A Carboxiterapia Emagrece? (Sim, Resultados desde a 1ª Aplicação)

Embora o método chamado de carboxiterapia seja um tratamento direcionado à eliminação dos depósitos de gordura, ele jamais deve ser confundido como uma alternativa viável que promove o emagrecimento.

celulite antes e depois da carboxiterapia

Isso porque essa terapia é incapaz de favorecer queimas de gordura em concentrações elevadas.

Os resultados, divulgados em 2001 pela revista cientifica Aesthetic Plastic Surgery, comprovam que os efeitos relacionados à perda de gordura através da carboxiterapia são modestos.

Todavia, em conjunto com treinamento físico regular e uma dieta equilibrada, composta por baixas calorias, a carboxiterapia consegue proporcionar uma significativa perda de gordura localizada no entorno da região abdominal, além de outras partes do corpo, como coxas, costas, e braços.

Características da carboxiterapia

Basicamente, a carboxiterapia é um método onde o corpo recebe doses de gás carbônico, que penetram na pele após saírem de um cilindro de CO2.

Acoplado à pele, esse equipamento tem a função de gerenciar o volume de CO2 que será injetado na epiderme e a pressão inerente ao processo.

Considerando uma agulha dotada de calibragem mínima, o gás não pode ultrapassar o volume de 80 ml a cada 60 segundos.

Além disso, cabe ressaltar que o tipo específico de agulha usado oscila e deve ser decidido após análise individual do profissional envolvido.

estrias antes e depois da carboxiterapia

Também é preciso definir em qual região o CO2 será injetado. Em se tratando da eliminação de estrias, por exemplo, o gás á introduzido no interior das cicatrizes.

Já com intuito de reduzir o volume da celulite, a agulha deve ser implantada na parte correspondente ao intervalo entre a gordura e a epiderme.

Uma vez inserido, o gás carbônico causará uma grande extensão da derme, imediatamente disparando porções de catecolaminas, serotonina, bradiquinina, e histamina, responsáveis por incitar os beta-adrenorreceptores, culminando na degradação das moléculas de gordura, o chamado efeito lipolítico.

O resultado é uma pele bem mais lisa e macia, o que se deve à retirada do excesso de gordura alojado na região selecionada para tratamento e, substancialmente, ao aumento da produção de elastina e colágeno.

Logo, a carboxiterapia é uma das melhores maneiras para eliminar o armazenamento de gordura extra e, simultaneamente, combater as rugas.

Outros efeitos proporcionados pela carboxiterapia

Como o CO2 favorece a expansão dos vasos sanguíneos, o fluxo de sangue que passa pelos tecidos é sensivelmente aperfeiçoado, promovendo um aumento da concentração de oxigênio que é recebida pela área afetada.

Outro efeito vinculado à ação do gás é a quebra das fibroses (pequenas cicatrizes) presentes sob a pele.

Indicações da carboxiterapia

Uma das principais recomendações da carboxiterapia é voltada ao tratamento da celulite.

Os cirurgiões plásticos explicam que isso se deve ao fato de que o referido método é o único que age diretamente sobre as três causas que levam ao desenvolvimento da celulite, ou seja: o aparecimento de inchaços, o acúmulo de gordura, e a presença de fibroses.

Os inchaços se dissipam devido à melhora significativa do sistema circulatório; a gordura localizada é rechaçada através da injeção das substâncias mencionadas há pouco e em virtude da aceleração dos processos metabólicos; e as fibroses são desfeitas exatamente por meio da inserção do gás carbônico.

Por tudo isso, os profissionais do setor estético são categóricos ao afirmar que a carboxiterapia é muito mais eficaz quando comparada a outras opções de tratamento, como a drenagem linfática, e a endermoterapia.

Quando o foco do tratamento em questão está direcionado às estrias, o CO2 alonga o tecido no qual se encontra o problema. Então, o gás preenche o local, levando o organismo a ampliar a produção de colágeno para esse área em particular.

Entretanto, também deve-se esclarecer que os resultados positivos propiciados são bem mais nítidos quando se trata de estrias com tonalidade avermelhada, que são novas.

Já as estrias mais velhas, aquelas que exibem traços brancos, não podem ser reabilitadas devido à ruptura total das fibras elásticas.

Ainda sobre a quebra das fibroses, a carboxiterapia é muito importante quando usada como um tratamento pós-operatório de várias cirurgias plásticas, já que essas cicatrizes são normalmente formadas após a execução desses procedimentos, como é o caso da lipoaspiração, apenas para citar um exemplo.

antes e depois

antes e depois

Quem sofre com olheiras muito visíveis também pode recorrer à carboxiterapia, pois a capacidade de aprimoramento do fluxo sanguíneo nessa região suaviza bastante o aspecto turvo da pele.

Enquanto isso, a flacidez cutânea também pode ser eliminada mediante a formação de colaǵeno e elastina, que enrijecem a pele e a tornam mais resistente.

Pessoas que não devem fazer a carboxiterapia

O método não é recomendado para indivíduos que apresentem alguma infecção na área do corpo pretendida para tratamento.

Quem possui DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), ou qualquer outra enfermidade relacionada aos pulmões que provoque acúmulo de gás carbônico, tampouco deve se submeter a esse tipo de terapia.

Quantidade de sessões exigidas

Levando-se em conta que o progresso proporcionado pela carboxiterapia é gradativo, o paciente notará algum resultado que possa ser visualizado após a quinta sessão, podendo chegar até a décima para que resultados relevantes sejam alcançados.

O número de sessões e o consequente resultado esperado dependem das condições físicas do paciente, especificamente da resposta de cada organismo ao tratamento proposto.

Os intervalos entre as sessões devem ser definidos conforme a avaliação médica.

Entretanto, geralmente quando o foco é a extirpação da celulite, o procedimento é executado de modo intercalado. Já a terapia voltada para fibroses e estrias costuma ter uma única sessão a cada sete dias.

Após análise do profissional, também será possível saber se mais de uma parte do corpo receberá o tratamento concomitantemente.

Por fim, o paciente não precisa se preocupar com a possibilidade de o excesso de gás carbônico ficar retido na pele, uma vez que a substância é plenamente absorvida pelo organismo ao longo de 20 minutos, aproximadamente.

Resultados proporcionados pela carboxiterapia

Apesar de ser indicada para tratamento da celulite, a carboxiterapia apresenta resultados convincentes quando o problema ainda está em seu estágio inicial.

Conforme a celulite se agrava, os efeitos da terapia se tornam cada vez menos visíveis. A esse respeito, os cirurgiões plásticos lembram que o resultado pífio em alguns casos não se deve, necessariamente, à ineficácia da carboxiterapia, e sim ao fato de a celulite não ser totalmente eliminada por qualquer outro tratamento.

Além disso, os resultados conquistados somente serão mantidos se o indivíduo ostentar um ritmo de vida saudável.

Isso significa que o índice de reincidência do problema é bem inferior nas pessoas que passam a cultivar hábitos saudáveis, como adotar uma dieta alimentar equilibrada e rica nos nutrientes dos quais o organismo realmente precisa, e exercitar o corpo constantemente.

Com isso, diminui-se as chances de que novas estrias surjam, e consegue-se um controle mais contundente sobre a celulite.

Por conta dos seus hormônios, o corpo feminino está mais predisposto ao ressurgimento da celulite. Assim, é aconselhável que a mulher realize sessões periódicas visando diminuir os riscos de reincidência.

Dores ocasionadas pelo tratamento

Quem passa pelo tratamento de carboxiterapia deve estar preparado para sentir dores, uma das características concernentes ao processo.

O grande problema é que as dores surgem em dose tripla, já que é um reflexo do estiramento da pele quando ela possui fibroses, da introdução da seringa, e da injeção contínua de gás carbônico.

Caso o equipamento que esteja sendo utilizado para inserção do gás carbônico não tenha o recurso de aquecer o composto, as dores tendem a ser ainda mais intensas, uma vez que a temperatura fria do CO2 interfere na sensibilidade da pele ao entrar em contato com ele.

Efeitos colaterais da carboxiterapia

Devido às injeções usadas durante a carboxiterapia, é comum que o paciente apresente lesões na pele, mas elas tendem a se dissipar em alguns dias subsequentes à sessão do tratamento.

De qualquer forma, quando isso ocorre o paciente é encorajado a utilizar protetor solar até o momento em que os hematomas tenham sumido, impedindo a formação de nódoas na área afetada.

O tipo de gás carbônico que deve ser usado no tratamento da carboxiterapia é atóxico e não provoca embolia (obstrução dos vasos sanguíneos).

No entanto, pessoas despreparadas para adotar a técnica podem acabar usando um tipo de CO2 com ação embólica, o que pode trazer graves complicações para o paciente.

Profissionais que podem realizar a carboxiterapia

A recomendação geral é que o procedimento deva ser conduzido por um cirurgião plástico, ou por um dermatologista. Contudo, nada impede que profissionais da biomedicina especialistas em estética possam executar a técnica.

Seja como for, e antes de se submeter ao processo, é importante que o paciente realize uma pesquisa profunda quanto à reputação do profissional e à infraestrutura do local onde se pretende efetuar a carboxiterapia.

» Conheça também As 21 Melhores Dicas de Emagrecimento para Mulheres

O que Procura?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *