Abscesso Hepático Amebiano - Tratamento, Sintomas, Causas e Diagnostico
Fotos Antes e Depois

Abscesso Hepático Amebiano

Atualizado em 13 Janeiro, 2018

Um abscesso hepático amebiano é uma acumulação de pus no fígado em resposta a um parasita intestinal.

Causas do abscesso hepático amebiano

Um abscesso hepático amebiano é causado pelo Entamoeba histolytica, o mesmo parasita que causa a amebíase, uma infecção intestinal que também é chamada de disenteria amebiana. Depois de ocorrer uma infecção, o parasita pode ser transportado pelo sangue a partir dos intestinos para o fígado.

imagem de um Abscesso Hepático Amebiano

A doença espalha-se devido ao consumo de alimentos ou água que foi contaminada com fezes (por vezes devido ao uso dedejectos humano como adubo) ou através de contacto com outras pessoas infectadas.

Esta infecção ocorre em todo o mundo, mas é mais comum em áreas tropicais onde se verificam casos de sobrepopulação e saneamento deficiente. África, América Latina, Sudeste Asiático e Índia têm problemas de saúde significativos devido a esta doença.

Factores de risco para abscesso hepático amebiano incluem:

• alcoolismo
• cancro
• imunossupressão
• malnutrição
• velhice
• gravidez
• Uma viagem recente a uma região tropical
• uso de esteróides

Sintomas de abscesso hepático amebiano

Geralmente não existem sintomas de infecção intestinal. Se ocorrerem sintomas, eles podem incluir:

• dor abdominal
– Particularmente na parte superior direita do abdómen
– Dor intensa, contínua ou aguda

• calafrios
• diarreia (ocorre em cerca de um terço dos pacientes)
• febre
• desconforto geral, inquietação ou mal-estar
icterícia
• dor nas articulações
• perda de apetite
• transpiração
• perda de peso

Exames e Testes de diagnóstico

Os testes que podem ser feitos incluem:

• ultra-sonografia abdominal
• tomografia computadorizada abdominal ou Ressonância magnética
• hemograma completa
• aspiração de abscessos no fígado – para verificar se existe uma infecção bacteriana nos abscessos hepáticos
• tomografia hepática
• testes de função hepática
• sorologia para procurar amebíase
• teste de fezes para procurar amebíase

Tratamento da abscesso hepático amebiano

Antibióticos como o metronidazol (Flagyl) ou o tinidazol (Tindamax) são o tratamento habitual para abscessos hepáticos. Medicamentos como paromomicina ou diloxanida também devem ser tomados para eliminar todas as amebas no intestino o que impede que a doença volte.

Este tratamento pode geralmente ser adiado até que o abscesso tem sido tratado. Em casos raros, o abscesso pode precisar de ser drenado para aliviar parte da dor abdominal.

Expectativas (prognóstico)

Sem tratamento, o abscesso pode abrir (ruptura) e espalhar-se para outros órgãos, levando à morte. As pessoas que são tratados têm uma probabilidade muito alta de conseguir uma cura completa ou sofrer apenas de pequenas complicações.

Possíveis complicações

O abcesso pode romper-se para dentro da cavidade abdominal, do revestimento dos pulmões, dos pulmões ou do saco em torno do coração. A infecção também se pode espalhar para o cérebro.

Quando entrar em contacto com um profissional médico
Contacte o seu médico se desenvolver sintomas da doença, especialmente se tiver viajado recentemente para uma área onde a doença costuma ocorrer.

Prevenção

Quando viajar para países tropicais com saneamento precário, beba água purificada e não coma legumes crus ou frutas com casca.

Nomes alternativos
amebíase hepática; amebíase extra-intestinal; abscesso – hepático amebiano.

Links Úteis:

Informação para profissionais de saúde e estudantes de medicina

SINTOMAS, CAUSAS E CARACTERISTICAS DO DIAGNOSTICO

Os principais sintomas do Abscesso Hepático Amebiano são Febre, dor abdominal à direita, dor torácica pleurítica direita; doença diarréica precedente ou atual em minoria de casos

. História de viagem ou imigração recente de região endêmica
. Fígado palpável e doloroso (dor à punhopercussão), hipersensibilidade intercostal localizada
. Anemia, leucocitose com desvio para a esquerda, anormalidades inespecíficas das provas de função hepática
. Testes sorológicos positivos para entamoeba histolytica em mais de 95% dos pacientes, embora possam ser negativos no início da infecção
. Elevação do hemidiafragma direito em radiografias; a ultra-sonografia, a TC ou a cintigrafla hepáticas mostram a localização e o número de lesões.

Diagnóstico diferencial

. abscesso piogênico
. hepatite aguda
. pneumonia do lobo inferior direito
. colelitiase, colecistite
. apendicite

Tratamento

. O metronidazol é o fármaco de escolha; ciclos repetidos às vezes são necessários
. Aspiração com agulha percutânea para pacientes toxêmicos
. Tratamento oral com amebicidas luminais (iodoquinol, sulfato de paromomicina) após terapia aguda para erradir fase cística intestinal.

Dica
Este é mais um cisto do que um abscesso; desta forma as cintigrafias com radionuclídios para leucócitos frequentemente não o detectam.

Referências
Wells CD, Arguedas M

http://www.sciencedirect.com/
http://repositorio.chlc.min-saude.pt/handle/10400.17/1469
http://repositorio.chporto.pt/pdf

Atualizado em 13 Janeiro 2018

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *