10 Benefícios do Vinho Tinto Para a Saúde - Fotos Antes e Depois
Fotos Antes e Depois

10 Benefícios do Vinho Tinto Para a Saúde

Relaxar com um copo de vinho depois de um longo dia é uma das melhores maneiras de aliviar o estresse.

Além disso, se beber vinho tinto regularmente e com moderação, estará no caminho certo, em direção a uma vida saudável.

O vinho tinto é feito por esmagamento e fermentação de uvas inteiras, de cor escura. O teor de álcool geralmente varia de 12 a 15 por cento, dependendo da sua variedade.

O vinho tinto tem uma boa quantidade de antioxidantes poderosos, incluindo o resveratrol e as proantocianidinas.

Acredita-se que esses antioxidantes encontrados no vinho tinto sejam responsáveis por beneficiar a saúde de inúmeras maneiras.

Estudos demonstraram que uma ingestão moderada de vinho tinto pode realmente manter o médico distante.

O consumo moderado de vinho, conforme definido pela Associação Americana do Coração, é de um copo de vinho para mulheres e, um ou dois para homens, por dia.

10 Benefícios Do Vinho Tinto Para A Saúde

Aqui estão os 10 principais benefícios do vinho tinto para a saúde e beleza

Melhora os níveis de colesterol e protege o seu coração

Um copo de vinho tinto diariamente pode melhorar, de maneira significante, os seus níveis de lipoproteínas de alta densidade (HDL ou “bom” colesterol), bem como reduzir os seus níveis de lipoproteínas de baixa densidade (LDL ou colesterol “mau”).

Isto se dá, principalmente, devido à presença dos antioxidantes resveratrol e as catequinas do vinho tinto que ajudam a proteger as paredes arteriais.

Um estudo publicado em 1999 no Journal of the American College of Nutrition informa que o vinho tinto inibe a oxidação mediada por células das lipoproteínas o que ajuda a manter os níveis de colesterol bom.

O estudo também informa que o vinho branco não é tão eficaz quanto o vinho tinto e que, apesar disso, o efeito do vinho tinto não é devido ao seu teor de etanol.

Num estudo realizado em 2003, cientistas da Universidade da Califórnia, Davis (UC Davis) identificaram um grupo de químicos, chamados de saponinas, presentes no vinho tinto, responsáveis por conseguir baixar o colesterol.

O vinho tinto é uma boa fonte nutricional de saponinas. De facto, 1 copo de vinho tinto contém quase a metade da quantidade diária de saponinas que o corpo necessita.

Além disso, os polifenóis do vinho tinto podem ajudar a manter os seus vasos sanguíneos flexíveis e reduzir o risco de coagulação indesejada.

Isso reduz o risco de doenças cardiovasculares e mantém o seu coração saudável.

Ademais, o vinho tinto aumenta o nível de ácidos gordos ómega 3 do corpo, que também são conhecidos por ter efeitos protetores no coração e na circulação sanguínea.

De acordo com um estudo publicado em 2010 no Journal of Cardiovascular Disease Research (Jornal de Investigações sobre Doenças Cardiovasculares), o consumo moderado de vinho tinto pode ajudar a reduzir os fatores de risco cardiovascular.

Reduz a hipertensão arterial

Beber vinho tinto com moderação também pode ajudar a baixar a hipertensão arterial. O rico conteúdo antioxidante do vinho tinto é bom para reduzir o stresse oxidativo vascular que contribui para a hipertensão arterial.

Além disso, aumenta os níveis plasmáticos de óxido nítrico que relaxa as paredes dos vasos sanguíneos e melhora o fluxo sanguíneo.

Um estudo de 2012 publicado na revista médica Circulation Research descobriu que o vinho tinto não alcoólico diminui a pressão arterial sistólica e diastólica e aumenta o óxido nítrico plasmático.

Isso poderia ser útil para a prevenção da hipertensão de baixa a moderada.

Para aproveitar os benefícios do vinho tinto na diminuição da pressão sanguínea, certifique-se de beber vinho tinto sem álcool.

Reduz o risco de câncer

Os antioxidantes têm habilidades para combater o cancro e o vinho tinto contém poderosos antioxidantes.

A ingestão moderada de vinho tinto pode diminuir o crescimento das células cancerosas. É particularmente eficaz para o câncer de mama, cólon e próstata.

O composto resveratrol presente no vinho tinto também inibe a ação-chave da proteína de alimentação do câncer.

Uma análise publicada em 2012 na revista Nutrients resume os principais efeitos protetores sobre o sistema cardiovascular e o cancro, decorrentes de ingestão moderada de vinho e cerveja, devido principalmente aos seus componentes comuns, álcool e polifenóis.

Um estudo de 2014 publicado em Anticancer Agents in Medicinal Chemistry informa que o vinho tinto tem fortes atividades antitumorais através da inibição da proliferação de células tumorais, induzindo a apoptose celular, promovendo a diferenciação de células tumorais, prevenindo a invasão e metástase de tumores e, ainda, moderando o sistema imune do hospedeiro para matar as células tumorais.

Um estudo publicado em 2015 na Advances in Experimental Medicine and Biology sugere que o resveratrol se liga diretamente ao ADN e ao ARN, ativa as enzimas antioxidantes, evita a inflamação e estimula as cinases de controlo do dano do ADN que afetam a integridade genómica, mais especificamente nas células malignas.

Controla o açúcar no sangue

O composto natural do vinho tinto resveratrol também é benéfico para as pessoas com diabetes. Ele também pode ajudar a regular os níveis de açúcar no sangue por estimular a secreção de insulina.

Auxilia na ativação de uma proteína que ajuda a regular a sensibilidade à glicose e à insulina.

Um estudo de 2005 publicado no jornal Metabolism informa que o consumo de vinho tinto durante duas semanas pode atenuar a resistência à insulina em pacientes diabéticos Tipo 2, sem afetar a reatividade vascular e a produção de óxido nítrico.

Um estudo de 2006 publicado na revista Diabetes Medicine descobriu que o consumo moderado de vinho tinto está relacionado a um risco reduzido de desenvolver diabetes tipo 2 em mulheres.

No entanto, uma alta ingestão diária de álcool, mesmo que seja de 1 a 3 dias por semana, pode aumentar o risco de diabetes em homens.

Outro estudo de 2013 publicado em Clinical Nutrition analisou os efeitos dos polifenóis do vinho tinto e do álcool sobre o metabolismo da glicose e o perfil lipídico, e encontrou um efeito benéfico na fração não alcoólica do vinho tinto (principalmente os polifenóis) na resistência à insulina, conferindo ao vinho tinto maiores efeitos protetores sobre as doenças cardiovasculares do que outras bebidas alcoólicas.

Inibe a ação das bactérias orais

O vinho tinto pode ajudar a prevenir as bactérias orais Streptococcus mutans de aderirem-se aos dentes e à saliva.

Esta família de bactérias está associada a cárie dentária, bem como, a dor de garganta.

Num estudo de 2014 publicado no Journal of Agricultural and Food, descobriu-se que o vinho tinto teve efeitos antimicrobianos sobre as bactérias orais, especialmente contra as cepas F. nucleatum e S. oralis.

Essas propriedades antimicrobianas no vinho tinto podem ser atribuídas ao seu teor de polifenóis e potentes propriedades antioxidantes.

Beber, até mesmo, uma pequena quantidade de vinho tinto pode ajudar a inibir o crescimento de bactérias orais.

Reduz os efeitos insalubres dos alimentos ricos em gordura

O malondialdeído, um subproduto natural da digestão da gordura, é conhecido por aumentar o risco de doenças cardíacas e outras patologias crónicas.

Isso significa que comer alimentos ricos em gordura pode elevar o risco de obesidade, diabetes, doenças cardíacas e muito mais.

Entretanto, consumir alimentos ricos em gordura em conjunto com um copo de vinho tinto, pode diminuir os efeitos.

Um estudo de 2008 publicado no jornal FASEB Journal informa que os componentes químicos do vinho tinto, especialmente os polifenóis, podem reduzir os riscos associados a alimentos ricos em gordura.

Contudo, para que isso ocorra, é necessário beber vinho tinto simultaneamente com os alimentos ricos em gordura.

Elimina o risco de demência

Beber entre um e três copos de vinho por dia pode reduzir o risco de demência e Alzheimer.

O composto resveratrol no vinho tinto parece restaurar a integridade da barreira hematoencefálica, mantendo as moléculas imunes nocivas fora do cérebro. Em vez disso, melhora o funcionamento do cérebro.

Um estudo de 2002 publicado em The Lancet sugere que o consumo leve ou moderado de álcool está associado a um risco reduzido de demência em pessoas com 55 anos ou mais.

O efeito parece ser inalterado pela fonte de álcool.

Um estudo publicado em 2004 na Biological Research, descobriu que o consumo leve a moderado (1 a 3 doses por dia) foi significativamente associado a um menor risco de qualquer demência, incluindo a demência vascular.

Nenhuma evidência de que a relação entre álcool e demência variou por tipo de bebida alcoólica foi encontrada.

Um estudo de 2011 publicado em Neuropsychiatric Disease and Treatment também informa que o consumo geral, de leve a moderado, não parece prejudicar a cognição em indivíduos mais jovens e, na verdade, parece reduzir o risco de demência e a redução cognitiva em indivíduos mais velhos.

Combate a Depressão

A ingestão moderada de vinho tinto pode ajudar a reduzir o risco de depressão e até mesmo combatê-la.

Um estudo publicado em 2013 na BMC Medicine descobriu que homens e mulheres que bebiam entre dois a sete copos de vinho a cada semana eram menos predispostos a serem diagnosticados com depressão em comparação com aqueles que se abstiveram ao consumo.

No entanto, a mesma pesquisa também sugere que, inversamente, exceder o limite aumenta o risco de desenvolver depressão.

Além disso, o vinho tinto é rico em melatonina, um composto que induz o sono e, o sono adequado reduz o risco de depressão.

Melhora a saúde da pele

O consumo moderado de vinho tinto ajuda a envelhecer melhor. Os seus antioxidantes são realmente bons para a pele e ajudam a prevenir o envelhecimento prematuro do tecido.

Os flavonoides, o resveratrol e os taninos são antioxidantes responsáveis pelo combate ao envelhecimento da pele, pela restauração do colagénio e fibras elásticas.

Isso pode evitar a flacidez e reduzir as linhas finas e as rugas.

Além disso, os polifenóis do vinho tinto ajudam a transformar uma aparência cansada e dar um bom brilho à sua pele. E, ainda, rejuvenesce a pele e protege-a dos raios ultravioleta (UV) nocivos do sol.

Devido às propriedades antimicrobianas do composto resveratrol no vinho tinto, também pode ajudar a prevenir e tratar espinhas e acne na pele.

• Tudo o que precisa fazer é pulverizar o vinho tinto no rosto e massagear suavemente por 5 minutos. Deixe-o agir por 10 minutos e depois enxague com água fria. Faça isso diariamente antes de dormir.

• Também pode usá-lo numa mistura esfoliante semanal. Misture um pouco de vinho tinto com 2 colheres de chá de aveia e massageie sobre a pele para remover as células mortas. Faça isso uma vez por semana.

Remove Pesticidas das Frutas e Legumes

A exposição aos pesticidas de frutas e vegetais está ligada ao cancro de cérebro, mama, rim, pulmão, ovário, pancreático, próstata e estômago.

Também é um fator nos problemas dermatológicos, neurológicos, reprodutivos e genotóxicos.

O vinho tinto pode minimizar os pesticidas nos seus produtos. Os ácidos presentes no vinho tinto servem como um excelente limpador.

Além disso, tem propriedades antimicrobianas que funcionam como um desinfetante de uso geral.

1. Pulverize um pouco de vinho tinto nas frutas e vegetais.
2. Deixe-o assentar por 10 minutos.
3. Enxague o produto com água corrente e secá-lo.

Avisos

Benefícios Do Vinho Tinto Para A Saúde E Beleza

Em busca dos benefícios, muitos começaram a consumir um pouco de vinho tinto. Contudo, antes de pegar o seu copo de vinho, tenha em mente a palavra “moderação”.

Uma quantidade moderada de vinho tinto tem muitos benefícios para a saúde, mas ingerir muito álcool pode causar efeitos devastadores para a saúde.

A ingestão excessiva de álcool pode levar ao alcoolismo, cirrose do fígado, obesidade e aumento do risco de morte prematura.

É aconselhável não exceder a quantidade de uma dose por dia para as mulheres e, de 1 a 2 doses para os homens.
No entanto, beber vinho tinto não é recomendado para pessoas que tomam aspirina e outros medicamentos.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10204829/
https://www.sciencedaily.com/releases/
http://circres.ahajournals.org/content/111/8/1065.long
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22852062
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24851878
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25427916
http://www.metabolismjournal.com/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16759314
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22999066
https://www.sciencedaily.com/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11830193
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15455646
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21857787
https://bmcmedicine.biomedcentral.com/
http://pubs.acs.org/doi/abs/10.1021/jf501768p

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *



Seguir fotosantesedepois.com

Siga-nos na rede social Facebook e receba dicas sobre os temas de saúde mais atuais.

Facebook Fotos Antes e Depois
Receber Dicas de Saúde?

Se está interessado/a em receber no seu Email, dicas de saúde, remédios caseiros..., subscreva a nossa newsletter.

Contacte-nos

© 2018 Fotos Antes e Depois | Politica de Privacidade