Alergia a Cachorro

Quando se fala em alergia dos animais, logo se associa a causa como sendo o pelo ou as penas. Contudo, isto não e totalmente verdade.

alergia a cachorro

Atualmente sabe-se que a origem do problema é a presença bastante significativa de ácaros devido à presença de animais de estimação nos lares e nas casas das pessoas.

Os animais soltam uma grande quantidade de pele e pelo, levando os ácaros a alimentarem-se deles e a procriarem e produzirem-se em enormes quantidades (por vezes quantidades exageradas).

Os especialistas dizem que 95% das causas da alergia devem-se a ácaros e apenas 5% devem-se aos pelos. Surpreso?

Raças de cachorros que não têm predisposição para causarem alergia

Bedlington terrier/  Bichon Frisé/  Cão d’água português/  Cristado chinêsKerry blue terrier/  Maltês/ Schnauze,/  Soft Coated wheaten terrier/  Spaniel d’água irlandês /  Pelado mexicano.

Estas raças são as mais indicadas para as pessoas que são alérgicas, pois está cientificamente provado e comprovado que a descamação da pele e pelos destes animais, não são suficientes, nem conseguem provocar, por si só, uma reação alérgica.

Os animais domésticos como os cachorros e gatos, têm descamação de pele e pelos, que não são suficientemente visíveis a olho nu. Estas células descamadas são inaladas e absorvidas pelo nosso organismo e corpo humano, provocando uma reação alérgica. Esta reação alérgica a cachorros pode ser leve, grave ou muito grave.

A saliva dos cachorros também pode ser causadora da alergia e desencadear processos de reação alérgica. Quando eles se lambem, passam certas partículas e substancias para a sua pele e para a pele dos humanos.

Não é preciso ter contato direto com os cachorros para apanharmos uma alergia, basta uma simples presença na zona ou de pessoas infetadas. Se houver alguém no agregado com predisposição genética para a doença, há 50% de hipóteses de os seus descendentes também a terem. Pode-se dizer com toda a certeza, que esta é uma doença genética.

Sintomas

– Coceira

– Congestão e condicionamento nasal

– Alergia na pele

– Asma

– Rinite

– Espirros

– Coriza

– Conjuntivite

– Problemas digestivos, circulatórios e cutâneos

– Choque anafilático

– Taquicardia

– Pressão arterial baixa

– Dificuldades respiratórias e fechamentos e obstrução das vias respiratórias

– Anafilaxia mais ou menos grave

– Distúrbios vários

Para aqueles que têm esta doença cronica devem seguir as regras indicadas pelos médicos e especialistas. Devem ter certas atitudes, cuidados e controle rápido da doença. Devem saber fazer o chamado “pronto-socorro “rápido e eficaz e sem alarmismos.

Aconselha-se uma boa e sã convivência entre pessoas e cachorros. Saber e conhecer a situação e a sua gravidade é o que se recomenda. Os animais ocupam um espaço importante na vida das pessoas (principalmente das crianças),por isso, conseguir uma boa convivência dentro destes problemas é benéfico.

Aconselha-se

– Dar banho regularmente ao animal

– Cortar e aparar regularmente o pelo

– Evitar deixar os animais muito tempo dentro de casa

– Deve-se deixar o animal a dormir no quintal

– Aspirar e varrer regularmente a casa

– Eliminar todas as fontes de ácaros possíveis

– Conhecer o historial clinico das pessoas e dos animais

– Fazer exames físicos e médicos aos animais e pessoas

Tratamentos

Métodos tradicionais

– Corticoides

– Descongestionantes

– Antialérgicos

– Vacinas

– Imunoterapia

– Remédios caseiros

– Cremes, pomadas e hidratantes

É importante descobrir e isolar o agente causador da reação alérgica para que se possa tratar. A alergia a cachorros é comum a muita gente. Os sintomas são conhecidos, embora variem de pessoa para pessoa. Cada caso é um caso. Ter animais é saudável e gratificante. Só tem de aprender a viver e a conviver com isso…

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 01/10/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 1/10/2018 às 12:24 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)