheres.
– A tiroidite subaguda de De Quervain, isto é, uma inflamação da tiróide desencadeada por certos vírus. Os sintomas, geralmente, surgem após uma infecção nas vias respiratórias superiores (nariz, boca e garganta).
– Alguns medicamentos, como a amiodarona, para o coração, e o lítio, um estabilizador do humor, também podem estar na origem do hipertirioidismo.
– A hiperactividade da hipófise, ou seja, a segregação excessiva da hormona TSH, em casos raros, também pode explicar o hipertiroidismo.
– Por vezes, este problema também surge em consequência de um tratamento médico, destinado a controlar o hipotiroidismo (ver a seguir).

O que é o hipotiroidismo?
O hipotiroidismo, mais frequente do que o hipertiroidismo, resulta de uma actividade da tiróide inferior ao normal. O despiste deste problema é feito à nascença, através do teste do pezinho.

De que forma se pode manifestar o hipotiroidismo?
O hipotiroidismo pode apresentar os seguintes sintomas:

Apatia e letargia.
Prisão de ventre
Aumento de peso, apesar de uma eventual diminuição do apetite
Músculos rígidos e contraídos
Arrepios e sensação de frio. Pele fria e seca
Palidez
Cabelos secos, quebradiços; queda de cabelo
Ritmo cardíaco mais lente (pulso mais lento)
Voz rouca e mais profunda, devido ao inchaço das cordas vocais
Menstruações mais abundantes
Bócio

Quais as causas do hipotiroidismo?
– A carência em iodo é a principal causa, a nível mundial, do hipotiroidismo. Em países como o nosso, onde já não existem verdadeiras carências a este nível, as origens desta doença são outras
– A tiroidite de Hashimoto. Trata-se de uma inflamação de origem auto-imune, que leva o organismo a produzir anticorpos que destroem progressivamente as células da própria tiróide. Geralmente, o primeiro sinal da inflamação é o volume desta glândula. Afecta sobretudo mulheres adultas.
– A utilização de medicamentos, como o lítio e a amiodarona, também pode estar na origem do hipotiroidismo (tal como acontece no hipertiroidismo).
– Tiroidite pós-parto. É uma variante da tiroidite de Hashimoto. Afecta 5% das mulheres a seguir ao parto e pode manifestar-se através de uma depressão. Em geral, a tiróide volta a funcionar normalmente alguns meses após o parto.
– Hipófise pouco activa. Quando esta glândula produz uma quantidade insuficiente de TSH, a tiróide ressente-se, limitando a produção de hormonas.
– Tratamento com iodo radioactivo. Este tratamento, utilizado para combater o hipertiroidismo, pode conduzir à situação inversa. O hipotiroidismo pode, também surgir devido a uma operação à tiróide.

Como fazer o diagnóstico de problemas da tiroide?
O médico, certamente, começará por fazer várias perguntas ao paciente, a fim de recolher dados úteis para avaliar a situação: as queixas que apresenta e quando começou a senti-las; antecedentes familiares de doenças da tiróide; hábitos alimentares; a existência de uma doença viral ou de uma gravidez recente, etc.

Caso suspeite de que a pessoa tem problemas na tiróide, o médico examinará e palpará a glândula, a fim de verificar se apresenta um volume superior ao normal, nódulos, etc. Como em qualquer outra consulta, também pode ser útil efectuar um exame geral (medição do peso, da tensão arterial, etc.). Caso o doente se queixe de problemas oculares, também deverá ser feito um exame oftalmológico.

Qual a importância das análises ao sangue?
A determinação do nível de TSH é um elemento crucial para o diagnóstico: um nível alto ou baixo desta hormona pode ser sinónimo, respectivamente, de hipo e hipertiroidismo. Neste caso, é necessária uma nova análise (geralmente, na mesma amostra de sangue), para determinar o nível exacto das várias hormonas tiroideias. Outras análises podem ser necessárias, como é o caso da determinação do nível de colesterol.

Que outros exames podem ajudar ao diagnóstico?
O funcionamento da tireóide também pode ser estudado através do iodo radiactivo. Este pode ser administrado ao doente sob a forma de bebida, comprimidos ou por injecção. De seguida, por meio de aparelho mediador da radioactividade, determina-se a quantidade de iodo captado pela tiróide.

Depois de verificar o funcionamento da tiróide, o médico procurará descobrir as causas do problema. Ou, seja, saber, por exemplo, por que razão a tiróide produz hormonas em excesso ou o que é que está a causar o aumento de volume da tiróide (bócio), quando esta glândula funciona normalmente. Para isso, convém recorrer a outros exames mais especializados, como é o caso da ecografia, da biopsia, da cintigrafia, etc.

Tenho hipertiroidismo: devo evitar o consumo de iodo?
Os doentes que sofrem de hipertiroidismo devem evitar a absorção excessiva de iodo, já que este estimula a actividade da tiróide. Assim, é de evitar a utilização frequente de medicamentos que contenham iodo, como é o caso de muitos desinfectantes (Betadine, Dinasepte, etc.). Como é evidente, se utilizar, uma vez por outra, um pouco de pomada para desinfectar um pequeno arranhão, não lhe fará mal. Mas, se a superfície de pele a desinfectar for extensa ou tiver uma ferida profunda, não convém utilizar desinfectantes que contenham iodo (veja a rotulagem), sobretudo as soluções com espuma, uma vez que, nestas condições, será absorvida uma quantidade apreciável desta substância.

Alguns suplementos alimentares também contém iodo. Este tipo de produtos, tal como já referimos várias vezes, só são úteis em situações específicas, quando recomendados pelo médico. Nos restantes casos, uma alimentação variada e equilibrada satisfaz plenamente as necessidades do nosso organismo, pelo que não é necessário recorrer aos suplementos. Nos doentes que sofrem de hipertiroidismo, este tipo de suplementos até podem ser prejudiciais, nomeadamente por conterem iodo.
Quanto ao sal de cozinha e ao peixe marinho, podem continuar a ser integrados, de forma moderada, na dieta de quem sofre de hipertiroidismo.

Que tratamentos posso ter que fazer?
Dado que os tratamentos são complexos e variam muito consoante o caso, limitamo-nos a uma descrição geral do que é possível fazer.

Esperar e vigiar

Nem sempre é necessário recorrer a um tratamento médico. Por vezes, o hipotiroidismo pode desenvolver-se em consequência de um tratamento hormonal ou com iodo, uma vez que o excesso destas substâncias pode bloquear o mecanismo de produção de hormonas. Neste caso, se os sintomas não forem muito incomodativos, bastará esperar: assim, que o organismo elimine as hormonas e/ou o iodo excedentários (algumas semanas ou mesmo meses após terminar o tratamento), a tiróide voltará a funcionar normalmente.

Outro exemplo: a doença De Quervain. Esta, normalmente, implica um ligeiro aumento de volume da tiróide, que pode tornar-se doloroso. Dado que, em geral, esta doença desaparece por si, pode não ser necessário recorrer a medicamentos específicos, mas apenas a analgésicos (contra a dor), de preferência a aspirina.

Estes são apenas alguns exemplos em que o médico pode aconselhá-lo a “esperar para ver”. De qualquer modo, mesmo que se decida não recorrer a qualquer tratamento, é fundamental acompanhar a evolução do problema, através de análises ao sangue e outros exames que o médico considere necessários.

Medicamentos

Os medicamentos, geralmente, são bastantes eficazes. A duração dos tratamentos pode variar entre alguns meses e vários anos, dependendo das causas do problema, do grau de evolução, etc. Por vezes, o paciente é mesmo obrigado a efectuar os tratamentos durante toda a vida.

Se for necessário recorrer a medicamentos para o hipotiroidismo, o médico pode receitar hormonas tiroideias (em comprimidos). Neste caso, convém que se faça a prescrição da dose correcta, porque, se o paciente tomar hormonas destas em excesso, pode desenvolver-se hipertiroidismo. Este tratamento, por vezes, provoca comichões no corpo e, nas pessoas que tomam medicamentos anticoagulantes, pode originar hemorragias.

Em caso de hipertiroidismo, podem utilizar-se medicamentos antitiroideus, cuja função é diminuir ou bloquear o funcionamento da tiróide. Os efeitos secundários destes medicamentos são, sobretudo, perturbações intestinais e erupções cutâneas. Principalmente, durante os primeiros meses da terapêutica, o doente pode, ainda, ter febre e sentir arrepios de frio.

Outra hipótese é recorrer ao iodo radioactivo. Este medicamento acumula-se na tiróide e a radioactividade destrói as células (o mesmo método pode ser utilizado em caso de cancro da tiróide), diminuindo a actividade da glândula. Este tratamento é considerado seguro, mas, por vezes, o doente desenvolve, de seguida, hipotiroidismo. Por isso, quando prescreve um tratamento deste tipo, o médico deve ensinar os doentes (e, se possível, os seus familiares mais próximos) a reconhecer os sintomas do hipotiroidismo e aconselhá-los a consultá-lo logo que sintam algum desses sintomas.

Seja qual for o medicamento prescrito, é fundamental que o paciente respeite escrupulosamente a prescrição do médico, sobretudo no que respeita à dose: a toma de quantidades superiores às prescritas podem dar origem ao problema inverso (se o doente sofrer, por exemplo, de hipertiroidismo, pode passar a ter hipotiroidismo).

Por outro lado, quem está a tomar medicamentos para tratar problemas da tiróide deve pesar-se frequentemente (por exemplo, uma vez por semana) e registar os valores. Caso verifique uma alteração superior a 2,5 Kg, deve consultar o seu médico.

Qual é o lugar da cirurgia no tratamento da tiróide?
A operação à tiróide é outro meio de tratamento possíveis. Pode decidir-se recorrer à cirurgia, por exemplo, quando o hipertiroidismo resiste à medicação ou quando o bócio é demasiado volumoso, a ponto de interferir na respiração e na deglutição e/ou comprimir as veias do pescoço. Recorre-se também à operação em caso de cancro da tiróide.
A operação consiste em retirar uma parte ou a totalidade da glândula. Se a opção for a eliminação completa da glândula (acontece, por exemplo, em caso de cancro), o doente terá de tomar as hormonas tiroideias.

Mas na maioria das situações, elimina-se apenas uma parte da tireóide. Por exemplo, em caso de hiperactividade desta glândula, o médico pode decidir deixar um pequeno fragmento, que continuará a produzir as hormonas necessárias. Quando o problema é um nódulo benigno sobre um dos dois lóbulos da tiróide, retira-se apenas metade da glândula. A operação à tiróide implica uma anestesia geral e deixa cicatrizes discretas que se vão esbatendo.

02. Setembro 2010 by admin
Em: Outros Temas | 21 comentários

21 Comentários no Fórum

  1. Oi
    eu tenho tiroide e queria saber se eu ainda posso fazer atividades fisicas

  2. ola boa tarde fiz uma ecografia a tiroideira …
    e diz …
    lobo direito mede 38x14x15mm e o lobo esquerdo 39x12x18mm, para um volume total de 8,8ml.
    o que e que isto quer dizer?

  3. oi mim chamo Elaine e ha 2 anos atras descobrir q tenho um cisto na tireoide, isso mim deixa muito nervosa e com a pressão arterial muita alta, gostaria se isto tem cura.

  4. oi tive problemas com a tireoide depois que ganhei minha filha,começou com depressão e hipertireoidismo emagreci demais tremia muito,não tinha fome,toma muita água suava muito não dormia nem de noite e nem de dia tinha uma disposição.quando procurei o médico e os exames deu alterado a médica resolveu entrar com iodo terapia,fiquei muito mal fui internada varias vezes,e ate hoje não encontro meio termo pois sempre estou doente tenho muitas dores no corpo e na coluna articulações e dores na garganta e ouvido sempre com infecção,eu faço exames e agora esta hipotireoidismo não consigo emagrecer durmo muito mal,eu tomo o puran 75 estou nesse tratamento a mais de treze anos,tem dias que eu penso em parar de tomar a medicação e ver no que vai dar se passa essas dores.o pior de tudo é ouvir os outros criticarem dizendo que eu sou a maria das dores. sera que um dia isso vai passar os médicos parecem que não estão nem ai ja passei por varios endocrinologista e o que eu mais detesto neles é quando dizem que eu estou acima do peso e é por isso que eu tenho dores na coluna e que eu tenho que fazer exercícios.eu sei que exercícios faz bem a saúde mais e quando a gente trabalha fora e chega em casa não tem apoio de ninguém em casa como que eu acho tempo pra fazer alguma coisa.

  5. minha filha tem 13 anos,diz o médico do postinho que ela tem tireóide,deu remédio mas a menina continua cada vez mais gorda ,quando emagrece uma grama ele diminui dosagem pq ela é criança.Isso é correto ou tenho que procurar um especialista?muito obrigado.

  6. Meu filho teve câncer de tireóide.recentemente fiz exame de tireóide e estou co tireóide de hashimoto,
    Lobo direito com volume de 25.5 cm3–lobo esquerdo com volume de 17,0 cm3—istmo com volume de 4,5 cm3 e volume total da glândula 47.0cm3
    É sério isto?

  7. Algum tempo me sinto sufocada,não conseguiu dormir..Falei c\ minha médica e me passou o exame de sangue.Mas n acusou,e ai fiz uma ultrasonografia e acusou um cisto na tireode…E agora o que devo fazer…Preciso de ajudar e orientação….Obrigada.

  8. oie me chamo nathalia e tenho o ploblema da tiroide mais o poloblema e que os medicos ja me passaram remedio e eu nao tomo serra que pode trazer a morte?

  9. Olá boa tarde, eu não sei ainda oque eu tenho….. sinto algo na minha garganta que não sobe e nem desce,não consigo comer, e até pra beber agua está dificil… ae acabou machucando minha garganta e fiquei rouca,tive, palpitação, sonolência;desânimo,pressão arterial alta, menstruaçaõ irregular… será tireoide?

  10. oi eu tenho tiriode e gostaria de saber se quem tem tiriode pode em gravida :ou quem tem um nodulo pode em gravida

  11. PARA: ROSECLEI FRAGA DA MOTTA: OLHA NAO SOU MEDICO MAS ACHO QUE O QUE VOCE TEM PODE SER DEPRESSAO OU ALGUM DISTURBIO PSICOLOGICO,FALO ISSO PORQUE JA TIVE SINDROME DO PANICO E TINHA MUITA DIFICULDADE PARA ENGOLIR E DORMIR, E NA MINHA FAMILIA TEM BASTANTE CASOS DE DEPRESSAO E ETC. JA TENHO UM CERTO CONHECIMENTO NO ASSUNTO. TE ACONSELHO A CONSULTAR COM UMA PSICOLOGA. ELA TE DARA ORIENTAÇOES DO QUE FAZER.NAO FIQUE PREOCUPADA. FICA COM DEUS.

  12. Eu estou sentindo como estivese engasgada, algo que não desce e nem sobe, literalmente fica parada no meio da garganta, quando tomo antialergico sinto menos dilatado, fiz ezame de tiroide mais o tecnico que fez o ezame de tiroide falou que ela esta diminuida( tireodetópica móvel á deglutição apresentado diminuida de volume habitual . medida tireoideanas LD 2,7 cm x 1,4 cm x 1,3cm — le 3,1cm x 1,3cm x 1,1 cm ( istmo : 1,1 cm x 0,1 cm gostaria de saber o que esta se passando . já maquei retorno ao medico .

  13. Gostaria muito de esclarecer uma grande duvida,tenho dificuldade de dormir,de engolir,queda de cabelo,irritação pode ser tireoide?Fiz exame de sangue e não deu por favor me ajude o que posso fazer não aguento mais!

  14. Boa tarde!
    Eu tenho tiroidite há já alguns anos e estou a ser acompanhada e medicada. Gostaria de saber se poderei realizar tratamentos de lipocavitação e se não quais poderão ser os perigos (uma vez que já realizei um)
    Muito obrigada!

  15. ola! tenho dois problemas na tireóide, dois nódulos ao lado direito e um ao lado esquerdo.Acdredito que vou ter que passar por cirurgia para remoção.Gostaria de saber quais os riscos pré e pós operatórios???Estou com muito medo da cirurgia mas preciso fazer o quanto antes pois os sintomas aumento a cada dia!
    obrigada!!!

  16. Tenho Tiroide e as vezes sinTo que alguem esta me sufocando, esse problema da depressão? tenho remedeiras mal estar, calor, frio, as mãos soam com um desespero

  17. tenho as vezes me sino sufocada como se alguem esivesse me sufocando e´normal ter depreção/

  18. oi td bem? eu tenho tiroide e fumo mt, mt msm. o cigarro! q mal ele pode causar a minha tiroide??

  19. Boa tarde!
    Eu tenho tiroidite há já alguns anos e estou a ser acompanhada e medicada. Gostaria de saber se poderei realizar tratamentos de lipocavitação e se não quais poderão ser os perigos (uma vez que já realizei um)

    Muito obrigada!

  20. eu tenho tireoide o volume do meu ñ e normal no diagnotico deu tireoide hipotriofia corre algum risco se fizer sirurgia? sera que doi a cirurgia

  21. eu tenho oq q eu fassso estou com medo tenho 12 anos e tenho problema me ajundem meu orcut é nat_berti@hotmail.com

Deixe o Seu Comentário no Fórum

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *