Cirurgia de Mudança de Sexo em Portugal – Onze pessoas mudaram de sexo nos Hospitais de Coimbra em 2011

Segundo os dados que têm vindo a ser recolhidos, sabe-se que, durante o ano de 2011, 11 pessoas efectuaram uma cirurgia para mudança de sexo no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra. Segundo o director responsável pela unidade de tratamento, 10 desses procedimentos foram responsáveis pela mudança de sexo de uma Mulher para Homem, e apenas 1 teve como finalidade o inverso. Estes dados são surpreendentes, uma vez que a mudança de sexo não é, de momento, um assunto muito mediático em território nacional (Portugal).

Mudança de sexo antes e depois – Antes – Thiago Arantes Silva (Direita), Depois – Ariadna (Esquerda)

Mudança de sexo antes e depois - Antes - Thiago Arantes Silva, depois - Ariadna

Do total das 11 pessoas tratadas, todas elas já concluíram, com sucesso, todas as terapêuticas envolvidas no processo de mudança de sexo: vaginoplastia, mastectomia, histerectomia e vaginectomia. Sendo um processo extremamente complexo, a sua conclusão poderá levar diversas sessões e o tempo de recuperação revelar-se relativamente longo. Os resultados, no entanto, costumam ser, na esmagadora maioria dos casos, bastante positivos, oferecendo assim ao paciente uma simulação quase perfeita do órgão sexual pretendido.

Ao contrário do que se pensa, o número de pessoas interessadas em proceder a uma mudança de sexo é surpreendentemente elevado. Na Unidade Reconstrutiva Genito-Urinária e sexual, encontram-se registados 110 doentes com perturbações de identidade sexual. Desses 110, 36 já foram avaliados, e possuem idades entre os 15 e os 60 anos, sendo que a média de idades é de 24 anos. Segundo Margarida Bastos, directora dos serviços de Endocrinologia, as perturbações de identidade do género masculino para feminino afectam 31% dos pacientes, sendo que os restantes apresentam perturbações de identidade no sentido inverso.

O processo é caracterizado por uma abordagem multidisciplinar, daí ser extremamente longo e complexo. Através da cirurgia plástica, é possível modelar eficazmente o corpo e adaptá-lo estética e funcionalmente ao sexo pretendido. Com os avanços médicos que se têm vindo a verificar no decorrer dos últimos anos, é agora possível atingir resultados passíveis de oferecer aos pacientes exactamente o corpo que pretendem. Ainda que estejam reunidos todos os meios necessários para a realização de cirurgias deste tipo, a verdade é que a esmagadora maioria dos pacientes com perturbações de identidade continua a preferir não levar a cabo qualquer tipo de cirurgia para a alteração de sexo.

Em muitos casos é aconselhado ao paciente um cuidado acompanhamento psicológico, quer antes, quer após a cirurgia, de forma a ajudar o paciente a lidar com possíveis conflitos interiores que possam estar a ocorrer. Ainda que, nos dias de hoje, tal aconteça cada vez menos, ainda muitos são os casos de discriminação social de que estes doentes são alvo, sendo essa a principal razão pela qual muitos resolvem guardar para si mesmo as suas perturbações de identidade, não chegando nunca a procurar levar a cabo qualquer tipo de modificação estética de carácter sexual.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 5:33 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)