Caroços e Inchaço Dentro e Fora da Vagina: Como Identificar, O que pode ser, Causas e Tratamentos - Fotos Antes e Depois
Fotos Antes e Depois

Caroços e Inchaço Dentro e Fora da Vagina: Como Identificar, O que pode ser, Causas e Tratamentos

As alterações que ocorrem na vagina ao longo de determinados períodos da vida da mulher são, frequentemente, fonte de grandes preocupações.

O aparecimento de bolhas, “galos”, nódulos, caroços, inchaços e alterações na cor da vagina podem, muitas vezes, ser perfeitamente normais e inofensivos, particularmente durante a fase de gravidez e em idades mais avançadas.

É, no entanto, importante compreender a origem/causa de certas mutações de modo a saber como agir e se vale ou não a pena preocupar-se.

Caroços E Inchaços Na Vagina, Como Identificar, Causas E Tratamentos

Vagina vs. Vulva

Quando as pessoas se referem à vagina, quase sempre se referem ao órgão interno, a vagina, bem como à parte externa do órgão genital feminino, a vulva.

A vagina é o canal muscular que se estende até ao colo do útero.

A camada superficial é composta por uma membrana mucosa, semelhante ao tecido da boca e do nariz.

As dobras presentes na superfície da vagina são chamadas de rugas vaginais e permitem a expansão da mesma durante o sexo e a gravidez.

A vulva inclui diversos órgãos:

Grandes lábios vaginais, que representam as dobras de pele mais largas da vulva.

A região externa é onde se encontram os pêlos púbicos, enquanto a zona interna, mais macia e desprovida de pêlos, é compostas por glândulas sebáceas.

– Se afastar os grandes lábios conseguirá ver os pequenos lábios vaginais. Estas são dobras de pele mais pequenas que envolvem a entrada da vagina.

– O lábios pequenos contêm glândulas de skene e glândulas de bartholin, responsáveis pela produção de muco e de outras substâncias lubrificantes.

Causas do Inchaço e Caroços Vaginais

1. Cistos Vulvares

A vulva é composta por diversos tipos de glândulas. O entupimento das mesmas pode dar origem a cistos.

O seu tamanho tende a variar significativamente, mas geralmente tendem a parecer caroços muito pequenos.

Raramente causam dor, a menos que estejam infectados.

Os cistos costumam desaparecer sem a necessidade de recorrer a qualquer tipo de tratamento específico.

No entanto, se notar que o mesmo apresenta sinais de infecção, deverá procurar um médico.

2. Cistos Vaginais

Existem diferentes tipos de cistos vaginais. Geralmente apresentam-se como caroços duros nas paredes da vagina, com um tamanho semelhante ao de uma ervilha.

Estes cistos são mais comuns do que os cistos vulvares e tendem a formar-se após a gravidez ou na sequência de lesões vaginais.

3. Grânulos de Fordyce

Grânulos de fordyce são glândulas sebáceas assintomáticas, representadas por pequenas protuberâncias brancas ou amarelas dentro da vulva.

Estas glândulas também são comummente encontradas nos lábios e no interior das bochechas.

Aparecem com a puberdade e aumentam em número com o passar dos anos. Estes grânulos são indolor e inofensivos.

4. Veias Varicosas

Estas são veias inchadas que tendem a manifestar-se em torno da vulva. Aparecem em cerca de 10% das grávidas e tornam-se mais comuns com a idade.

No total, estima-se que cerca de 4% das mulheres desenvolva estas veias.

As Veias varicosas não costumam originar dor, mas podem causar algum desconforto e coceira.

Em mulheres grávidas estas veias não exigem qualquer tipo de tratamento, uma vez que costumam desaparecer cerca de seis semanas após o nascimento do bebê.

Para mulheres que não estejam grávidas as veias varicosas podem revelar-se desconfortáveis e constrangedoras, principalmente durante o sexo.

Nestes casos, deverá recorrer a um médico especialista na área para que as mesmas sejam cirurgicamente removidas.

5. Pêlos Encravados

Depilar os pêlos públicos aumenta consideravelmente as probabilidades de vir a deparar-se com pêlos encravados.

Isto origina uma pequena e redonda protuberância, que por vezes pode causar dor e comichão.

Em certos casos, pode ficar infectado com pus, podendo também levar ao escurecimento da pele circundante.

Não tente remover o pêlo encravado, uma vez que isso pode originar uma infecção.

Na maioria dos casos, o pêlo desencrava-se sozinho, mas caso note sinais de inflamação, procure um médico.

6. Pólipo Cutâneo Vaginal

Os pólipos são protuberâncias que se formam nas cavidades constituintes da mucosa.

Geralmente são inofensivos e não costumam causar desconforto a menos que sejam trilhados.

Ainda que não sejam causa para grandes preocupações, se lhe causarem incómodo deverá procurar um médico.

7. Liquen Escleroso Genital

O liquen escleroso genital é uma doença rara da pele que afecta maioritariamente mulheres que tenham atravessado a menopausa.

Manifesta-se tipicamente na vulva e em torno do ânus. Os sintomas incluem:

– Coceira, frequentemente severa.

– Pele fina e brilhante, que se danifica com facilidade.

– Manchas brancas na pele, que com o tempo podem tornar-se extremamente finas e enrugadas.

Hemorragias ou hematomas.

Bolhas, que podem ou não ter sangue.

– Dor durante o sexo ou a urinar.

O lisquen escleroso genital pode ser tratado com cremes ou pomadas de corticosteróides, mas é possível que reapareça depois do tratamento.

As Mulheres que experienciam este problema apresentam maiores probabilidades de vir a desenvolver câncer da vulva.

8. Herpes Genital

A herpes genital é uma doença causada pelo vírus herpes simplex. Esta doença pode ser transmitida por via de sexo oral, vaginal ou anal.

Por vezes os sintomas são tão moderados que é possível que os portadores nem se apercebam do problema.

O primeiro surto de herpes genital pode produzir sintomas semelhantes aos de uma gripe:

– Febre

– Glândulas inchadas

– Inchaços

– Dores nos genitais e nas pernas

Outros sintomas podem envolver:

– Coceira

– Múltiplas protuberâncias vermelhas que evoluem para espinhas ou bolhas dolorosas

– Pequenas indentações ou úlceras

Ainda que desapareçam após algum tempo, os sintomas de herpes genital acabam sempre por voltar, ainda que as crises tendam a tornar-se progressivamente menos severas com o passar dos anos.

Não existe cura para esta doença, mas é perfeitamente possível controlá-la através de medicamentos antivirais.

Caso tenha sintomas de herpes na vagina é importante evitar ter sexo até que os mesmos desapareçam.

Para evitar contrair este problema aconselha-se que utilize sempre preservativo.

Saiba Tudo Sobre » Feridas, Úlceras e Lesões nos Órgãos Genitais Femininos

9. Verrugas Genitais

As verrugas genitais (Ver Imagem) são causadas pelo vírus do papiloma humano (HPV).

Este vírus é transmitido através do sexo anal, vaginal e oral, ainda que as transmissões através deste último sejam raras.

Há muita gente que se encontra infectada por este vírus sem saber. Os sintomas mais comuns podem incluir:

– Concentração de pequenas protuberâncias da cor da pele.

– Manchas compostas por diversas verrugas muito próximas umas das outras, apresentando, frequentemente, um formato semelhante ao de uma couve-flor.

Estas verrugas podem desenvolver-se tanto na vulva quanto no ânus e não existe forma de curar definitivamente o problema.

É possível, no entanto, removê-las através da utilização de cremes próprios para o efeito, cirurgia e tratamento a laser.

Para saber qual o método de tratamento mais indicado para si, consulte o seu médico, ou Leia o artigo 7 Poderosos Remédios Caseiros para Verrugas Genitais.

Uma vez que determinados tipos de HPV podem aumentar as probabilidades de desenvolvimento de câncer do colo do útero, é extremamente importante que recorra a um médico o mais rapidamente possível caso ser aperceba da presença de verrugas genitais.

10. Câncer

Ainda que, tanto o câncer da vulva quanto da vagina sejam extremamente raros, determinadas mutações vaginais e vulvares podem ser um indicador da presença de problemas cancerígenos:

– Feridas planas ou salientes e protuberâncias na vulva

– Pele mais clara ou mais escura do que a pele da região circundante

– Manchas espessas na pele

– Coceira, irritação da pele ou dor

– Feridas que não saram no prazo de poucas semanas

Sangramento fora do normal

O câncer da vulva revela-se mais comum entre mulheres mais velhas e fumadoras.

Quem é portador do vírus do papiloma humano também apresenta probabilidades consideravelmente maiores de vir a desenvolver este problema.

O diagnóstico pode ser efectuado através de uma análise microscópica de amostras de tecido da lesão suspeita.

Tratamento

A maior parte dos inchaços, nódulos e caroços vaginais não exige qualquer tipo de tratamento médico.

Na esmagadora maioria dos casos, o problema pode ser resolvido através de simples remédios caseiros:

– No caso de cistos, tome diversos banhos quentes por dia durante alguns dias. Isto ajudará os cistos a secar.

– Evite utilizar roupa que roce demasiado contra a vulva.

– Utilize roupa interior de materiais naturais, como é o caso do algodão. Isto permitirá à pele da região respirar mais facilmente.

Se algumas destas mudanças corporais lhe causarem preocupação e envolverem hemorragias ou a formação de pus, não deixe de contactar o seu médico o mais rapidamente possível.

Sofre de Desconforto Vaginal e Vulvar? Conheça alguns Lubrificantes, Hidratantes e o Estrogênio Vaginal

Referências

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5051671/
http://www.ashasexualhealth.org/
http://www.mayoclinic.org/
http://womhealth.org.au/
http://www.issvd.org/vulvar-lichen-sclerosus/
https://www.cancer.org/cancer/vaginal-cancer/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15804734

Atualizado em 04 Março 2018

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *



Seguir fotosantesedepois.com

Siga-nos na rede social Facebook e receba dicas sobre os temas de saúde mais atuais.

Facebook Fotos Antes e Depois
Receber Dicas de Saúde?

Se está interessado/a em receber no seu Email, dicas de saúde, remédios caseiros..., subscreva a nossa newsletter.

Contacte-nos

© 2018 Fotos Antes e Depois | Politica de Privacidade

Isensão de Responsabilidade: A nossa plataforma foi criada com o objetivo de facilitar o acesso a informação de valor "Ciência com Saúde", baseada em estudos científicos. Tudo o que publicamos tem uma base científica. No entanto, nenhuma das publicações têm o objetivo de servir como diagnóstico, sendo sempre indicada consulta médica. O mesmo se refere a tratamentos, clínicas, suplementos e medicamentos indicados. A indicação, dosagem, e forma de uso é apenas ilustrativa, não estando indicada a automedicação ou suplementação sem antes haver indicação médica profissional. O mesmo se refere aos preços dos produtos por vezes indicados. Esses valores são baseados no ano de 2018 e servem apenas como informação auxiliar, não estando a nossa plataforma de nenhuma forma a ligada a essas empresas.