A OCASIÃO CERTA PARA ENGRAVIDAR - Fotos Antes e Depois
Fotos Antes e Depois

A OCASIÃO CERTA PARA ENGRAVIDAR

Atualizado em 13 Janeiro, 2018

A OCASIÃO CERTA PARA ENGRAVIDAR

SE ESTÃO À ESPERA de que a vossa vida esteja totalmente resolvida antes de terem um bebé, o melhor é desistirem por completo desde já e, em vez disso, arranjarem um hobby. É raro um casal sentir que chegou o momento ideal para ter um bebé, mas agora que os homens e as mulheres têm controlo sobre a sua fertilidade,há muito tempo para pensar em todas as opções.

TOMAR A DECISÃO
Para muitas pessoas, o dinheiro e as acomodações poderão ser os assuntos mais prementes quando têm que decidir se querem ou não ter filhos. Outras pessoas poderão tomar em consideração a sua liberdade pessoal e como um filho pode fectá-la. Na sociedade actual, onde cada vez mais mulheres encontram satisfação
na evolução das suas carreiras profissionais, tomar a decisão de parar de trabalhar e ter um filho pode ser extraordinariamente difícil. Apesar de muitas empresas – e países – fornecerem uma licença e benefícios de maternidade cada vez maiores, isso poderá não compensar o facto de que ter um bebé pode adiar as perspectivas de carreira, especialmente se a mulher quiser passar mais do que apenas alguns meses em casa com o seu bebé. Esta é uma das razões por que as mulheres, particularmente as que têm empregos satisfatórios ou de grande responsabilidade, estão à espera de iniciar uma família, pelo menos até depois dos trinta anos, quando acham que já atingiram um nível de realização profissional que lhes permite afastarem-se um pouco das suas carreiras com confiança.

DAR ESPAÇO AOS PAIS
Os homens também precisam de pensar sobre como os seus compromissos profissionais podem causar impacto no relacionamento com os filhos. Muitos homens mais velhos que se tornam pais pela Segunda vez num outro relacionamento reconhecem que se arrependem por não terem estado mais presentes na infância dos filhos do seu primeiro casamento, porque as pressões do trabalho realmente os afastaram dos filhos. A infância passa rapidamente e só terão uma oportunidade com cada filho, por isso pensem sobre quanto tempo estão dispostos a conceder-lhe.

CONSIDERAÇÕES PRATICAS
É perfeitamente possível educar uma criança num apartamento que tenha mais de duas divisões – se houver um espaço separado para o bebé, isso é o ideal. Se está a pensar em mudar-se para uma casa maior para acomodar futuros filhos, tente mudar-se antes de engravidar; caso contrário é melhor esperar até que nasça o bebé. Não vai certamente querer juntar a pressão da chegada de um novo bebé com a da mudança
de caba. Ninguém ignora que existe uma implicação financeira quando se tem filhos, mas as despesas com os bebés dependem grandemente do que o casal acha essencial. Certifiquem-se de que nenhum bebé num porta-bebés, que tenha um ou os dois pais carinhosos, fique alguma vez acordado a pensar porque não tem um bonito berço com uma caixinha de música pendurada tocando a canção de embalar de Brahms. Em
todo o caso, é lógico que se tire o maior proveito do que há para oferecer. Examinem o seu provável orçamento e despesas gerais depois de o bebé nascer, levando em conta os benefícios disponíveis, e façam um plano em conformidade. Sempre que a vossa bolsa vos permita ir às compras, invistam num mínimo básico

A SUA ATITUDE PERANTE OS FILHOS
Por muito correcta que possa parecer-vos na altura, a decisão de ter um filho precisa da mesma avaliação
racional e perspicaz que utilizaria na compra de uma casa ou de um carro novo. Façam a vós mesmos as seguintes perguntas, mesmo que a gravidez não tenha sido planeada. Se a resposta a mais de cinco perguntas for “sim”, poderá ter que repensar toda a sua atitude em relação aos filhos:

Já têm ambições relacionadas com o futuro dos vossos filhos?

Não têm a certeza sobre como as atitudes dos pais vão afectar os filhos?

Ainda têm que definir alguns pontos de vista relativos ao vosso conceito de ter filhos?

Acham que depois do nascimento o instinto vai predominar e vão saber exactamente como comportar-se com o vosso filho?

Está preocupado(a) por achar que a sua companheira(o) vê os vossos papéis de forma diferente da sua?

Acreditam numa rotina rígida para os bebés recém-nascidos?

Acreditam que um bebé pode beneficiar de uma tal rotina?

Serão capazes de mimar um bebé?

Acreditam que os bebés choram por nenhuma razão aparente?

Se tencionam trabalhar depois do nascimento do bebé, vão estudar os cuidados a ter com ele nessa altura?

Os seus pontos de vista relativos aos cuidados com o bebé são semelhantes aos do seu companheiro(a)?

Acharão difícil tolerar o grau de perturbação que um novo bebé pode trazez para a vossa casa?

Prevêem algum conflito com os avós ou outros familiares sobre a forma como tencionâm tratar do vosso bebé?

Todos estes tópicos são discutidos ao longo do artigo. A tarefa dos pais não é uma ciência exacta, mas os
conselhos que aqui se dão deverão ajudar-vos a clarificar a vossa maneira de pensar.

