Anorexia Nervosa

A anorexia nervosa é uma desordem (transtorno) alimentar que faz com que as pessoas percam mais peso do que é considerado saudável para a sua idade e altura. As Pessoas com este distúrbio podem ter um medo intenso de ganhar peso, mesmo quando estão abaixo do peso ideal. Elas podem fazer dieta ou exercício físico em excesso ou utilizar outros métodos para perder peso.

Consulte também: Bulimia Nervosa.

Causas da anorexia nervosa

As causas exactas da anorexia nervosa não são conhecidas. Muitos factores estão provavelmente envolvidos. Genes e hormonas podem desempenhar um papel. Atitudes sociais que promovam tipos de corpo muito magros também podem estar envolvidas. Já não se pensa que conflitos familiares possam contribuir para este ou outros distúrbios alimentares.

Factores de risco para anorexia incluem:

• Estar mais preocupado com o corpo ou prestar mais atenção ao peso e forma
• Ter tido um transtorno de ansiedade enquanto criança
• Ter uma auto-imagem negativa
• Tertido problemas de alimentação durante a infância ou juventude
• Ter certas ideias sociais ou culturais sobre saúde e beleza
• Tentar ser perfeito ou excessivamente centrado em regras

A anorexia começa geralmente durante a adolescência ou idade adulta jovem. É mais comum em mulheres, mas também pode ocorrer em homens. Esta desordem é encontrada principalmente em mulheres caucasianas com grande sucesso académico e que têm uma família ou personalidade orientada para objectivos.

Sintomas da anorexia nervosa

Para ser diagnosticada com anorexia, a pessoa deve:

• Ter um medo intenso de ganhar peso ou ficar gorda, mesmo quando ela está abaixo do peso ideal
• Recusar-se a manter o peso que é considerado normal para sua idade e altura (15% ou mais abaixo do peso normal)
• Ter uma imagem do corpo que é muito distorcida, ser muito focada no peso ou forma e recusar-se a admitir a gravidade da perda de peso
• Não ter tido período por três ou mais ciclos (em mulheres)

As pessoas com anorexia podem limitar severamente a quantidade de comida que comem ou comer e depois vomitar voluntariamente. Outros comportamentos incluem:

• Cortar os alimentos em pedaços pequenos ou movê-los em volta do prato em vez de comer
• Fazer exercício físico em demasia, mesmo quando está mau tempo, sofre de uma lesão ou sua agenda está muito ocupada
• Ir à casa de banho logo após as refeições
• Recusar-se a comer perto de outras pessoas
• Usar comprimidos para urinar (diuréticos), ter actividade intestinal (enemas e laxantes) ou diminuir seu apetite (comprimidos de dieta)

Outros sintomas de anorexia podem incluir:

• pele manchada ou amarela, que está seca e coberto de pêlos finos
• pensamento confuso ou lento, com pouca memória ou julgamento
• depressão
• boca seca
• Extrema sensibilidade ao frio (usando várias camadas de roupa para ficar quente)
• perda de força dos ossos
• desaparecimento dos músculos e perda de gordura corporal

Exames e Testes de diagnóstico

Devem ser realizados testes para ajudar a encontrar a causa da perda de peso ou ver que dano a perda de peso causou. Muitos destes testes serão repetidos ao longo do tempo para monitorar o paciente. Estes testes podem incluir:

• albumina
• teste de densidade óssea para verificar se existem ossos finos (osteoporose)
• hemograma completo
• electrocardiograma (ECG)
• electrólitos
• testes de função renal
• testes de função hepática
• proteína total
• testes de função da tireóide
• análises à urina

Tratamento da anorexia nervosa

O maior desafio no tratamento da anorexia nervosa está em ajudar a pessoa a reconhecer que tem uma doença. A maioria das pessoas com anorexia negam o facto de sofrerem de um distúrbio alimentar. Muitas vezes as pessoas entram em tratamento apenas quando a sua condição já é grave.

Os objectivos do tratamento são de restaurar o peso normal do corpo e hábitos alimentares. Um ganho de peso de 500 gramas a 1.5 quilos por semana é considerado um objectivo seguro. Existem diferentes programas concebidos para tratar a anorexia. Por vezes a pessoa pode ganhar peso ao:

• Aumentar a actividade social
• Reduzir a quantidade de actividade física
• Usar horários para comer

Muitos pacientes começam com uma curta estadia no hospital de forma a continuar a acompanhar um programa de tratamento diário. Um período de internamento hospitalar mais prolongado pode ser necessário se:

• A pessoa perdeu muito peso (estando abaixo de 70% do seu peso corporal ideal para a sua idade e altura). Se ocorreu desnutrição grave e com risco de vida, a pessoa pode precisar de ser alimentadapor via intravenosa ou tubo gástrico.
• A perda de peso continua, mesmo com tratamento
• Desenvolverem complicações médicas, como problemas cardíacos, confusão ou níveis baixos de potássio
• A pessoa sofre de depressão grave ou pensa em cometer suicídio

Os prestadores de cuidados que são normalmente envolvidos nestes programas incluem:

• Enfermeiros
• Médicos
• Assistentes médicos
• Nutricionistas ou dietistas
• Prestadores de cuidados de saúde mental

O tratamento é frequentemente muito difícil, e os pacientes e suas famílias devem trabalhar arduamente. Muitas terapias podem ser tentadas até que o paciente supereesta doença. Os pacientes podem desistir destes programas se tiverem a esperançairrealista de serem “curados”apenas com recurso a terapia.

Diferentes tipos de psicoterapia são utilizados para tratar as pessoas com anorexia:

• Terapia cognitivo-comportamental (um tipo de terapia conversacional), terapia de grupo e terapia familiar têm todas sido bem-sucedidas.

• O objectivo da terapia é alterar os pensamentos ou comportamento do paciente para incentivá-lo a alimentar-se de maneira saudável. Este tipo de terapia é mais útil para o tratamento de pacientes mais jovens que não tiveram anorexia durante um longo período de tempo.

• Se o paciente for jovem, a terapia pode envolver toda a família. A família é vista como uma parte da solução em vez da causa da desordem alimentar.

• Os grupos de apoio podem também ser uma parte do tratamento. Nos grupos de apoio, os doentes e famílias encontram-se e partilham as suas experiências.

Medicamentos como antidepressivos, antipsicóticos e estabilizadores de humor podem ajudar alguns pacientes anoréxicos quando administrados como parte de um programa de tratamento completo. Alguns exemplos incluem:

• Antidepressivos, especialmente inibidores selectivos da recaptação da serotonina (ISRS)
• Olanzapina (Zyprexa, Zydis) ou outros antipsicóticos

Estes medicamentos podem ajudar a tratar depressão ou ansiedade. Embora estes medicamentos possam ajudar, nenhum medicamento está comprovadocomo sendo responsável pela diminuição do desejo de perder peso.

Grupos de Apoio

Em Portugal: AFAAB – Associação dos Familiares e Amigos dos Anorécticos e Bulímicos.  Sitio online: afaab.org

Expectativas (prognóstico)

A anorexia nervosa é uma condição séria que pode ser fatal. Segundo algumas estimativas, leva à morte em 10% dos casos. Programas de tratamento completos podem ajudar as pessoas a regressar a uma condição de peso normal, mas é comum que a doença regresse.

As mulheres que desenvolvem este distúrbio alimentar em idade precoce têm uma melhor hipótese de recuperar completamente. No entanto, a maioria das pessoas com anorexia continuará a preferir um peso corporal menor e ser muito focada em tipos de alimentos e calorias. O controlo do peso pode ser difícil. Tratamento a longo prazo pode ser necessário para manter um peso saudável.

Possíveis complicações

As complicações podem incluir:

• enfraquecimento dos ossos
• diminuição dos glóbulos brancos, o que leva ao aumento do risco de infecção
• baixos níveis de potássio no sangue, que podem causar ritmos cardíacos perigosos
• desidratação grave
• malnutrição grave
• convulsões devido a perda defluidos ou de sódio devido adiarreia ou vómitos repetidos
• problemas na glândula tiróide
• cárie dentária

Quando entrar em contacto com um médico

Contacte o seu prestador de cuidados de saúde, se um familiar ou amigo:

• For muito focado no peso
• Fizer excesso de exercício
• Limitar a comida que ele ou ela come
• Tiver peso muito baixo

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 3:16 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)