Arritmia Cardíaca: Conheça os Principais Sintomas e Tipos

Chama-se arritmia cardíaca a qualquer ritmo cardíaco anormal.

Numa pessoa adulta e saudável, o coração bate regularmente com uma frequência de 60 a 100 vezes por minuto (estes batimentos cardíacos podem ser sentidos no pulso, pescoço ou outras partes do corpo) e coincidem com as contrações dos chamados ventrículos.

Conheça Os Tipos Mais Comuns De Arritmia Cardíaca

Desde o nó sinusal, o sinal de pulsação viaja através do nó atrioventricular ou do nó AV, (localizado entre os átrios) e através do feixe de His (pronunciado HISS, um grupo de fibras musculares cardíacas modificadas localizadas entre os ventrículos).

São estas fibras musculares que fazem com que os ventrículos se contraiam e produziram batidas.

Por vezes, as arritmias cardíacas são divididas de acordo com a sua origem, em: arritmias ventriculares (originadas nos ventrículos) ou arritmias supraventriculares (originadas nas áreas que estão acima dos ventrículos, geralmente os átrios).

Também podem ser divididas de acordo com o seu efeito sobre a frequência cardíaca: a bradicardia indica uma frequência cardíaca inferior a 60 batimentos por minuto e taquicardia, a frequência cardíaca acima de 100 batimentos por minuto.

Alguns tipos comuns de arritmias cardíacas incluem:

Disfunção do nó sinusal

Geralmente produz uma frequência cardíaca baixa (bradicardia) ou inferior a 50 batimentos por minuto.

A causa mais comum é o tecido da cicatriz que se desenvolve e, eventualmente, substitui o nó sinusal. Não se sabe o porquê deste acontecimento.

A doença do nó sinusal também pode ser devido à doença arterial coronariana, hipotireoidismo, doença hepática grave, hipotermia, ou outras condições de febre tifóide.

Pode também ser devido ao aumento do tônus ​​vagal, uma atividade incomum do nervo vago.

Taquiarritmias supraventriculares

Esta família de arritmias cardíacas diversas causas batimentos cardíacos rápidos (taquicardia) que se originam nas áreas que estão acima dos ventrículos.

Na maioria dos casos, o problema fundamental é uma alteração do nó AV ou devido à presença de uma via anormal, resultando no caminho típico dos sinais de pulsação.

Fibrilação atrial

Esta é uma arritmia supraventricular que produz uma taquicardia irregular, durante o qual os átrios vibram ou “fibrilam” em vez de baterem normalmente.

Durante este tipo de fibrilação atrial, os sinais de batimentos cardíacos começam em diferentes áreas dos átrios, e não no nó sinusal.

Como resultado, o nó AV envia sinais irregulares esporádicos para os ventrículos e produz uma resposta rápida, irregular, de 80 a 160 batimentos por minuto.

O batimento cardíaco desordenado da fibrilação atrial não consegue bombear sangue eficiente para o coração.

Isso faz com que o sangue se acumule nas câmaras do coração e aumente o risco de coágulos de sangue.

Os principais fatores de risco da fibrilação atrial é a idade, a doença arterial coronariana, doença reumática do coração (causada pela febre reumática), pressão arterial alta, diabetes e hipertireoidismo (excesso de hormônios da tireóide).

Bloqueio AV ou bloqueio cardíaco

Nesta família de arritmias existem algumas dificuldades em transmitir o sinal de pulsação do nó sinusal para os ventrículos.

Existem três graus de bloqueio AV: O primeiro grau é o bloco do avoirdupois, onde o sinal chega, mas pode demorar mais tempo do que o habitual para viajar a partir do nó sinusal para os ventrículos.

No Segundo grau de bloqueio AV, alguns sinais de pulsação são perdidos entre os átrios e os ventrículos. No terceiro grau de bloqueio AV, nenhum sinal atinge os ventrículos, portanto, bate lentamente, sem receber qualquer sinal dos átrios.

Algumas causas comuns de bloqueio AV incluem a doença arterial coronariana, ataques cardíacos e overdose digital (medicamentos para o coração).

A taquicardia ventricular (TV) é o ritmo cardíaco anormal que se inicia no ventrículo direito ou esquerdo. Pode levar alguns segundos (TV não-sustentada), vários minutos ou até horas (TV sustentada).

TV Sustentada é um ritmo cardíaco perigoso e, se não for tratado, pode muitas vezes progredir para fibrilação ventricular.

Fibrilação ventricular

A fibrilação ventricular é considerada uma emergência cardíaca. Este tipo de fibrilação pode ser causado por ataques cardíacos (infarto) do músculo do coração, acidentes elétricos ou afogamento.

Sintomas de arritmia cardíaca

Os sintomas incluem:

Disfunção do nódulo sinusal: Provavelmente não apresenta sintomas ou pode causar tonturas, desmaios e cansaço extremo.

Taquiarritmias supraventriculares: podem causar palpitações (sensação de batimentos rápidos do coração), pressão arterial baixa e desmaio.

Fibrilação atrial: Por vezes, não existem sintomas. Esta fibrilação pode causar palpitações, desmaios, fraqueza, tonturas, falta de ar e angina de peito, devido à irrigação reduzida ao músculo cardíaco. Algumas pessoas com fibrilação atrial variam de batimentos cardíacos irregulares e prolongados a períodos de batimentos cardíacos completamente normais.

Bloqueio AV ou bloqueio cardíaco: O bloqueio AV de primeiro grau não causa sintomas. O de segundo grau faz com que tenha a pulsação fraca. O bloqueio AV de terceiro grau causa batimentos cardíacos lentos, tonturas e desmaios.

Taquicardia ventricular (TV): A TV pode não causar nenhum sintoma ou causar uma leve vibração no peito. Em geral, a taquicardia ventricular sustentada causa tonturas ou perda de consciência e pode ser fatal.

Fibrilação ventricular: Causa inconsciência e morte.

Tratamento da arritmia cardíaca

O tratamento das arritmias cardíacas dependem da causa:

Disfunção do nódulo sinusal: Em pessoas com sintomas graves e frequentes, o tratamento usual é o marcapasso cardíaco definitivo.

Taquiarritmia supraventricular: O tratamento específico depende da causa subjacente da arritmia.

Em algumas pessoas, o problema desaparece quando você executa a carotídea no pescoço, enquanto outros necessitam de medicação, por exemplo, beta-bloqueadores, bloqueadores de canais de cálcio, digoxina (Lanoxin) e amiodarona (Cordarone).

Alguns pacientes respondem bem apenas a uma ablação por radiofrequência, que destrói uma área do tecido do nó AV e evita o excesso de impulsos elétricos que passam dos átrios para os ventrículos.

Fibrilação atrial: A fibrilação causada por tireóide hiperativa (hipertireoidismo) pode ser tratada com medicamentos ou cirurgia. A fibrilação causada pela doença reumática pode ser tratada com a reposição das válvulas danificadas.

Alguns medicamentos como os beta bloqueadores (atenolol e metoprolol, por exemplo), digoxina (Lanoxin), diltiazem, amiodarona (Cardizem, Tiazac) ou verapamil (Calan, Isoptin, Verelan) pode ser usados para reduzir a frequência cardíaca.

A amiodarona pode ser usada para reduzir a probabilidade de recorrência da fibrilação atrial.

Outras opções de tratamento incluem a ablação por radiofrequência ou cardioversão elétrica, um procedimento que passa de um conjunto elétrico do coração para restabelecer o seu ritmo normal.

Bloqueio AV: O AV de primeiro grau bloco geralmente não quer o tratamento.

É provável que as pessoas com segundo grau de bloqueio AV sejam controladas por ecografias frequentes, especialmente se não apresentarem sintomas e tiverem uma frequência cardíaca adequada às suas atividades diárias.

Alguns pacientes com bloqueio cardíaco de segundo grau requerem o marcapasso cardíaco. O bloqueio AV de terceiro grau é quase sempre tratado com marcapasso definitivo.

TV (Taquicardia Ventricular): É provável que a TV não sustentada não necessite de tratamento se não existirem danos estruturais no coração.

A TV Sustentada necessita sempre de tratamento, de medicações intravenosas ou de emergência elétrica (desfibrilação), para restaurar o ritmo normal do coração. Na desfibrilação é dado um choque de medição para o coração restabelecer o seu ritmo normal.

O choque pode ser transmitido através da pele acima do coração em caso de emergência. As pessoas que já sobreviveram a uma fibrilação ventricular e aqueles com alto risco são potenciais candidatos a usar um desfibrilador automático implantavel.

O aparelho é semelhante a um marcapasso e tem fios ligados ao coração que se conectam a uma fonte de alimentação colocada sobre a pele. O procedimento é realizado na sala de operações.

Conheça 10 Causas de Arritmia Cardíaca (batimentos cardíacos irregulares) que você deve conhecer

Informações adicionais

American Heart Association, AHA (American Heart Association) 7272 Greenville Ave Dallas, TX 75231 Toll Free: (800) 242-8721 Fax: (214) 706-2139 http://www.americanheart.org/

National Heart, Lung, and Blood Institute, NHLBI (National Heart, Lung and Blood) 6701 Rockledge Dr. PO Box 30105 Bethesda, DM 20824-0105 Telefone: (301) 592-8573 . nih.gov /

American College of Cardiology (Colégio Americano de Cardiologia) 9111 Rd Georgetown Bethesda Velha, MD 20814 Telefone: (301) 879-5400 Free: 800) 253-4636, ramal (. 694 Fax: (301) 897-9745 http://www.acc.org/

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Esta matéria tem 9 Comentários
  1. jose roberto Reply

    estou a dois meses fazendo tratamento de arritimia com atenalol, 25mg, os sitomas continuaram, passei a tomar de 50 a um mes, ainda sinto a disfunção do ritmo, isso é normal e o batimento esta sempre na casa de 50, é normal continuarem os sintomas mesmo tomando o medicamento regularmente ?

  2. shirley leticia Reply

    meu companheiro tem o batimento muito lento 40 a 50 por minuto,hoje ele estava mal suando friu e mediu a presao ,estava boa mas o batimento estava 99 ,o q siguinifica tudo isso.para mim é tudo muito estranho ter o batimento 40 a 50 e a presao alta ele se sente bem qando a pressao fica normal ou um pouco baixa tipo 11 -07mas um batimento mais alto ele se sente mal
    a médica disse p nao preocupar ,q é preciso comtrolar a pressao,mas acho q uma pessoa com o coraçao batendo 40 por minuto ,esta qase parando isso nao é normalexpliq alguma coisa por favor!!!

  3. Kátia Izu Reply

    Ola, estou tendo umas crises de taquicardias desde maio de 2014, isso começou depois que tomei um anticoncepcional Nactali para cistos nos ovários, tenho o prolapso da válvula Mitral , fiz eletro e Holter, meus batimentos estão oscilando muito, 140, 170, 180 batimentos por minuto, deu taquicardia sinusal, o médico disse que não é nenhuma arritmia mas é algo que tenho que esta fazendo com que o coração bata desse jeito, gente 5 meses com isso, me ajudaaaa, o que pode ser?é todo dia e muitas vezes e durante as crises de taquicardia tenho tonturas, náuseas, sensação de falta de ar e muita sudorese, parece que vou morrer, pois estou dormindo e acordo devido aos batimentos estarem acelerados … fiz mais uns exames de sangue e os resultados saem só dia 9 de setembro e farei o teste da esteira, alguém me ajuda pelo amor de Deus genteee?????

  4. lucilia Reply

    eu estou sofrendo muito des do mes de abril comecei a ter taquicardia ja fui varios medicos cardiologistas e nada q me receitam melhora ja fiz exames diversos e cada dia so pioro pelo amor de DEUS me socorre o que posso fazer uma vez que me sinto super icomodada e com medo de morrer
    lucilia

  5. Durval Batista De Freitas Reply

    gostaria de saber se a arritmia sinusal tem tratamento.

  6. flavia garrett Reply

    algumas horas do dia meu pulso bate um pouco acelerado, porem sinto ele bem fraco, mal consigo sentir, acompanhado algumas x de tonturas e sensaçao de desmaio, ja fiz varios eletros mas nenhum deles deu nada, o medico falou que é ansiedade, e tenho queda de pressao regularmente, mais nao sinto muita coisa somente tontura ao levantar, o que eu posso ter? me ajuda por favor

  7. josias Reply

    as veses quando como muito e esta frio meu coracao paresce bater 2 batimentos en seguida e acelera un pouco principalmente se eu estiver deitado, quando mudo de posisao melhora ,nao sinto nenhum outro sintoma, meus exames estao normal queria saber oq e isso? vlwwww

  8. fabiana Reply

    Eu sentia taquicardia desde os 10 anos e só descobri ano passado com 35 anos que tinha taquicardia por reentrada nodal. Graças a Deus fui no dr MARCELO MAIA no Hospital São José do Avaí em Itaperuna RJ (22)38249224 e fiz a ablação com ele. Hoje estou ótima não sinto mais nada. Espero ajudar alguém com esse depoimento.

  9. angelina Reply

    Desde o dis 7 de marco de 2011,q tive a minha primeira taquicardia,nao deixei de tomar sotalol,o medico diz q eu tenho taquicardia sinusal,por causa da ansiedade,e nao posso parar de tomar esse remedio.Desde q tive,eu fiquei depressiva,com medo de morrer.até hoje tenho medo.E eu queria saber se se cura isso de alguma forma?O meu médico nao é muito de conversa,ele nao esclarece direito as coisas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 2:51 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)