ALTERAÇÕES CARIOTÍPICAS EM TUMORES PULMONARES

ALTERAÇÕES CARIOTÍPICAS EM TUMORES PULMONARES

Muitas neoplasias humanas estão associadas a anormalidades cromossômicas não-randômicas, sugerindo que determinadas anormalidades citogenéticas podem constituir eventos importantes e, possivelmente, primários na transformação neoplásica. Além disso, possuem significado diagnóstico e prognóstico em alguns casos. Foram descritos três tipos de anormalidades cromossômicas não-randômicas:
• translocações;
• feleções;
• amplificações.

Biologia do Crescimento Tumoral Pulmonar
Três variáveis influenciam o crescimento das células tumorais:
1. tempo de duplicação das células tumorais: o ciclo celular das células transformadas possui as mesmas cinco fases (G0, G1, S, G2 e M) observadas nas células normais. O tempo total do ciclo celular para muitos tumores é igual àquele das células normais correspondentes, ou mais demorado. Por conseguinte, o crescimento progressivo e rápido de tumores nem sempre pode ser atribuído a uma redução do tempo do ciclo celular nas células tumorais.
2. fração de crescimento (FC): refere-se à proporção de células dentro da população tumoral que se encontra no reservatório de replicação (i.e., fora da fase G0). As células no interior de tumores clinicamente detectáveis não estão, em sua maioria, no reservatório proliferativo. Até mesmo em alguns tumores de crescimento rápido, a FC é de cerca de 20%. As células deixam o reservatório de replicação devido ao seu desprendimento, diferenciação ou reversão para a fase G0. Por conseguinte, o crescimento progressivo de tumores não pode ser atribuído a uma FC inusitadamente alta.
3. produção e perda de células: o acúmulo de células tumorais que resulta em crescimento progressivo dos tumores pode ser mais bem explicado por um desequilíbrio entre a produção e a perda das células. Em alguns tumores (particularmente aqueles com FC elevada), o desequilíbrio é grande, resultando num crescimento mais rápido que o observado em tumores cuja produção celular só excede a perda de células por uma pequena margem.

O conhecimento da cinética das células tumorais tem as seguintes implicações clínicas:
• a taxa de crescimento tumoral depende da FC e do grau de desequilíbrio entre a produção e a perda de células tumorais. A FC elevada, como aquela observada em determinados linfomas, está associada a um rápido crescimento;
• suscetibilidade dos tumores à quimioterapia: como a maioria dos agentes antineoplásicos atuam sobre as células em divisão, os tumores com FC mais altas são os mais suscetíveis a agentes anticâncer. Além disso, são os que crescem mais rapidamente se não forem tratados.

Angiogênese Tumoral Pulmonar
Como as células tumorais, à semelhança das células normais, necessitam de oxigênio para sobreviver, a vascularização dos tumores por vasos sangüíneos derivados do hospedeiro tem uma profunda influência no crescimento dos tumores. Nos tumores de crescimento rápido, a taxa de crescimento excede, algumas
vezes, a velocidade de vascularização, com conseqüente aparecimento de áreas de necrose isquêmica.

A vascularização dos tumores é efetuada pela liberação de fatores angiogênicos associados ao tumor, derivados de células tumorais ou de células inflamatórias (por exemplo, macrófagos) que penetram nos tumores. Os dois fatores angiogênicos tumorais mais importantes são o fator de crescimento endotelial vascular (VEGF, Vascular Endothelial Growth Factor) e o fator de crescimento de fibroblastos básico
(BFGF, Basic Fibroblast Growth Factor). Além dos fatores angiogênicos, as células tumorais ou as células do hospedeiro também produzem fatores antiangiogênicos, que incluem a angiostatina, a endostatina e a vasculostatina.

O crescimento dos tumores é controlado pelo equilíbrio entre fatores angiogênicos e antiangiogênicos.
Estes últimos têm sido estudados terapeuticamente para retardar o crescimento tumoral.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 2:25 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)