Aspartame: Conheça 11 Riscos de Saúde Associados a Este Aditivo Alimentar Tão Comum

Poucos aditivos alimentares foram estudados com tal escrutínio – ou com mais controvérsia – do que o aspartame.

Os defensores das bebidas dietéticas afirmam que nenhum efeito adverso foi comprovado e que os produtos à base de aspartame contribuem para a perda de peso.

Do outro lado da moeda, uma grande comunidade de profissionais de saúde anti-aspartame e consumidores conscientes acerca destas questões de saúde estão convencidos de que a U.S. Food and Drug Administration fechou os olhos a um dos aditivos alimentares mais perigosos que já foram descobertos.

Aspartame, Conheça Os Potenciais Riscos Para A Saúde Através Do Consumo Do Aspartame, Bem Como Os Seus Efeitos Colaterais

Não querendo terminar por aqui, certamente você irá verificar que eu me incluo a 100% neste segundo grupo de pessoas.

O aspartame é um dos piores adoçantes artificiais que você pode ingerir e tem sido associado a dezenas de potenciais riscos para a saúde.

A indústria dos adoçantes recebeu um golpe quando um estudo que relaciona o aspartame a um risco aumentado de sofrer de doença cardíaca e com o aumento do índice de massa corporal foi lançado, em julho de 2017.

Longe dos pequenos estudos que às vezes são desconsiderados, esta revisão incluiu um total de quase 407.000 indivíduos, com um acompanhamento médio de 10 anos. (1)

Os investigadores descobriram não só que não existem benefícios de consumir alimentos “diet” e bebidas que contenham estes adoçantes artificiais (conhecidos como “adoçantes não nutritivos”, uma vez que não fornecem calorias), mas também que eles se associam a “aumentos do peso e da circunferência abdominal, e a maior incidência de obesidade, hipertensão, síndrome metabólica, diabetes tipo 2 e eventos cardiovasculares”.

Como é óbvio, alguns estudos de coorte de menores dimensões descobriram a perda de peso como um benefício – mas, como é a norma para as investigações relativas ao aspartame, esses estudos foram patrocinados por indústrias que beneficiam dos resultados positivos.

Os produtos adoçados com aspartame ajudam a perder peso? Não.

O aspartame é seguro? Não.

O aspartame causa efeitos colaterais negativos, por vezes até perigosos? Sim, absolutamente.

Assim sendo, vamos explorar um pouco mais acerca deste aditivo alimentar perigoso, sobre como ele surgiu e por que razão você deve permanecer longe dele.

O que é o aspartame?

Para perceber por que razão o aspartame provoca efeitos colaterais, é importante explicar primeiro o que ele é e como ele é metabolizado quando você o bebe ou come.

Do que é feito o aspartame?

O aspartame é um adoçante artificial, também conhecido como Acesulfame potássio (K), AminoSweet®, Neotame®, Equal®, NutraSweet®, Blue Zero Calorie Sweetener Packets ™, Advantame®, NutraSweet New Pink, Canderel®, Pal Sweet Diet® e AminoSweet®.

É utilizado numa grande variedade de produtos alimentares e de bem-estar, tais como os refrigerantes diet, as chicletes, os doces e as vitaminas.

Quase imediatamente após o aspartame ser consumido, ele divide-se em três compostos químicos: fenilalanina, ácido aspártico e metanol. (2)

Os dois primeiros componentes são aminoácidos.

O metanol é conhecido como “álcool da madeira” e é reconhecidamente tóxico, se for consumido em grandes doses, mas a quantidade de metanol presente numa lata de refrigerante diet é aproximadamente a mesma que ocorre naturalmente em, digamos, um copo de sumo de uva.

Parece seguro, certo? Afinal, nós não precisamos de aminoácidos para sobreviver? E o metanol não pode ser assim tão mau se também está presente no sumo de uva, pois não?

Infelizmente, estes argumentos amplamente utilizados pelas empresas que lucram com a venda de aspartame não são suficientemente fortes.

A fenilalanina é um aminoácido que pode ser tóxico em doses elevadas, mas que geralmente é reconhecido como seguro, quando presente em produtos alimentares integrais.

No entanto, quando se liga quimicamente a outros compostos, como o aspartame, a fenilalanina é quase que imediatamente absorvida para a corrente sanguínea, em vez de ser absorvida lentamente através da digestão.

Uma vez que este aminoácido é capaz de atravessar a barreira hematoencefálica e funciona como uma excitotoxina, quando absorvido de forma muito rápida, pode potencialmente entrar em conflito com diversos processos neuronais.

Um único refrigerante diet eleva o nível de fenilalanina no cérebro, fazendo com que os níveis de serotonina diminuam. (3)

Em pelo menos um estudo, as concentrações de fenilalanina foram maiores em pessoas com HIV, sépsis, cancro e traumatizadas. (4)

O ácido aspártico é um aminoácido não essencial (o seu corpo é capaz de o produzir, sem ter que ingeri-lo).

Normalmente, o ácido aspártico (ou aspartato) é importante na função dos sistemas nervoso e neuroendócrino. (5)

O metanol é um álcool de madeira que não era habitualmente ingerido, até ao século 20.

Não tem qualquer benefício para a saúde, mas é particularmente perigoso quando consumido na forma de aspartame.

De que forma o corpo processa o aspartame?

Como já tive oportunidade de mostrar, existe alguma preocupação em relação à forma como o corpo metaboliza os dois aminoácidos do aspartame.

Devido à forma como os refrigerantes diet e outros produtos com aspartame são criados, os aminoácidos que eles contêm não passam pelo processo normal de degradação e libertação enzimática, sendo imediatamente absorvidos para a corrente sanguínea.

No entanto, a preocupação mais urgente relaciona-se com o teor em metanol do aspartame.

Agora, é verdade que o metanol está presente em outros produtos alimentares, mas nesses casos, está ligado à pectina, uma fibra frequentemente encontrada em frutas.

Geralmente, estes compostos de pectina/metanol são excretados com segurança através do processo digestivo normal.

No aspartame, o metanol está ligado (fracamente, neste caso) à molécula de fenilalanina.

Um ou dois processos facilmente quebram esta ligação e criam o que é conhecido como “metanol livre”.

Nos casos em que o produto de aspartame foi mantido num ambiente quente, com temperaturas acima de 85 graus Fahrenheit (como num armazém ou num caminhão quente), as ligações decompõem-se antes sequer de entrar no corpo.

O metanol livre converte-se então em formaldeído, mais comummente conhecido como fluído de embalsamamento.

Tanto o metanol como o formaldeído são agentes cancerígenos por si mesmos.

O formaldeído tem a inconveniente capacidade de atravessar a barreira hematoencefálica, uma das razões pelas quais é tão prejudicial para o corpo.

Eventualmente, o formaldeído também pode transformar-se em dicetopiperazina, outro carcinogéneo conhecido.

Todos os animais além do ser humano convertem o formaldeído em ácido fórmico, uma substância inofensiva.

Mas os humanos não têm a enzima necessária para fazer essa conversão, o que pode ser uma das razões para o facto dos estudos em animais nem sempre representarem a extensão com que o metanol afeta o corpo.

Este processo que ocorre nos seres humanos chama-se síndrome do álcool metílico. (6)

E agora?

Como provavelmente já sabe, o aspartame continua a ter a aprovação da FDA para ser utilizado em refrigerantes diet e em mais de 6.000 outros produtos, após décadas de investigação e de reações adversas.

A FDA até encoraja as mulheres grávidas a beberem-no!

Uma estimativa feita em 1996 sobre pacientes com sintomas provocados pelo consumo de aspartame calculou aproximadamente 1,9 milhões de reações tóxicas reconhecidas, entre 1982 e 1995.

Este número é prejudicado pelo fato de muitos médicos não reconhecerem a toxicidade do aspartame como uma causa legítima de problemas de saúde, uma vez que este produto é supostamente seguro para todas as pessoas. (7)

Desde 1995, a lista de sintomas relatados que foram submetidos à FDA inclui cefaleias (dores de cabeça), tonturas, problemas de humor, vómitos, dor abdominal e diarreia, convulsões, perda de memória, problemas respiratórios e vários outros. (8)

Atualmente, o aspartame (atual propriedade da Ajinomoto) está a ser comercializado sob novos nomes, com o objetivo de induzir os consumidores em erro. (9)

Esta alteração aconteceu logo após o envenenamento por aspartame ter sido implicado no desenvolvimento da síndrome da Guerra do Golfo, uma série de sintomas físicos e neurológicos detetados nos veteranos dos EUA e do Reino Unido que participaram na Guerra do Golfo.

Estas tropas receberam grandes quantidades de refrigerantes diet que estiveram por diversas vezes em condições de altas temperaturas, sugerindo que eles já se haviam decomposto no metanol livre e no formaldeído, antes de serem consumidos.

O que Procura?
Conheça 10 alimentos que nos ajudam a perder peso

Ainda assim, somos informados por agências destinadas a proteger-nos que o aspartame é seguro para pessoas de todas as idades.

A única exceção são aqueles que sofrem de uma doença rara chamada fenilcetonúria, um defeito congénito que perturba a capacidade do corpo processar fenilalanina.

Produtos que contêm aspartame

O aspartame pode ser encontrado em mais de 6.000 produtos diferentes, tornando praticamente impossível listá-los todos aqui.

No entanto, espero que a compreensão do impacto que a alimentação tem na sua saúde o tenha tornado um ávido leitor de rótulos.

Se você considerar comprar algum dos seguintes tipos de itens, verifique o rótulo – é provável que você encontre o aspartame listado.

Os seguintes alimentos, bebidas e medicamentos contêm habitualmente aspartame: (10, 11)

  • Refrigerantes diet
  • Rebuçados de mentol sem açúcar
  • Cereais sem açúcar (ou “sem adição de açúcar”)
  • Condimentos sem açúcar (ou “sem adição de açúcar”)
  • Xaropes de café aromatizados
  • Água aromatizada
  • Gelados sem açúcar e/ou coberturas
  • Produtos “iced tea diet”
  • Sumos de fruta com baixo teor em açúcar ou sem açúcar
  • Batidos substitutos de refeição/aperitivos
  • Barras “nutritivas”
  • Bebidas desportivas (especialmente as variedades “sem açúcar”)
  • Rebuçados de mascar
  • Iogurtes (sem açúcar, sem gordura e algumas marcas de beber)
  • Bebidas com sumos de vegetais
  • Laxantes de fibras naturais
  • Suplementos em pó de fibra oral
  • Suplementos de controlo do apetite

11 Perigos do Aspartame

Em 2002, o ativista anti-aspartame, Mark Gold, analisou os resultados de toxicidade do aspartame e reportou-os à FDA para consideração.

As queixas individuais contemplaram cerca de 49 sintomas, incluindo dores de cabeça (relatadas por 45% das pessoas), depressão grave (25%), grande mal epilético (15%) e confusão/perda de memória (29%).

Gold também referiu dezenas de estudos que refletiram os impactos negativos do aspartame, incluindo as muitas advertências feitas em material de pilotagem para desencorajar os pilotos a consumi-lo, devido às convulsões e vertigens que a substância pode induzir. (12)

Parece que os perigos estudados ocorrem de forma muito diferenciada nos participantes, dependendo de quem conclui o estudo.

Por exemplo, uma revisão afirma que “não existem questões por responder sobre a segurança [do aspartame].” (13)

Como é óbvio, este relatório em concreto foi lançado pela NutraSweet.

Vamos apenas não dar importância à palavra deles sobre este assunto.

Repare, 100% das investigações financiadas pela indústria encontraram o mesmo resultado: o aspartame é totalmente seguro.

No entanto, 92% dos estudos financiados por entidades independentes descobriram efeitos adversos. (14)

O Instituto Ramazzini, um antigo centro de investigação do cancro, estudou o aspartame de forma extensiva e declarou outra vez em 2014, no American Journal of Industrial Medicine:

“Com base na evidência dos potenciais efeitos cancerígenos do [aspartame] aqui relatado, uma reavaliação da posição atual das agências reguladoras internacionais deve ser considerada uma questão de saúde pública urgente.” (15)

Então, quais são os perigos mais sérios do aspartame?

1 – Aumenta potencialmente o risco de cancer

Durante décadas, vários estudos demonstraram as potencialidades carcinogénicas do aspartame.

O Instituto Ramazzini continua a suportar os resultados dos seus múltiplos estudos que associaram o aspartame a um aumento de 300% na incidência de linfoma/leucemia, mesmo após terem sido rejeitados pela Autoridade Europeia de Segurança Alimentar. (16)

Um estudo do Instituto Ramazzini mostra uma correlação entre aspartame e vários tipos de câncer, de tal forma que a organização se refere a ele como um “agente carcinogénico multipotencial”, mesmo em doses bem abaixo dos valores legais “aceitáveis”. (17)

Uma das razões pelas quais este estudo de 20 anos é tão significativo é porque os ratos envolvidos na investigação foram autorizados a morrer naturalmente, em vez de serem sacrificados precocemente no decorrer da experiência.

Esta solicitação foi feita para investigar os últimos dois terços do período de vida do animal, muitas vezes desconsiderados, uma vez que o cancro ocorre com mais frequência durante esta parte da vida dos seres humanos.

Em geral, os estudos descobriram uma ligação entre o aspartame e os seguintes cancros: (18, 19, 20)

A descoberta de cancros do sistema nervoso central parece estar associada aos comportamentos dos dois aminoácidos encontrados no aspartame, uma vez que eles são consumidos em grandes quantidades e não são metabolizados da mesma maneira que quando são ingeridos na composição de outros alimentos e também porque são capazes de atravessar a barreira hematoencefálica.

Isto permite que a sua excitotoxicidade produza todos os seus efeitos.

A incidência de cancro parece aumentar quando os animais são expostos ao aspartame no interior do útero, reforçando a importância das mães grávidas nunca consumirem aspartame. (21)

O formaldeído (um metabolito do metanol livre) está associado ao desenvolvimento de linfoma, leucemia e aos cancros da mama, estômago e intestino.

2- Pode induzir ou agravar a diabetes

Embora os médicos geralmente recomendem aos indivíduos diabéticos a substituição de bebidas açucaradas por versões dietéticas, o aspartame parece ter o efeito oposto do que seria esperado.

O consumo de refrigerantes diet está associado a um maior risco de diabetes tipo II, bem como de síndrome metabólica, um conjunto de sintomas indicativos de doença cardíaca (dos quais irei falar dentro de momentos).

Na verdade, neste estudo realizado em mais de 6.800 indivíduos de várias etnias e com idades compreendidas entre os 45 e os 84 anos, o risco de diabetes foi 67% mais elevado para as pessoas que consumiram refrigerantes diet diariamente, em comparação com as que não o fizeram. (22)

Parece, em muitos casos, que a ingestão de aspartame também pode agravar os sintomas da diabetes, tais como a retinopatia diabética e a neuropatia diabética.

O aspartame entra em conflito com a tolerância à insulina/glicose, um marcador de pré-diabetes, especialmente naqueles que já são obesos. (23)

Uma sugestão para a ocorrência disto é a forma como o aspartame altera a microbiota intestinal (bactérias saudáveis) – estas mudanças podem induzir intolerância à glicose em pessoas previamente saudáveis. (24)

Um estudo com animais, publicado em dezembro de 2016, sugere a existência de uma ligação entre uma interação do ácido aspártico encontrado no aspartame com o controlo da glicose.

Mais uma vez, este efeito é exacerbado pela forma como este aminoácido atravessa a barreira hematoencefálica.

Os investigadores também descobriram défices comportamentais nos animais sujeitos ao estudo. (25)

3 – Pode aumentar o risco de doença cardíaca e de AVC

Tal como acabei de mencionar, a ingestão de aspartame está associada à síndrome metabólica.

Este conjunto de situações clínicas inclui a hipertensão arterial, a hiperglicémia (níveis elevados de açúcar no sangue), excesso de gordura abdominal e níveis elevados de colesterol/triglicerídeos.

Esta síndrome marca um aumento drástico do risco de doença cardíaca, acidente vascular cerebral e diabetes.

Uma investigação realizada na Universidade de Purdue, em 2013, descobriu que o consumo frequente de adoçantes artificiais, incluindo o aspartame, a sucralose (Splenda®) e sacarina, foi associado ao aumento de peso, à síndrome metabólica, à diabetes e à doença cardíaca por causa dos “distúrbios metabólicos” que parece causar. (26)

O Northern Manhattan Study, focado no AVC e nos fatores de risco pertinentes, descobriu um aumento significativo do risco de eventos cardíacos em pessoas que bebem refrigerantes diet todos os dias, mesmo controlando o estudo nos indivíduos com várias doenças relacionadas.

A mesma ligação não foi encontrada nos indivíduos que bebem refrigerantes normais. (27)

Á semelhança do risco carcinogénico associado ao consumo de aspartame, o risco de doença cardíaca também parece aumentar quando os indivíduos são expostos à substância no interior do útero materno.

As pessoas expostas ao aspartame no período pré-natal comem mais alimentos doces na idade adulta, são obesas e, têm com mais frequência altos níveis de açúcar no sangue, colesterol LDL elevado e triglicerídeos elevados. (28, 29)

4 – Pode causar doenças o sistema nervoso e do cérebro

Visto que muitas das principais queixas sobre o aspartame são de natureza neurológica, foi dada particular atenção à forma como ele afeta o cérebro e o sistema neurológico.

O neurocirurgião Russell L. Blaylock, MD, lançou um livro em 1998 chamado “Excitotoxinas: O Sabor Que Mata”, detalhando a sua investigação sobre o aspartame e a sua relação com os tumores cerebrais, os danos celulares e situações clínicas como as doenças de Alzheimer e de Parkinson.

Ele atribuiu esses efeitos à forma como os compostos presentes aspartame sobreestimulam os neurónios. (30)

Uma investigação do Departamento de Enfermagem da Universidade de Dakota do Norte descobriu um aumento da irritação, um comportamento mais depressivo e um declínio da orientação espacial em pessoas que possuem uma “dieta com alto teor em aspartame”.

Estes níveis de aspartame “elevados” eram, na verdade, cerca de metade dos valores máximos de ingestão diária aceitável (IDA), de acordo com a FDA. (31)

O que Procura?
Simbióticos: Para Que Servem + 5 Benefícios Poderosos para a Saúde Intestinal (e não só)

Isto correlaciona-se com um estudo em 2014, conduzido em animais, que descobriu uma relação do consumo crónico de aspartame com uma distorção da função neuronal e com um aumento da morte de células cerebrais, em certas regiões do cérebro.

Este estudo foi conduzido usando o valor de IDA aprovado pela FDA. (32)

Para aqueles que também consomem GMS (glutamato monossódico, outro aditivo alimentar controverso), esses problemas cognitivos podem ser ainda mais pronunciados.

A exposição ao GMS e ao aspartame diminui drasticamente os níveis de dopamina e de serotonina no cérebro e causa stresse oxidativo que pode danificar as células cerebrais. (33)

Esta não foi a única vez que se descobriu que o aspartame induz o stresse oxidativo e que interrompe a capacidade do corpo combatê-lo com antioxidantes.

Este impacto é mais significativo nos casos de consumo prolongado de aspartame e está associado à perda de memória e a outras consequências, em estudos realizados com animais. (34, 35, 36)

Um dos primeiros estudos sobre a ação do aspartame no cérebro foi conduzido por John Olney, fundador do campo da neurociência conhecido por excitotoxicidade, em 1970.

Ele foi um oponente de longa data à legalização do aspartame, devido à sua extensa investigação sobre o assunto.

A sua publicação de 1970 descobriu que os ratos crianças expostos ao aspartame desenvolveram danos cerebrais, mesmo quando foram administrados com doses relativamente baixas. (37)

Se isto também se aplicar aos seres humanos, poderá ajudar a explicar a razão pela qual o aspartame está relacionado com um risco aumentado de AVC e de demência (de acordo com o Framingham Heart Study). (38)

Também houve pelo menos um achado, publicado na Neurology, que demonstrou que a ingestão de aspartame exacerba o número de ondas de ponta obtidas no EEG de crianças que sofreram crises epiléticas de ausência. (39)

5 – Pode agravar ou despoletar perturbações do humor

Estreitamente relacionado com o seu impacto no declínio neurológico, o aspartame também poderá estar intimamente relacionado com o desenvolvimento de certas perturbações mentais, especialmente a depressão.

A ingestão de aspartame pode conduzir a um potencial declínio da aprendizagem e da função emocional. (40)

O consumo de bebidas dietéticas foi associado à depressão, mais do que uma vez, inclusivamente num estudo com quase 264 mil participantes, conduzido ao longo de 10 anos.

Os investigadores descobriram que os indivíduos que bebem mais de quatro latas ou copos de refrigerante diet todos os dia eram 30-38% mais propensos de desenvolver depressão, enquanto os consumidores de café eram 10% menos propensos a serem diagnosticados com depressão. (41)

Um estudo famoso foi realizado em 1993 para descobrir uma correlação entre os distúrbios de humor e o aspartame, em indivíduos com ou sem diagnóstico de depressão.

Antes que ele pudesse ser concluído, o Conselho de Revisão Institucional teve que interromper o estudo porque os participantes que tinham história de depressão experimentaram reações negativas tão graves que levaram o departamento a desencorajar qualquer pessoa com história de problemas de humor a ingerir aspartame, por causa da alta sensibilidade sugerida pelo estudo a esta substância. (42)

6 – Contribui possivelmente para o desenvolvimento de fibromialgia

Mais de 6 milhões de pessoas nos EUA sofrem da doença de dor crónica conhecida como fibromialgia.

As causas e a cura permanecem desconhecidas, mas um pequeno estudo examinou pacientes com fibromialgia que estavam a lutar há anos para encontrar tratamentos eficazes.

O estudo descobriu que a eliminação do aspartame e do GMS (duas das excitotoxinas alimentares mais comuns) resultou numa resolução total ou quase total de todos os sintomas, em apenas alguns meses.

Os sintomas regressaram após a ingestão de qualquer uma das substâncias. (43)

Este estudo também foi apresentado, em 2003, por Mark Gold, do Centro de Informação sobre a Toxicidade do Aspartame, ao FDA, não tendo obtido uma resposta positiva. (44)

7 – Associa-se ao aumento de peso

Eu introduzi esta peça ao partilhar uma revisão de estudos acerca do aspartame que descobriram que este adoçante não nutritivo estava realmente relacionado com o aumento de peso, em vez da perda de peso que prometia.

(Afinal de contas, as bebidas que contêm aspartame carregam literalmente a etiqueta “dieta”).

Também tive a oportunidade de explicar a forma como beber e comer produtos com aspartame está associada à síndrome metabólica, cujo excesso de gordura abdominal é uma das suas características. (45)

Então, julgo que já comprovamos que o aspartame não ajuda a perder peso. Agora, a questão é: por quê?

Existem algumas razões aparentes para o aspartame não levar à perda de peso.

Por um lado, consumir adoçantes não nutritivos (substâncias doces que não possuem calorias) não faz nada ao vício por doces, ao qual eles se destinam.

Em vez disso, eles estimulam o seu cérebro a desejar mais alimentos doces.

Uma vez que comer açúcar tem o mesmo efeito, o açúcar real tem o benefício de fornecer um feedback calórico, a “recompensa alimentar” que o seu corpo entende significar que deve parar de comer.

O aspartame, no entanto, faz o contrário – encoraja os desejos por comida e a dependência por doces, tudo isto sem o feedback calórico que você necessita para controlar a sua ingestão.

Isso, por sua vez, resulta num maior consumo de alimentos e de bebidas não-nutritivos. (46)

Uma experiência de 2014 postulou realmente que consumir bebidas dietéticas influencia os processos psicológicos que podem fazer com que uma pessoa aumente a ingestão calórica geral. (47)

Além dessa interrupção do biofeedback normal, um estudo publicado no final de 2016 descobriu que a fenilalanina presente no aspartame é um inibidor de uma enzima digestiva chamada “fosfatase alcalina intestinal” que protege contra o desenvolvimento da síndrome metabólica. (48)

Desta forma, não só as bebidas dietéticas conduzem a um maior consumo de calorias em geral, como um de seus componentes pode realmente parar as respostas normais do seu corpo que se destinam a protegê-lo contra a obesidade e contra outros fatores de risco de doença.

8 – Pode causar menstruação precoce

Numa perspetiva mais recente da investigação sobre o aspartame, três universidades americanas estudaram jovens do sexo feminino, durante 10 anos, para monitorizar o crescimento e as mudanças hormonais, bem como o estilo de vida e a dieta.

Eles descobriram que beber refrigerantes com cafeína, particularmente bebidas dietéticas, estava associado ao desenvolvimento precoce dos ciclos menstruais. (49)

Porque é que isto é importante?

Porque os riscos a longo prazo da puberdade precoce incluem o câncer de mama, a infecção por HPV, as doenças cardíacas, a diabetes e a mortalidade geral. (50)

9 – Associa-se ao desenvolvimento do autismo

Pelo que falamos até agora, espero que esteja convencido de que o aspartame é perigoso, especialmente para as mães grávidas.

Mais uma razão para evitar este adoçante é a sua associação com o desenvolvimento do autismo, em crianças.

Na revista Medical Hypotheses, os investigadores discutiram um estudo no qual as mulheres que tinham sido expostas ao metanol dietético (encontrado no aspartame) se mostraram significativamente mais propensas a dar à luz crianças que desenvolveram autismo. (51)

10 – Aumenta o risco de doença renal

Em pessoas com função renal inicialmente saudável, beber refrigerantes diet carregados de aspartame pode estar associado a uma queda 30% mais significativa da função renal do que a verificada em indivíduos que não bebem refrigerantes diet.

Esta investigação foi realizada ao longo de 20 anos e incluiu mais de 3.000 mulheres. (52)

11 – Pode causar a “doença do aspartame”

Este termo, embora não seja uma condição médica oficialmente reconhecida, foi cunhado por um médico chamado H. J. Roberts.

Ele lançou um extenso conjunto de estudos no seu livro “Doença do Aspartame”, publicado em 2001, e defendeu sua proibição pelos órgãos governamentais até à sua morte, em 2013.

Ele considerou que esta “doença” é uma epidemia da civilização ocidental que é ignorada e sancionada, na realidade, pela FDA e por outros órgãos governamentais.

O livro afirma que os sintomas da “Doença do Aspartame” são os seguintes (não é uma lista exaustiva):

Roberts e outros, incluindo Betty Martini da Mission Possible: World Health International (outra organização anti-aspartame), incentivam os pacientes com esses sintomas a considerar que podem estar a sofrer da “Doença do Aspartame” e a abster-se do consumo desta substância por um certo período de tempo, antes de tentarem qualquer outro método de tratamento. (53)

Como é que isto entrou na nossa comida, afinal de contas?

A linha cronológica da aprovação do aspartame pela FDA

Em dezembro de 1965, o químico Jim Schlatter da G. D. Searle tropeçou no aspartame, enquanto trabalhava na formulação de novos tratamentos para as úlceras gástricas.

O que Procura?
As 21 Melhores Dicas de Emagrecimento para Mulheres

O aspartame, desenvolvido por G. D. Searle, viu a sua aprovação recusada, em 1973, devido a evidências inadequadas acerca da sua segurança.

Nos 12 meses seguintes, a FDA decidiu aprová-lo para a utilização em alimentos secos, uma decisão revertida nos meses subsequentes.

Esta decisão foi imediatamente contraposta pelo advogado Jim Turner (um defensor dos consumidores que já estava a trabalhar na remoção dos adoçantes artificiais perigosos do mercado) e pelo Dr. John Olney, um cientista que descobriu, em 1971, que o aspartame causava danos cerebrais em ratos de pequena idade.

A petição de Turner e de Olney deu à FDA razões para investigar a G. D. Searle, que havia submetido 113 estudos sobre o aspartame como parte do processo de aprovação.

O então comissário da FDA, Dr. Alexander Schmidt, designou um grupo de trabalho da FDA para realizar estudos sobre o aspartame.

Schmidt, após verificar que as descobertas feitas pelo grupo de trabalho apresentavam muitas manipulações, atalhos e fraudes, declarou no Congressional Record 1985a (página S5497) que “[os estudos realizados por Searle eram] ciência incrivelmente negligente.

O que descobrimos foi reprovável”.

Em 1977, a FDA fez um pedido formal para o escritório da Procuradoria dos EUA para investigar a G. D. Searle em acusações criminais, a primeira vez na história em que fez tal pedido.

O grande júri iniciou as deliberações e o escritório de advogados que representava a acusada começou a negociar termos de trabalho com Samuel Skinner, o procurador dos EUA responsável por este caso particular.

Entrada de Donald Rumsfeld. Em março desse ano, a Searle contratou Rumsfeld para o cargo de CEO (que trouxe alguns colegas de Washington consigo).

Em julho, Skinner sai da Procuradoria dos EUA e começa a trabalhar para o escritório de advogados que representa a Searle.

No mês seguinte, os investigadores da FDA lançam o Relatório Bressler que descobriu que mais de metade dos animais que integraram um dos estudos de Searle morrera a meio da investigação, só tendo sido submetidos a autópsia muito mais tarde, além de várias outras discrepâncias que constavam na investigação da Searle.

Em dezembro, o estatuto de limitação acabou com a investigação do grande júri devido ao interregno provocado pela demissão de Skinner.

Um ano e meio depois, um Conselho Público de Inquérito (PBOI) foi nomeado pela FDA para investigar a segurança e o risco potencial da NutraSweet.

Este conselho incluiu três médicos e votou, em 1980, pela rejeição do aspartame em produtos adicionais.

Os membros do conselho ficaram ainda preocupados com os riscos de tumores cerebrais.

Em janeiro de 1981, a Searle acolheu uma reunião de vendas, na qual Rumsfeld afirmou que esse seria o ano para solicitar a aprovação.

Fontes dizem que ele declarou que iria usar ligações políticas, em vez da ciência, para garantir que tal cenário acontecesse antes do final de ’81.

Ronald Reagan foi empossado como presidente, no prazo de um mês, e incluiu Rumsfeld na sua equipa de transição. Supostamente, Rumsfeld foi quem indicou o novo comissário da FDA, Dr. Arthur Hull Hayes Jr.

Depois de nomear um painel constituído por cinco pessoas para rever as preocupações do PBOI, Hayes decidiu incluir um sexto cientista, depois de perceber que o painel estava preparado para votar contra a aprovação do aspartame.

A decisão acabou num empate 3-3, desfeito com o voto “sim” de Hayes, em julho de 1981, para aprovar novamente a utilização da substância em alimentos secos.

Em outubro de 1982, a Searle solicitou a aprovação do aspartame em bebidas carbonatadas (e líquidos adicionais).

A National Soft Drink Association solicitou, na verdade, que a petição fosse negada devido à quebra dos compostos armazenados, acima dos 85 graus Fahrenheit.

Por volta da mesma altura, Hayes renunciou à FDA, depois de problemas com a sua aceitação de brindes corporativos.

No meio do caos, o aspartame foi oficialmente aprovado para utilização em bebidas, que foram lançadas a partir do outono de 1983. (54) Preocupações de segurança adicionais foram levantadas em 1984, 1985 e 1986, mas a FDA negou que tivessem existido problemas, em todas as ocasiões.

A NutraSweet conseguiu que o aspartame obtivesse aprovação para utilização em massa, em 1992.

A Monsanto adquiriu a G. D. Searle, em 1985, e Rumsfeld ganhou um bónus de 12 milhões de dólares.