RELACIONAMENTO OU CASAMENTO

Se tiverem um relacionamento estável e duradouro, mas não são casados, provavelmente têm boas razões para escolherem este tipo de vida familiar. Agora que estão a pensar em ter filhos, será que é o caso de
reconsiderarem a vossa posição?
Algum de vós, ou ambos, tem alguma coisa a ganhar se casarem e, mais importante do que isso, o vosso futuro filho beneficiará disso?
Uma das razões mais vulgarmente atribuídas pelos futuros pais em relação ao casamento antes de o bebé nascer é dizerem que isso garante ao pai ter um estatuto legal de paternidade sobre o filho. A situação legal pode variar de país para país, por isso o casamento formal pode não ser necessariamente a única opção
para vós, mas evidentemente que nenhum de vós quer deparar-se com problemas relativos à custódia dos filhos, no caso de uma eventual separação do casal. por muito pouco provável que isso possa parecer agora, ninguém pode prever o futuro e a maioria dos casais quererá assegurar-se de que o seu bebé vai ter benefícios iguais de ambos os pais, mesmo que a dada altura eles possam já não viver juntos.

MUDANÇA DE RELACIONAMENTOS
Por vezes os novos pais ainda não se aperceberam do facto de que o seu relacionamento com a família e com os amigos vai mudar. Talvez o que seja ainda mais importante é saber que a dinâmica do seu próprio relacionamento também vai mudar. Antes mesmo de começarem a tentar ter um filho, nenhum tempo será mais bem gasto do que se o passarem juntos a explorar quais poderão ser as diferenças. As normas estabelecidas com antecedência não têm necessariamente que ser escritas a ferro e fogo, mas não possuir normas nenhumas significa que nem sequer têm um ponto de partida para tentar resolver os problemas.
Avós Ambos conhecem as personalidades dos futuros avós e poderão ver já as dificuldades que se avizinhâm, porque os pontos de vista e as atitudes podem não ser idênticos aos vossos. Mais tarde descobrirão que vai ser inestimável um acordo com os avós sobre como estabelecer limites para o vosso filho. Também é uma boa ideia concordar que ambos resistirão delicada mas firmemente a qualquer tentativa de vos ditar métodos de educação. No entanto, podem pedir-lhes que vos ajudem a estabelecer os vossos. Contudo, também é prudente ouvir os seus pontos de vista, pois poderão estar a descurar bons conselhos baseados numa experiência real. Também é verdade que muitos avós acham mais fácil ter um relacionamento descontraído e mais livre com os netos do que tiveram com os seus próprios filhos, para benefício de todas as pârtes envolvidas.
Os vossos amigos se quiserem manter a amízade dos amigos que não têm filhos, ou dos que já têm filhos maiores, observem o relacionamento deles com outros que se tornaram recentemente pais pela primeira vez. observem com atenção qualquer mudança, para verem se acham que eles não se dão muito bem com a situação.

Depois de terem filhos, poderão não ter tanro tempo disponível para os vossos amigos como antes, por isso eles vão gostar que mantenham a vossa identidade como amigos, ao invés de pais, quando estiverem com eles. Tenham também em atenção que vão conhecer outras pessoas que têm bebés, com quem estabelecerão novas amizades, baseadas na experiência partilhada dessa nova situação de ter filhos.
o impacto no trabalho Tentem também prever com antecedência qual a diferença que o nascimento do bebé pode causar nos vossos empregos. Até agora, podem não ter tido horas ôertas na vossa vida, mas agora é difícil não sentirem saudades do vosso filho e quererem voltar pâra junto dele – e isto vale tanto para os pais como para as mães. No entanto, os vossos colegas, por muito simpáticos e compreensivos que possam ser, têm o direito de partir do princípio de que vocês têm que cumprir as vossas tarefas com o mesmo rigor de antes. Se detectarem possíveis conflitos, estejam sempre prontos para negociar; não vão ser jovens pais para sempre e a perda de confiança é difícil de restabelecer.

QUESTIONAR AS VOSSAS RAZÕES
Quando tomarem uma decisão, pode ser útil pôr por palavras alguns dos pensamenros e perguntas semiformulados que existem nos recônditos do pensamento. Mesmo que achem que ambos querem um bebé, porque se amam e isso é o mais natural a fazer, ainda assim é aconselhável pensar em todos os assuntos envolvidos. As seguintes perguntas não têm respostas certas ou erradas, mas fornecem o que julgo ser um ponto de partida útil para vós:

Serâ que a ideia de ter um bebé parece ser o próximo passo instintivo que têm que dar, resultado do compromisso positivo que ambos têm como casal?

Sempre tomaram como certâ â hipótese de que um dia teriam filhos?

Querem âpenas um filho, ou querem um filho especificamente do vosso companheiro(a)?

Algum dos dois deseja mais este bebé do que o outro? Se assim for, qual o efeito que isso provoca no vosso relacionamento?

Querem ter um bebé, porque acham que isso vai ajudar a consolidar o vosso relacionamento?

Que imagens vos ocorrem quando pensam na vossa vida com o bebé?
Elas incluem noites sem dormir e fraldas sujas?

De que vão sentir mais saudades como casal, quando passarem a ser três?

Têm algumas ambições pessoais sólidas que possam ser postas em câusa com a chegada de um bebé?

Querem um bebé para preencher partes da vossa vida que não achem satisfatórias?

Alguma parte da vossa motivação é para agradar aos membros da família, como por exemplo aos avós?

Estão perfeitamente cientes do compromisso que cada um tem que assumir para com o bebé?

Atualizado em 13 Janeiro 2018

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *