Carambola

Publicado por Equipe Editorial a 6 de fevereiro de 2011 - Atualizado em 13 janeiro 2018

A carambola (Averrhoa carambola) é um fruto tropical que se comercializa na Europa há pouco tempo. É também conhecida como a fruta estrela, devido à sua forma estrelada quando se corta no sentido transversal. A sua casca é fina, comestível, de um amarelo claro que se transforma em amarelo dourado quando o fruto está maduro.

Possui uma polpa translúcida, crocante, sumarenta e ácida. Pode medir entre 7 e 12 cm. As variedades maiores são as mais doces. As de maior tamanho são de cor dourada, mais doces e com uma leve nota de acidez. As variedades mais pequenas são muito azedas e têm tonalidades pálidas, verdes ou amarelas.

As carambolas podem consumir-se em fresco, em saladas ou em sumo. Utilizam-se normalmente para a decoração de pratos doces e salgados. Ao cortar a carambola transversalmente, em rodelas, obtêm-se bonitas estrelas. Quando está madura a pele sai com facilidade. São muito decorativas em pratos de carne, sobremesas, tortas ou bebidas espumosas, cocktails e ponches.

Constitui um alimento ideal pelo seu teor em vitamina C e minerais como o cálcio, magnésio e fósforo. Por cada 100 g de polpa fornecem-se 40 calorias ao organismo.

Os países produtores desta fruta tropical são a Malásia, Tailândia, Indonésia e Brasil, e as temperatura de conservação recomendada é de 5ºC e a humidade relativa óptima oscila entre 90% e 95%.

 

Tipos e Variedades de Carambolas

Existem várias variedades adaptadas às zonas de produção. As variedades comercializadas são de dois tipos. Das duas variedades existentes, a mais pequena é de cor verde e sabor ácido e provém do Brasil. A outra variedade é de maior tamanho, de cor verde claro e de sabor suave e tem origem na Malásia.

As variedades de carambola provenientes da Austrália e com a qual se realizaram ensaios na Estação Experimental ‘La Mayora’ de Espanha são as seguintes: ‘Arkin’, ‘B-6’, ‘B-8’, ‘B-10’, ‘B-16’, ‘Chujuba’, ‘Fwang-Tung’, ‘Kambangan’, ‘Hart’, ‘Maha’, ‘Thai Knight’, ‘8-1’, ‘9-4′,’11.1’

A Árvore

A caramboleira é uma árvore pequena, de 5 a 12 m de altura e com um tronco curto. É bastante atractiva e ornamental. As folhas são verdes claras e as flores unem-se em rácimos. É uma árvore que necessita de climas tropicais ou subtropicais e bastante húmidos, para vegetar bem.

Origem e Produção da Carambola

A carambola é uma fruta originária do Arquipélago da Malásia, mais concretamente da Indochina. Este fruto está presente na maioria dos países tropicais. Os principais países produtores são a Malásia, Tailândia, Indonésia e Brasil. Não se dispõem de dados da FAO sobre produção, importação e exportação da carambola.

Mês de Colheita

Este fruto está disponível em quase todo o ano nos países produtores, como Tailândia, Sri Lanka, Índia, Brasil ou mesmo em países europeus mais temperados. O quadro seguinte mostra, como exemplo, as datas de disponibilidade no mercado do Reino Unido, indicando a proveniência e o peso das embalagens.

  Origem    Disponibilidade nos mercados do Reino Unido    Peso das embalagens 
  BRASIL    Abril-Outubro    3 kg 
  ILHAS CANÁRIAS    Fevereiro-Março    2 kg 
  COLÔMBIA    Todo o ano    3,5 kg 
  ISRAEL    Agosto-Abril    2 kg 
  MALÁSIA    Todo o ano    3 kg 
  MÉXICO    Todo o ano    Vários 
  TAILÂNDIA    Julho-Setembro e Dezembro-Janeiro    2/4 kg 
ESTADOS UNIDOS    Agosto-Fevereiro    3 kg 

Embalagens

As carambolas podem ser envolvidas em papel ou em protecções de plástico mole (malhas), para evitar que as arestas se tornem castanhas.

Normas de Qualidade

Para as carambolas não existe uma norma de cumprimento obrigatório no que se refere à sua qualidade. De qualquer modo, existe a norma Codex Stan 187, da FAO, organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. A página da Internet que contém as normas CODEX é: ( ). As normas Codex são normas de referência, mas não são obrigatórias.

Os índices de qualidade para a carambola, de acordo com a Universidade de Davis da Califórnia, são: frutos firmes e amarelos, sem descolorações castanhas na pele nem nos cinco ângulos e polpa fresca e sumarenta. Existem cultivares doces e ácidas. As doces possuem um pH = 3,8-4,1, estando incluída neste grupo a variedade ‘Arkin’. As cultivares ácidas, em que se incluí a ‘Golden Start’, possuem um pH=2,2-2,6. Os frutos devem estar sem golpes, sem danos ocasionados por insectos ou pássaros e sem podridões.

Gestão Atmosférica Pós Colheita

A carambola conserva-se bem durante 3 a 6 semanas, se as temperaturas estiverem compreendidas entre os 5 e 7,5ºC. É possível efectuar o seu transporte por barco. A refrigeração é a técnica utilizada com a máxima eficácia na conservação de carambolas. As condições de conservação recomendáveis são temperaturas entre 5 e 7,5ºC e 90-95% de humidade relativa.

Submetendo as carambolas a atmosferas com etileno a cor verde tende a desaparecer, aumentando a maturação dos frutos e melhorando o sabor e a acidez. Estas alterações podem ser aceleradas com exposições ao etileno de 100 ppm, durante 24 horas. Mas se os tratamentos com etileno são muito severos, pode-se aumentar a podridão dos frutos.

As condições ambientais óptimas para a conservação das carambolas (temperatura 5-7,5ºC e 90-95% de humidade relativa), devem existir tanto nas etapas de transporte como nas de distribuição. Os problemas de qualidade tornam-se evidentes após o transporte da fruta por barco, quando o tempo decorrido entre a colheita e o consumo é muito grande.

Problemas Pós Colheita

Após a colheita podem surgir problemas causados pelo frio que ocasionam necrose dos ângulos, pelo calor, por danos físicos, por murchidão e por patogéneos.

Danos causados pelo por frio
Os sintomas dos danos causados pelo frio, incluem depressões na superfície; algumas são pequenas, as que têm menos de 1 mm; outras são profundas e escuras e outras são compridas, de 1 a 2 mm. Estas áreas são de cor castanha. Estes sintomas foram observados em algumas cultivares de carambola após duas semanas a 0ºC ou 6 semanas seguidas a 5ºC. Como sintomas mais comuns dos danos provocados pelo frio são o aparecimento de áreas de cor cinzenta, bem definidas e ligeiramente abatidas, escurecimento da polpa, maturação anormal, maior sensibilidade às infecções, mais rápida senescência, deficiente cor e sabor, assim como o aparecimento de manchas na pele.

Necrose dos ângulos
Os ângulos do fruto são muito susceptíveis a qualquer dano, por causa da sua posição muito exposta. Os tecidos ficam necrosados, de cor castanha, o que é muito indesejável.

Danos físicos
As áreas escuras e as zonas feridas são superfícies susceptíveis de sofrer abrasões e outros estragos. As rupturas aumentam a perda de água dos frutos. O cuidado manual durante a colheita e posterior armazenamento e transporte é indispensável para reduzir ao máximo estes danos físicos.

Murchidão
Os sintomas são visíveis quando as carambolas perdem cerca de 5% do seu peso por stresse hídrico.

Danos por calor
A pele escura e o amolecimento da polpa ocorrem nas carambolas expostas a tratamentos de calor (46ºC durante 35 a 55 minutos). Como alternativa ao uso do calor no tratamento dos insectos, poderia ser o uso de radiação.

Danos por patogéneos
Muitos estragos na conservação das carambolas podem ser causados por Alternaria alternata (especialmente em frutos gelados), Cladosporium cladosporioides ou Botryodiplodia theobromae. Estes danos geralmente ocorrem durante o armazenamento dos frutos e podem ser minimizados tratando minuciosamente os frutos durante a colheita, conservação e transporte.

Beneficios da Carambola para a saúde

Este fruto tem uma alta concentração de vitamina C. Uma carambola normal pode proporcionar aproximadamente 30% da dose diária recomendada que é de 60 mg/dia.

Tradições Populares
Historicamente, as tripulações dos barcos, alimentadas à base de produtos secos e salgados, eram severamente afectadas pelo escorbuto (falta de vitamina C), de maneira que muitas expedições fracassavam por falta de homens em boas condições. O escorbuto em alto mar, na época das grandes expedições marítimas, prevenia-se principalmente levando citrinos a bordo. Estudos epidemiológicos indicam que o cancro do estômago é menos frequente naqueles cuja dieta é rica em vitamina C. Devido a possíveis reacções adversas, recomenda-se que os pacientes com insuficiência renal não consumam carambolas.

Nota: Composição por 100 gramas da fruta fresca. Abreviaturas: kcal: kilocalorias ; g: gramas ; mg: miligramas ; µg: microgramas.

– energia: 23.60-32.00 kcal
– gorduras: 0.30-0.50 g
– fibras: 1.30-1.30 g

Minerais
– cálcio: 5.00-6.00 mg
– zinco: 0.10-0.10 mg
– fósforo: 15.00-16.00 mg
– ferro: 0.600-0.900 mg
– magnésio: 6.00-6.00 mg
– manganésio: 0.10-0.10 mg
– potássio: 150.00-184.00 mg
– sódio: 2.00-2.00 mg

– proteínas: 0.50-1.20 g
– hidratos de carbono: 3.50-7.30 g

Vitaminas liposolúveis
– vitamina A – retinol: 0.00-67.73 µg
– vitamina A carotenóides: 37.00-774.86 µg

Vitaminas hidrosolúveis
– vitamina B1 ou tiamina: 0.030-0.050 mg
– vitamina B2 ou riboflavina: 0.030-0.030 mg
– vitamina B3 ou niacina: 0.40-0.40 mg
– vitamina C ou ácido ascórbico: 31.00-33.53 mg