1995 marca o ano em que Thomas Wilcox, chefe do setor de epidemiologia da FDA, afirmou que a FDA não aceitaria mais relatórios de reações adversas ou supervisionaria o período de investigação do aspartame. (55, 56)

Investigação contínua

Como já mencionei, os estudos financiados pela indústria, até agora, descobriram resultados positivos sobre o aspartame em 100% do tempo (não obstante que sejam fraude científica), enquanto 92% das investigações com financiamento independente detetaram perigos potenciais do aspartame. (57)

Um painel constituído por 13 médicos solicitou à FDA, mais uma vez, que reexaminasse as questões de segurança em torno do aspartame, especificamente o risco de tumores e de vários tipos de cancro (citando o estudo Ramazzani que foi publicado em 2005, conforme mencionado anteriormente). O pedido foi negado. (58)

O aspartame recebeu novamente um pouco de atenção dos mídia, quando os emails de Podesta foram divulgados pelo WikiLeaks, nos quais Wendy Abrams, um ativista ambiental, encaminhou informações para John Podesta sobre o processo ardiloso pelo qual a NutraSweet foi aprovada.

Melhores adoçantes que podem ser utilizados com alternativa

Todos os adoçantes são maus? Não, nem todos eles são.

Existem alguns que me agradam, embora um dos meus favoritos seja a stevia.

A regra para os adoçantes é utilizá-los sempre com moderação.

Embora estes três até possam proporcionar alguns benefícios para a saúde, o melhor é limitar a ingestão de doces em geral e preferir os alimentos integrais como os vegetais, as frutas e a carne biológica.

Stevia

Planta Da Stevia

A planta de stevia tem sido utilizada há aproximadamente um milénio e meio em algumas partes da América do Sul e é cerca de 200 vezes mais doce que o açúcar, grama por grama.

A stevia apresenta vários benefícios, incluindo algumas evidências laboratoriais de que acaba com a doença de Lyme.

Ao utilizar a stevia, certifique-se de evitar a perigosa Truvia (que na verdade contém muito pouca stevia) e adira à stevia branca pura.

Mel puro

Mel De Manuka

O mel puro e orgânico é conhecido por ajudar a combater os efeitos de certas alergias, além de ajudar a controlar o peso, a promover o sono e a combater o estresse oxidativo.

Monk Fruit (fruta do monge)

Monk Fruit (fruta Do Monge)

Este adoçante à base de frutas proveniente da planta “Siraitia grosvenoori”, não tem calorias mas é 300 a 400 vezes mais doce do que o açúcar.

Existem evidências de que pode ajudar a reduzir o risco de diabetes e câncer, além de combater a infecção.

Pensamentos finais acerca do aspartame

O aspartame é um adoçante não nutritivo que tem sido utilizado há algumas décadas e que é encontrado com freqência em refrigerantes diet, como a Coca-Cola Zero ou a Pepsi Light, além de outros produtos alimentares sem açúcar ou “sem açúcares adicionados”

O aspartame é quebrado em dois aminoácidos, a fenilalanina e o ácido aspártico, bem como em metanol (que se converte em formaldeído e em dicetopiperazina). Os últimos três compostos desta lista são conhecidos agentes cancerígenos.

O metanol e o formaldeído são especialmente perigosos para os seres humanos, devido à forma como são metabolizados no organismo, a que acresce o fato de não possuirmos a enzima necessária para converter o formaldeído numa substância menos perigosa, como a maioria dos animais.

Já foram realizados muitos estudos acerca dos perigos do aspartame que permitiram descobrir a sua ligação a uma grande quantidade de problemas de saúde que vão desde as dores de cabeça ao cancro e à diabetes.

A “controvérsia do aspartame” não é tanto uma controvérsia mas sim a recusa em enfrentar a verdade acerca do que é o aspartame e do modo como ele afeta o corpo.

Beber ou comer produtos que contenham aspartame é especialmente perigoso para mães e crianças pequenas, devido à forma como ele afeta os comportamentos e as condições de saúde, numa fase mais avançada da vida.

Não existe absolutamente nenhum benefício associado ao consumo de aspartame. Na verdade, os benefícios de perda de peso pelos quais é promovido são totalmente falsos.

O aspartame (e outros adoçantes não nutritivos como o eritritol) está associado ao aumento do peso e a um IMC mais elevado.

Se está a sofrer de alguma situação clínica que possa estar potencialmente associada ao aspartame, provavelmente será boa ideia abster-se totalmente do seu consumo e ver se algum dos sintomas alivia por si mesmo. Naturalmente, isto deve ser feito sob a supervisão de um médico.

Em vez de beber refrigerantes diet, refrigerantes normais ou sumos de frutas açucarados, satisfaça o seu desejo por uma bebida saborosa, bebendo um Kombucha ou um chá saudável.



06. setembro 2017 by Rui

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *