Clara de Sousa

Maria Clara Marques de Sousa, mais conhecida por Clara de Sousa, é uma jornalista portuguesa, sendo na atualidade, um dos principais rostos da informação do canal privado SIC. Nasceu no Estoril, a 29 de Novembro de 1967. Frequentou o curso de Línguas e Literaturas Modernas, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Clara de Sousa tinha então como objetivo pessoal, tornar-se professora de português e de inglês.

Clara de Sousa Antes e Depois & Biografia

 

Quando frequentava ainda o primeiro ano do seu curso, corria o ano de 1986, estreou-se nos microfones da Rádio Echo, estação radiofónica que pouco tempo depois viria a adoptar o nome de Rádio Clube da Parede. Foi ali, que aprendeu a colocar um prato no giros discos. No Rádio Clube da Parede, Clara de Sousa deu provas de polivalência, fazendo ela própria a leitura das notícias, reportagens de rua, edição, gravação de spots publicitários e institucionais e ainda fazendo a condução de programas.

Contudo, o Rádio Clube da Parede era uma rádio pirata e como muitas outras, foi encerrada em Agosto de 1988. No processo de licenciamento e legalização posterior, não foi conseguida a licença. Em Novembro de 1989, foi convidada por Luís Montez, futuro diretor da Rádio Comercial e da Antena 3, para se juntar à equipa da Rádio Marginal, outra rádio da zona de Cascais que se conseguiu legalizar. Naquela rádio trabalhou com vários elementos que fariam carreira no jornalismo, como Jorge Moreira, Carla Jorge de Carvalho e José Figueiras.

Em 1992 tomou a decisão de se tornar jornalista profissional e pediu a carteira de jornalista. Na sequência da decisão foi nomeada Diretora de Informação da Rádio Marginal. Na sua passagem por aquela estação radiofónica, conduziu programas como “A Baía de Cascais” (emitido entre as 18h e as 20h), “Fim de tarde na Marginal” (também emitido entre as 18h e as 20h), e um programa dedicado ao soul e r&B, “Sonho Americano” (que era emitido entre as 18h e as 21h).

A sua estreia na televisão ocorreu em 1991, quando a produtora Videoplano a escolheu para apresentar o “Hé Desporto”, um magazine de desportos radicais emitido aos Sábados na RTP1, antes da hora de almoço. Para além de apresentar, Clara de Sousa fazia ela própria reportagem, locução e produção de imagem.

No final de 92, foi fazer testes para a função de jornalista e repórter na Televisão Independente (TVI), que iria iniciar emissão em breve. Contudo, os especialistas norte-americanos chamados para fazer o recrutamento e a seleção, escolheram-na diretamente para pivot do principal noticiário emitido ao fim-de-semana. O canal entrou em funcionamento a 20 de Fevereiro de 1983, e Clara de Sousa tornou-se o primeiro rosto da Informação da TVI.

Clara de Sousa ficou na TVI até finais de 1996, altura em que foi convidada para apresentar o Telejornal da Rádio Televisão Portuguesa (RTP). Para além do principal bloco noticiário da estação pública, apresentou também o 24 Horas e o “Cais do Oriente”, um programa de informação diário sobre a Expo 98.

Em 2000, Clara de Sousa completou o circuito televisivo nacional, ao mudar-se para a SIC. Com a abertura da SIC Notícias, o primeiro canal nacional inteiramente dedicado à informação, tornou-se pivot, do noticiário da hora do jantar. Na SIC Notícias apresentou também o Jornal das 9. Ao mesmo apresentou o Jornal da Noite, ao fim de semana, na SIC generalista.

A partir de 2004, foi colocada a apresentar diariamente o Primeiro Jornal da SIC. Teve ainda a oportunidade de se testar noutros registos, apresentando “Duelos Imprevistos” e o “Estado da Arte”. Na SIC tem assumido igualmente grande protagonismo ao ser escolha frequente para a moderação de debates, condução de entrevistas ou condução de noites eleitorais. Juntamente com José Alberto Carvalho, Clara de Sousa é a única jornalista portuguesa a ter conduzido os principais blocos noticiosos dos três canais de sinal aberto nacionais.

Atualmente, a jornalista é uma das faces do Jornal da Noite, juntamente com Rodrigo Guedes de Carvalho. Em 2007, fez parte do júri do programa Família Superstar, juntamente com o cantor e compositor Tó Zé Brito e com os também cantores, Sérgio e Nélson Rosado. Apesar das críticas de alguns colegas de profissão, que consideraram que a participação num programa de entretenimento poderia pôr em causa a sua credibilidade, a jornalista afirmou não ser refém da sua profissão e que havia chegado a altura de colocar de lado alguns preconceitos.

A sua participação no programa revelou-se um sucesso e acabou por abrir portas para que outras jornalistas lhe seguissem os passos. Pouco tempo depois, Dina Aguiar e Fátima Campos Ferreira, jornalistas da RTP, também aceitaram participar como juradas em programas do mesmo género.

Clara de Sousa foi casada com Francisco Penim, ex-Diretor de Programas da SIC Radical e da SIC, de quem se divorciaria após doze anos de matrimónio. O casal tem dois filhos, Manuel Penim e Maria Penim. Posteriormente manteve uma relação com o editor de imagem da SIC, André Marques. No período inicial, a jornalista fez questão de manter a relação em segredo, nunca assumindo publicamente a relação.

Até que em 10 Maio de 2009, depois de três meses de namoro, casaram-se em segredo, numa cerimónia discreta, em que só estiveram presentes pessoas próximas de ambos. Em Setembro de 2011, o casal colocou um ponto final na relação, que durou assim apenas dois anos.

Aos 39 anos de idade, Clara de Sousa foi surpreendida ao sereleita a Mulher Mais Sexy do País, numa eleição levada a cabo pelo jornal Correio da Manhã. Clara de Sousa foi também a primeira jornalista portuguesa a ter um Clube de Fãs oficial.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 4:18 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)