Cancro do Pulmão – Sinais e sintomas loco regionais

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018 - Publicado a 27 de novembro de 2010

Sinais e sintomas loco regionais do cancro do pulmão.

Depois dos sintomas locais os sinais e sintomas de alerta loco regionais. A extensão directa do tumor ou a presença de metástases ganglionares no mediastino pode levar a uma variedade de apresentações consoante as estruturas adjacentes compreendidas.

O envolvimento do nervo frénico por massas de localização central pode provocar paresia diafragmática homolateral, evidenciada radiologicamente por elevação da hemicúpula.

A rouquidão decorre, na maioria dos casos, de paralisia de corda vocal por lesão do nervo laríngeo recorrente. O esófago pode ser invadido ou comprimido pela massa tumoral, originando disfagia. A extensão tumoral ao pericárdio pode levar a arritmias ou tamponamento cardíaco. O carcinoma do pulmão constitui a causa mais comum de derrame pleural maligno.

Habitualmente são derrames do mesmo lado do tumor principal, de grande volume, hemáticos e recidivantes. A síndrome da veia cava superior resulta da obstrução do seu fluxo venoso por compressão extrínseca ou invasão tumoral e os sintomas resultam da hipertensão venosa a montante da obstrução.

Cursa tipicamente com cefaleias que agravam em decúbito, congestão venosa e edema da face, pescoço e extremidades superiores com exuberante circulação colateral da porção superior do tórax. O crescimento de um tumor no sulco superior pode provocar invasão da parede torácica, plexo braquial e nervo simpático, provocando a síndrome de Pancoast.

O doente relata dor intensa no ombro com irradiação ao território do nervo cubital, associada ou não a atrofia muscular a esse nível, que é amiúde atribuída a patologia osteoarticular numa fase inicial.

É também frequente a síndrome de Horner constituída por ptose, miose e anidrose facial homolateral.