Alcochete

É na margem Sul do Tejo, próximo da Reserva Natural do Estuário do Tejo, que vamos encontrar a castiça vila de Alcochete. As condições proporcionadas pelas margens do rio explicam a existência dos salineiros e a acentuada proximidade do Ribatejo, justifica a presença dos campinos e dos forcados. Ligada à criação de gado bravo estão as tradicionais touradas.

Boa parte do concelho de Alcochete é abrangid0 pela Reserva Natural do Estuário do Tejo. No edifício da Misericórdia, local onde existia o palácio de D. Brites e onde, em 1469, nasceu D. Manuel I, encontra-se agora o Museu de Arte Sacra. A Igreja Matriz, construída sobre os alicerces de uma mesquita, conserva azulejos policromos e uma rosácea gótica. Algumas construções conservam, do tempo da ocupação árabe, as portas de adufas.

Dos numerosos restaurantes e esplanadas – agora mais acessíveis graças à Ponte Vasco da Gama – aprecia-se a vista para o Mar da Palha.

Ainda que a extracção do sal esteja em decadência, aqui se situam as mais extensas marinhas da região. A cerca de três quilómetros da sede do concelho situa-se a pequena ermida de Nossa Senhora da Conceição das Matas. Perto, as ruínas do Convento de São Francisco fundado cerca de 1475, do qual resta a fachada com três arcos revestidos de azulejos.

Info

Com uma superfície de 94 Km2 e uma população de 10100 habitantes, Alcochete está situada na margem esquerda do rio Tejo a cerca de 15 Km de Lisboa por via fluvial.

História

As origens de Alcochete são longínquas. Admite-se que tenha sido fundada logo após a conquista de Lisboa pelos Árabes cerca do ano 700. Alcochete foi zona escolhida ao longo dos séculos como sítio ideal para passar o Verão.

A protecção que a vila recebeu sempre da família real, levou muitos nobres a instalarem-se aqui. E mesmo estrangeiros, como foi o caso do industrial francês Jácome Ratton, que escolheu um local perto da vila para se estabelecer e viver.

Ao longo dos tempos Alcochete mareou a sua importância na exploração do sal, que era exportado para muitos países estrangeiros. Foram também importantes algumas artes e ofícios como o fabrico de arcas e tonéis e muito da lenha era transportada para Lisboa para alimentar os fomos das fábricas e para consumo das casas particulares.

Monumentos

Igreja Matriz de Alcochete
Construída sobre os alicerces de uma primitiva mesquita, sofreu várias alterações, das quais a mais importante no séc. XVI. Na fachada flanqueada por uma torre sineira manuelina, no corpo do Templo, destaca-se uma pia de água benta, e duas pinturas do séc. XVI, que estão na Sacristia, atribuídas ao Mestre da Lourinhã.

Igreja da Misericórdia (séc. XVI)
Igreja de São Brás (séc. XVII)

Museus

Museu Municipal de Alcochete, museu de Arte Sacra, museu Taurino e museu do Sal.

Gastronomia

Caldeirada à Fragateiro, Ensopado de Enguias, Massa de Choco, Sopa de Peixe, Ameijoas Alcochetanas. Doçaria: Fogaças, Arroz Doce Branco de Alcochete, Bolinhos de Mel, Palitos Maria da Paz e Queques de Cenoura.

Artesanato

Fabrico de guitarras, violas e cavaquinhos, no Samouco. Escultura em conchas de ostras, miniaturas de barcos, etc.

Feiras, festas e romarias

Festas do Barrete Verde e das Salinas, na 2ª semana de Agosto, na vila, com largada de touros em plena povoação.
Festas da Confraternização Camponesa, em S. Francisco, segunda semana de Julho.
Festas Populares de Nossa Senhora do Carmo, terceira semana de Julho, no Samouco.
Feriado Municipal, 24 de Junho, em honra de São João Baptista, Padroeiro do vila de Alcochete.

Praias

Praia fluvial dos Moinhos, rica em iodo e onde se praticam desportos náuticos e praia fluvial das Hortas, antiga comunidade de pescadores.

Lazer

Desportos Náuticos, Pesca, Caça e Corrida de Touros. Centro Hípico – Picadeiro da Quinta da Horta.

Locais a visitar em Alcochete

Centro histórico da vila. Reserva natural do Estuário do Tejo (os sapais constituem uma das dez maiores reservas naturais de aves naturais da Europa). Refira-se que de Setembro a Novembro se podem admirar aqui centenas de flamingos rosados. A cerca de 6 km fica o Samouco, povoação muito curiosa com as suas casas e ruas que ainda conservam as características primitivas.

O que Procura?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *