Amamentar a pedido: o que é? – Vantagens

Amamentar a pedido, um estilo de amamentação que produz imensas vantagens. Há poucas décadas atrás, pensava-se que para alimentar adequadamente o bebé seria necessário “colocá-lo ao peito de três em três horas”.

As gerações que nos precederam não deixaram ao acaso os horários de amamentação: o pequenito não devia comer quando tinha fome, mas quando o relógio o indicava. Como muitos outros aspectos da medicina e da educação, este conceito mudou com o decorrer dos anos. Então, começou-se a ouvir a frase “a pedido” associada à amamentação.

Mas, o que é “a pedido?”. Informamos que esta expressão pode dar lugar a mal-entendidos, e que muitas mamãs imaginam que têm de permanecer durante todo o dia despidas da cintura para cima, esperando que o glutão se sirva à sua vontade.

É verdade que quando o bebé nasce e pede constantemente de mamar durante todo o dia (e às vezes também durante toda a noite), muitas mamãs sentem que são uma espécie de grande fornecedor de leite onde o bebé se pode servir de todo o leite que quiser e as vezes que lhe apetecer.

Mas esta percepção tão comum não corresponde à amamentação a pedido “bem entendida”, uma vez que não significa que a mamã tenha de viver dependente de uma determinada hora, mas que deve alimentar o seu bebé garantindo a quantidade e a qualidade de que ele necessita para um bom crescimento e desenvolvimento, tanto físico como emocional.

Ou seja, dar-lhe de mamar somente quando manifeste que tem apetite. É simples e fácil. Amamentar a pedido, assim como a amamentação em geral, construi-se: com o tempo, a mamã e o bebé conhecem-se, e aprendem um com o outro.

A mãe vai interpretando os gestos do seu filho, esses sons e esses “sinais” que ele utiliza para “pedir” o que necessita, è à medida que os dias passam torna-se uma especialista em reconhecer quando o pequenito tem fome.

Quem não chora, não mama…

Assim como existem adultos agitados e outros mais calmos, os lactentes também têm as suas diferenças. Enquanto que alguns bebés – geralmente os mais dorminhocos – não “pedem” com frequência, há pequenitos mais pedinchões que, se fosse por eles, passariam o dia todo agarrados ao peito.

O que se deve fazer em cada um destes casos? No primeiro exemplo, se o pequenito não reclamar com uma determinada cadência para poder ganhar peso adequadamente e ao mesmo tempo estimular o peito materno, então será preciso oferecer-lhe o peito, mesmo que não o peça: passar longos períodos de tempo sem comer pode por em risco o seu peso, assim como a produção de leite da sua mamã, devido à falta de estímulo.

No caso dos mais pedinchões, amamentar a pedido também não significa andar todo o dia com uma criança pendurada ao peito, porque sabe-se que a sua solicitação não se deve ao apetite, e aconselha-se a colocá-lo somente durante alguns minutos ao peito, para tranquilizá-lo.

Porque pede tantas vezes seguidas?

O leite materno metaboliza-se muito depressa: aproximadamente numa hora, e é por isso que muitos bebés pedem de mamar logo de seguida. Nos primeiros meses de vida, os pequenitos alimentam-se com muita frequência: é absolutamente normal que mamem 8 ou 9 vezes por dia.

Quanto à noite, se despertarem para comer, é necessário dar-lhes o peito. Mas se não pedirem alimento, não é necessário que os despertem, a menos que o médico o tenha aconselhado para conseguir um maior aumento de peso.

Muitas vezes, o facto de pedir a mama não é sinónimo de fome, mas necessidade de contacto, atenção e segurança. E que melhor lugar existe que o morno e aprazível peito da mamã para estar aconchegado! Com o tempo, aprenderemos a distinguir que tipo de necessidade é que o bebé sente.

Outros pequenitos procuram consolo na mama. Mas atenção, porque quando são vítimas de dores provocadas por cólicas, o peito não é o melhor dos bálsamos: poderia agudizar as cólicas, em vez de as atenuar.

Convém nestes casos fazer-lhe massagens de forma circular na barriguita, ou deitá-lo de barriga para cima e elevar as suas pernitas contra o abdómen, ou mudá-lo de posição para o acalmar.

As vantagens do amamentar a pedido

A amamentação – e em particular a feita a pedido – tem várias vantagens: os bebés desenvolvem-se melhor, o conteúdo de gorduras e de calorias do leite é mais elevado, os peitos têm menos retenção de leite, e devido a isso diminui a dor nos mamilos e sofrem-se menos infecções mamárias.

Por outra parte, para a maioria dos bebés, as mamadas frequentes são a única forma de obter leite suficiente durante os primeiros meses.

Também é verdade que amamentar a pedido significa um elevado grau de generosidade por parte da mãe, que em alguns casos tem a sensação de que termina uma mamada e apenas alguns momentos depois começa uma nova, praticamente sem descanso.

A verdade é que todos somos capazes de compreeprender com o tempo o que é que o nosso bebé necessita, e a que correspondem os seus “pedidos”.

O importante é manter-se informada e consultar o pediatra a tempo quando surge a menor dúvida ou inconveniente, mas acima de tudo tem que se saber escutar e não perder a confiança em si própria, e lembre-se que quem mais sabe sobre o bebé é a sua mamã.

Como, quanto e com que frequência

Muitas mamãs interrogam-se como deve ser a mamada, que tempo tem que durar e de quanto em quanto tempo é preciso dar-lhe de mamar. E a esse respeito, existem algumas regras que deve ter em atenção:

– Durante a mamada, o bebé tem de mamar activamente, com um ritmo constante. Se permanece agarrado à mama, mas sem mamar, pode estimulá-lo, acariciando-lhe o queixo com um dedo.

– Com respeito à duração da mamada, não existem regras fixas, dado que depende do ritmo de sucção e da quantidade de pausas que o bebé fizer enquanto estiver a mamar, mas à priori poderíamos dizer que é conveniente deixá-lo durante cerca de 20 minutos no primeiro peito, ou até menos, se notar que entretanto esvaziou esse peito.

Se passado esse tempo o seu bebé continuar com fome ou tiver necessidade de continuar a mamar, mude-o para o outro peito até que fique satisfeito.

– O bebé mama sempre com mais vigor do primeiro peito, devido a que está com mais fome, e por isso – geralmente – mama menos do segundo. Por esta razão é recomendável que, na próxima mamada, comece com o último que lhe ofereceu na vez anterior.

Guia da Gravidez

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 3:08 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)