Sintomas da Doença de Alzheimer

”Não é fácil identificar primeiros sintomas do Mal de Alzheimer“ – As dificuldades em identificar os primeiros sinais da doença de Alzheimer (DA), o atraso no diagnóstico e a indiferença por parte das entidades governamentais em relação à doença, que afecta cerca de 60 mil pessoas em Portugal, foram as principais conclusões do primeiro inquérito europeu.

O estudo, foi feito em paralelo com um outro realizado em mais seis países europeus – França, Alemanha, Itália, Polónia, Espanha e Reino Unido -, indica que a maioria das pessoas não é capaz de reconhecer os primeiros sinais do Alzheimer.

Uma dificuldade alargada aos próprios médicos, não só clínicos gerais, como também especialistas.

As dificuldades de diagnóstico da doença, que afecta sobretudo a faixa etária a partir dos 65 anos, residem no facto de esta apresentar vários sintomas associados ao envelhecimento, tais como a perda de memória.

Além disso, os médicos reconhecem a dificuldade de falar sobre a doença de Alzheimer ao doente, a par da negação da patologia por parte deste.

Alzheimer, doença que não tem cura, envolve a destruição de células cerebrais e é caracterizada por problemas cognitivos de memória, linguagem, orientação e de mobilidade, que leva à perda gradual das mais básicas capacidades, surgindo frequentemente alterações comportamentais que podem incluir depressão, agitação, delírio, agressividade e apatia.

Entre os factores de risco estudados contam-se: a idade, hereditariedade, sexo, educação, traumatismo craniano, tabaco, pressão arterial elevada e níveis elevados de colesterol.

Segundo dados de 2003, a doença de Alzheimer é a principal causa de demência e todos os anos surgem 800 mil novos casos na Europa.

Calcula-se que cerca de 18 milhões de pessoas sofrem actualmente de Alzheimer, e nos próximos 30 a 40 anos, o número de pessoas afectadas pode triplicar.

As mulheres são as mais afectadas, porque também são a maior fatia da população idosa.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 4:05 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)