Bursite

A bursite, também chamada de inflamação da bursa, é caracterizada por um processo inflamatório que atinge a bolsa sinovial (bursa), que por sua vez retém uma grande quantidade de líquido e está situada no espaço existente entre o osso e o tendão, ou ainda entre a epiderme e o tendão.

O papel desempenhado pela bolsa sinovial é o de amortecer e proporcionar flexibilidade ao deslocamento dos tecidos, além de nutri-los.

bursite do cotovelo

Mais comum na região dos ombros, quadris, anca, ou cotovelos, a bursite pode atingir diferentes níveis, Podendo ser classificada como aguda ou crônica.

Além disso, cabe frisar que o problema também pode ocorrer em outras partes do corpo, como o hálux (dedão do pé), calcanhares, joelhos, e demais articulações.

De uma forma geral, a bursite afeta áreas próximas de articulações muito exigidas e que por isso acabam repetindo determinados deslocamentos dos membros.

Causas da bursite

O fator mais preocupante e que pode acarretar a bursite são os movimentos repetitivos gerados em articulações específicas.

Some-se a isso a má postura, que pode comprometer a saúde das bursas.

Ambos os fatores são decorrentes de variadas circunstâncias, que podem ser exemplificadas pelo ato de suspender objetos sobre a cabeça de forma repetitiva, manter-se ajoelhado durante longos intervalos, utilizar os cotovelos como apoio por muito tempo, lançar bolas, além de permanecer sentado por longos períodos, essencialmente se o local for desconfortável, como em assentos rígidos e nada ergonômicos.

A maioria dos indivíduos está sujeita a uma ou mais situações como as descritas acima, razão pela qual a prevenção deve ser redobrada para evitar o desenvolvimento da bursite.

Ademais, convém enfatizar que as bursas presentes no cotovelo e no joelho ficam posicionadas imediatamente abaixo do tecido cutâneo.

Essas são as regiões do corpo mais sujeitas à ocorrência de lesões que podem provocar a bursite.

Além da já mencionada utilização exorbitante das articulações, a inflamação das bursas pode igualmente ser consequência de traumatismo ortopédico, infecções, gota (uma variação da artrite), e desenvolvimentos reumatológicos.

Em outros casos, sequer é possível apontar qual é a causa exata da bursite.

Fatores que influenciam o desenvolvimento da bursite

É importante enfatizar que qualquer indivíduo está sujeito a ter bursite.

Porém, existem alguns fatores de risco que ampliam as chances da doença se desenvolver.

Um dos principais fatores de risco que podem suscitar o problema é a idade, já que é fato comprovado que a bursite é mais comum em pessoas idosas.

Assim, conforme o corpo envelhece ele passa a aumentar sua predisposição ao surgimento do referido transtorno.

Um segundo fator de risco relevante é o próprio conjunto de tarefas que constituem o estilo de vida do indivíduo.

Logo, pessoas que possuem profissões que demandem uma carga excessiva de movimentos repetitivos, ou que exijam o cumprimento de tarefas que acabem pressionando frequentemente determinada articulação, estão muito mais propensas a desenvolver a bursite.

Seguindo o mesmo princípio, as atividades de lazer (como tocar violão) que detenham as mesmas características também podem propiciar as condições ideais que culminam na inflamação das bursas.

Por fim, um terceiro fator de risco importante é a existência de problemas médicos, tais como o diabetes, a gota, e a artrite reumatoide.

Sintomas da bursite

Os principais indícios de bursite são uma rigidez e dor sentidas ao tentar deslocar algum membro que esteja ligado a uma articulação com bursas inflamadas; edemas, aspecto avermelhado, sensação de calor na articulação afetada; e dores agudas nas articulações por conta do aumento da sensibilidade no local.

Quando se deve procurar por auxílio médico

A busca pelo atendimento médico deve ocorrer se o indivíduo sentir dores ao redor de uma ou mais articulações durante um período superior a sete dias.

Outros sinais que indicam a necessidade imediata de tratamento médico são a aparência avermelhada, irrompimentos de erupções cutâneas, e edemas intensos na região das articulações.

Qualquer uma dessas evidências pode ser acompanhada de febre.

Durante a consulta médica

Uma vez marcada a consulta com um especialista, o paciente deve estar preparado para fazer todos os questionamentos que sejam pertinentes ao problema, além de descrever da forma mais nítida possível os sintomas que esteja sentindo.

No mesmo viés, também é necessário responder às perguntas do médico com o máximo de precisão.

Dentre elas, as mais comuns se referem à data de início dos sintomas, o início das primeiras dores, as atividades desempenhadas pelo paciente (sejam a trabalho ou a lazer), quais são as articulações mais doloridas, e se o paciente chegou a ingerir algum analgésico antes de se consultar.

Responder a todos esses apontamentos de uma maneira clara e inequívoca é essencial para que o médico possa realizar um diagnóstico à prova de falhas.

Diagnóstico da bursite

Após os questionamentos que abordam o contexto das dores e demais aspectos concernentes a elas, o médico iniciará o trabalho de diagnóstico da bursite.

Para isso, ele solicitará uma bateria de exames físicos completa, a qual indicará quais são as articulações problemáticas.

Juntamente a esses resultados, o médico recorrerá ao histórico médico do paciente.

Em seguida, devem ser realizados determinados exames de imagem.

Embora os exames de radiografia não sejam suficientes para diagnosticar o problema em foco, eles suprimem outras causas que apresentem sintomas similares aos da bursite.

Outros procedimentos que compõem a lista de diagnóstico são os exames de ressonância magnética e de ultrassom.

Por fim, a execução de testes laboratoriais, como as análises de amostras sanguíneas, sempre são muito úteis para definir o diagnóstico.

Tratamento indicado para bursite

A primeira etapa para tratar a bursite compreende uma série de orientações básicas e que podem ser suficientes para recuperar os movimentos normais dos pacientes.

Dentre essas recomendações estão o consumo de medicamentos analgésicos para suplantar as dores, o posicionamento de bolsas de gelo sobre o local afetado, e o repouso.

No entanto, nem sempre essas medidas surtem o efeito esperado.

Por essa razão, existem opções de tratamento complementares, tais como a receita de um remédio antibiótico (indicado para os casos em que a inflamação está ligada a alguma infecção), e a realização de exercícios fisioterápicos, que visam a atenuação das dores mediante o fortalecimento muscular, o que também ajuda a evitar uma possível reincidência da inflamação das bursas.

Outra alternativa de tratamento para a bursite consiste na introdução de corticosteroide no local afetado, a fim inibir a inflamação local. Potente, essa terapia costuma promover o alívio quase instantâneo da dor.

Na maioria dos casos, as injeções de corticosteroide bastam para controlar a bursite.

Também não está descartada opções mais radicais de tratamento, como a punção, por meio da qual o líquido decorrente da inflamação é exaurido.

Por último, os contínuos resultados infrutíferos proporcionados pelos tratamentos conservadores podem conduzir o paciente à cirurgia.

Prognóstico

Uma vez que já esteja em casa, o paciente pode tentar amenizar as dores provocadas pela bursite através da completa imobilização da região afetada, utilização de remédios analgésicos e anti-inflamatórios, uso de bolsas de gelo para eliminar os edemas, uso de travesseiro entre os joelhos para amortizar o contato entre eles na hora de dormir, e realização dos alongamentos indicados pelo fisioterapeuta.

Outro cuidado importante se refere aos cotovelos, pois é fundamental não exercer pressão sobre eles, hábito muito comum e que acaba passando despercebido pela maioria das pessoas, como quando o cotovelo é posicionado sobre o colchão e serve de apoio á cabeça ou ao restante do corpo.

Possíveis complicações

A bursite, por si só, já é considerada um problema grave, uma vez que afeta totalmente a vida do indivíduo.

Contudo, quando há negligência e o problema não é tratado como deveria, fatalmente ele evolui, passando a se tornar uma bursite crônica.

Ademais, também cabe relatar que o uso excesso de esteroides pode lesionar os tendões.

Prevenção da bursite

Nem todas as vertentes de bursite podem ser evitadas. Entretanto, é possível minimizar a intensidade dos sintomas e dos riscos de desenvolvimento da doença.

Para isso, é preciso inserir algumas rotinas nas atividades praticadas diariamente e que podem resultar na bursite ao longo dos anos.

Eis algumas ações úteis para prevenir o aparecimento da bursite:

  • Na hora de se levantar da cama, é preciso dobrar as articulações dos joelhos. Caso contrário, as bursas localizadas na cintura podem ser prejudicadas
  • Caso tenha de se ajoelhar, o ideal é fazê-lo sobre uma superfície confortável, algo que pode ser feito através do uso de uma almofada, por exemplo
  • Não transporte pesos excessivos sobre a cabeça, pois isso tende a sobrecarregar as bursas dos ombros
  • Caso tenha que se submeter a uma tarefa repetitiva no trabalho, intercale-a com intervalos para relaxar os músculos
  • Exercite seu corpo com regularidade, e faça atividades voltadas para o fortalecimento muscular
  • Procure ter boa forma física, já que o sobrepeso compromete sensivelmente a saúde das articulações
  • Evite ficar sentado em superfícies desconfortáveis por longos períodos, uma vez que isso exerce forte pressão sobre as bursas presentes nos glúteos e quadris.

O que Procura?

Esta matéria tem 1 Comentário
  1. irineu Reply

    eu fiz varios tratamentos ate cirurgia e doi a parte do ombro atras e normal o medico ja me fez todo o tipo de tratamento nao sei

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *