Alicante

Devido à sua localização entre a montanha e o mar, Alicante possui uma especial beleza. A cidade, toda ela, virada para o mar, sempre esteve ligada a actividades marítimas. Como disse Gabriel Miró, “a minha cidade está trespassada pelo Mediterrâneo”. Outro escritor, Joan Fuster, escreveu que Alicante “é, sem dúvida, a mais amável de todas as cidades valencianas, a que escolheria para viver se tivesse de trocar o seu povo por uma cidade “.

O QUE DEVE SABER

LOCALIZAÇÃO
Alicante encontra-se nas margens do Mediterrâneo. No este da Península Ibérica.

FRONTEIRAS
Alicante tem fronteiras com: Valência, Albacete e a região de Múrcia.

FESTAS E EVENTOS
São os “Fogueres de Sant Joan” as que gozam de maior fama. Durante esta festa Alicante transfigura-se. Dezenas de bonecos de madeira e cartão encontram-se por todos os cantos da cidade. Neles o humor e a sátira, criticando com ironia aspectos da vida quotidiana, fazem sorrir quem contempla.

Na noite de 24 de Junho, existe um disparo descomunal de fogos de artificio. Na festa de San Pedro poderá presenciar vistosos desfiles, fantásticos castelos de fogos de artifício e divertir-se nas populares Barracas que constituem o centro de atracção para os locais e visitantes, com actuações musicais ao ar livre todas as noites.

Outra festividade é a romaria de Santa Faz, que se celebra na segunda Quinta – feira a seguir à Quinta – feira S anta e congrega milhares de peregrinos. Junto ao casario instala-se uma feira onde se vendem toda a espécie de objectos em cerâmica.

Uma das mais importantes celebrações do povo alicantino são as festas de Mouros e Cristãos. Grande parte dos bairros da cidade organizam estes desfiles, sendo o verão a altura em que têm lugar.

HISTÓRIA e CRONOLOGIA de ALICANTE
Os primeiros núcleos habitados localizaram-se nas ladeiras do monte Benacantil, ocupado hoje pelo castelo de Santa Bárbara, que reunia condições privilegiadas pela sua proximidade com o mar e altitude para um assentamento seguro; ainda que não se tenha conservado vestígio algum, seguramente houve ali uma população ibera. Outro ponto foi a zona de Benalúa onde se ergueu uma cidade romana chamada Lucentum, que é o antecedente mais imediato da urbe que hoje conhecemos.

Com a chegada dos muçulmanos começou a formar-se a actual ampara do castelo. Alfonso X o Sábio conquistou-a em 1246 para a coroa de Castela. Foi em 1308 que Jaime I a incorporou ao Reino de Valência. Em 1490 Fernando o Católico concedeu-lhe o título de cidade.

Cem anos depois era o porto natural de Castela, o que proporcionava um activo comércio marítimo, o qual registou um grande florescimento económico e um auge demográfico considerável que a levaram a ser a terceira cidade mercantil de Espanha.

Em 1691, durante o reinado de Carlos II, a armada francesa bombardeou-a durante sete dias consecutivos. Sem quase tempo para recuperar-se, a cidade viu-se imersa na guerra de Sucessão. Durante a guerra da Independência foi capital provisional do Reino.

No século XVIII iniciou a sua recuperação dos desastres das guerras. Mas foi no século XIX que Alicante começou o definitivo arranque. Com a chegada do comboio (1858) a sua ligação com o centro da Península assegurou a importância portuária que sempre lhe conferiu um ar cosmopolita.

INFORMAÇÕES PRÁTICAS

TRANSPORTES
Aeroporto. O aeroporto de El Altet dista 10 quilómetros do centro da cidade.

ONDE É MELHOR

COMPRAS
Em Alicante encontrará desde as peças do mais puro artesanato, como as cerâmicas de Agost, os cestos de Gata de Gorgos, os tecidos de Crevillente, calçado de Elda, bordados, bijuteria, peles, etc.

Gastronomia
Povo cem por cento marinheiro, a sua gastronomia está ligada ao mar e ao arroz. Prepare-se, pois, para provar dezenas de formas diferentes de cozinhar arroz, todos diferentes e cada um mais saboroso. Começando pelo arroz à alicantina, cujos ingredientes básicos são, o frango e marisco como acompanhamento. Depois, o arroz solto, o arroz a banda, o arroz negro…

Nas receitas gastronómicas alicantinas ocupam um lugar de privilégio o bacalhau, o polvo seco, as anchovas, etc. São uma boa entrada para qualquer comida ou para um aperitivo.

E, como final de uma boa refeição, sugerimos os torrões que fizeram universal o nome de Alicante, etc. Quanto a vinhos, esta província oferece bons vinhos tais como os brancos e rosados de La Marina, os tintos de Vinalopó e os generosos e mistelas, alguns tão famosos como o histórico “Fondillón”.

VISITAS
Castelo de Santa Bárbara:
É a construção mais emblemática da cidade. Encontra-se situada coroando o monte Benacantil, a 166 metros de altitude. Os achados arqueológicos fazem crer a existência de um castro ibérico. As dependências actuais datam na sua maior parte do século XVI.

Destacam-se a Torre da Homenaje, o Baluarte dos Ingleses, a capela de Santa Bárbara, o salão de Felipe II, etc. Pode-se subir por uma estrada ou por elevador, cuja entrada se encontra frente à praia de Postiguet. Desde os baluartes poderá também desfrutar das melhores panorâmicas da cidade e da costa. Dali, poderá visitar a ilha de Tabarca, situada em frente ao cabo de Aljub ou de Santa Pola.

Igreja de Santa Maria: Data do século XVI e foi construída no solar ocupado anteriormente por uma mesquita. O interior é gótico, o altar mor e a portada são barrocos.

Concatedral de San Nicolás de Bari: Foi concluída em 1662. Com elementos barrocos no altar e na capela da Comunión, considerada como uma das mais belas mostras do alto barroco espanhol. Tem especial interesse o claustro, com portas de madeira.

Câmara: É uma excelente obra de arquitectura civil barroca. Foi terminada em 1760. No andar térreo, no primeiro degrau da escadaria interior, há um disco metálico no qual está assinalado o Punto Cero que se toma como referência para medir a altitude sobre o nível do mar de todos os lugares de Espanha. (regressar ao início do texto)

Mosteiro da Santa Faz: encontra-se 8 quilómetros a norte da cidade, na estrada Alicante – Valência. As suas obras finalizaram em 1766 e é de estilo renascentista, com portada barroca. Não perca o relicário que guarda uma parte do lenço com que Verónica enxugou o rosto de Jesus Cristo a caminho do Calvário. Esta relíquia foi trazida de Roma no século XV. Anexada ao edifício há uma torre fortaleza do século XVI.

Castelo de San Fernando: encontra-se no outeiro de Tossal. Actualmente encontra-se desmantelado, se bem que se possa dizer que é uma fortaleza que nunca foi terminada, já que a sua construção foi muito precipitada com o motivo da invasão francesa.

Palácio Gravina: Construído no século XVIII, alberga hoje o Arquivo Provincial, dependente da Deputação. Também se celebram aqui exposições e diversos tipos de actividades culturais.

Ilha de Tabarca: Esta ilha, autêntico monumento natural, a única habitada da Comunidade Valenciana, antigo refúgio de piratas e corsários, pertence hoje ao município alicantino. Dista de Alicante onze milhas marítimas e três de Santa Pola. As águas que a rodeiam estão declaradas como Reserva Marítima. Possui um importante recinto fortificado. Destacam-se a igreja (século XVIII) e o castelo de San José. Tabarca foi declarada Conjunto Histórico – Artístico em 1964.

As praias de Alicante:
A praia de San Juan, dispõe de sete quilómetros de areias douradas bordejadas por uma estrada que lhe permitirá ficar no lugar que escolher. A praia de Albufereta, um areal quase íntimo, residencial, protegida pelo Cabezo da Serra Grosa. O Postiguet, situada quase dentro da cidade, ao pé do monte Benacantil, mesmo ao lado do porto. Saladar e Los Judios, a Sul da cidade e a praia Agua Amarga (para naturistas).

Parques e jardins:
Alicante olha o mar e fá-lo desde o Passeio da Explanada, um dos mais belos de Espanha. “Estar em Alicante, é estar na Explanada”, escreve Juan Gil Albert, e não há nada que dê mais prazer que deambular por ali, debaixo das quatro filas de palmeiras. A imagem deste passeio tornou-se famosa através do monumental mosaico formado por mais de seis milhões de quadrados de mármore de cor vermelha Alicante, creme e negro que imitam as ondas do mar. Nele há um auditório musical onde a Banda Municipal oferece concertos nos dias festivos. Outros parques da cidade são o de Canalejas, o Palmeral, Lo Morant e o Benacantil.

A noite alicantina:
O seu clima permite uma vida nocturna alegre e animada ao longo de todo o ano mas no verão, naturalmente, a animação nocturna é prolongada. Recomendamos o “casco antigo”, a zona conhecida como O Bairro. Ali há dezenas de bares, tabernas, cervejarias, pizzarias, cada um com o seu próprio estilo e personalidade, nos quais reina a música constantemente, desde a salsa ao jazz, passando pelo rock, as sevilhanas e outros estilos.

A que poderíamos chamar “zona moderna” (entre Alfonso o Sabio e a Explanada) oferece outro tipo de animação, pubs, restaurantes, discotecas. Durante as noites de verão, a animação muda para a praia de San Juan, lugar ideal para desfrutar do ambiente mediterrâneo.

MUSEUS EM ALICANTE

Museu Municipal Casa da Asegurada:
O edifício da Asegurada foi construído no século XVII e foi tendo ao longo da sua história diversos usos e destinos, tais como uso municipal, prisão, parque de artilharia, escola de comércio e, inclusive, sede provisional da Câmara. Hoje guarda uma Colecção de Arte do Século XX, doada à cidade em 1976 pelo artista Eusebio Sempere. O núcleo mais importante desta colecção é formado por obras dos principais artistas da geração espanhola de cinquenta. Alfaro, Canogar, Chillida, Mompó, Saura, Tápies, Zobel e Viola, assim como de alguns percursores da arte de vanguarda espanhola, Gris, Miró, Picasso, etc.

Museu Arqueológico Provincial:
Encontra-se instalado no Palácio da Diputação Provincial. A envergadura das colecções que possui este museu é tal, que só se expõe ao público uma mostra das peças mais significativas. Destacam-se objectos da Idade do Bronze e as colecções de cerâmica ibérica e romana, e a estatuária e epigrafia romanas. Conserva também uma rica colecção de cerâmica popular dos séculos XVI ao XIX.

Museu das Hogueras:
Encontra-se nas dependências do castelo de Santa Bárbara e exibe lembranças desta popular festa alicantina.

7 COISAS QUE NÃO DEVE DEIXAR DE FAZER NESTE PARAÍSO

1. Se lhe interessam as colecções de pintura dirija-se ao Museu Eusébio Sempere na Casa da Asegurada, onde poderá contemplar a colecção doada à cidade por este escultor e pintor.
2. Vistas panorâmicas de Alicante desde 166 metros de altura, rodeado pelas muralhas de um castelo? Suba ao monte de Benacantil e visite o castelo de Santa Bárbara. Poderá lá chegar por estrada ou subir pelo ascensor da praia do Postiguet.
3. Os amantes da música podem escutar um concerto junto ao mar. Todos os concertos são realizados à tarde e aos domingos de manhã no Paseo de la Explanada da cidade.
4. Não se perca a magia e o encanto de Les Fogueres de Sant Joan. Cada 24 de Junho a luz do fogo ilumina a cidade.
5. Saboreie as mais deliciosas variantes de arroz, combinadas com marisco, peixe, carne. Para completar uma boa refeição prove os vinhos da terra, e não se esqueça dos famosos gelados e torrões.
6. Bronzeie-se em qualquer época do ano nas praias de areia fina de Postiguet, a Albufereta ou na praia de San Juan. Se prefere praias rochosas e tranquilas, vá ao Cabo das Huertas.
7. Recomendamos que não perca a visita à ilha de Tabarca. Pode fazer a travessia, desde o Porto de Alicante.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 3:41 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)