Como Cuidar do Bebê com HIV

Saber como cuidar do bebê com HIV é algo muito importante a ter em conta, pois se a doença já é grave e preocupante nos adultos, em bebês terá de ser tratada ainda com mais atenção e com mais cuidados.

Ao nível do tratamento geral ao bebê, este deverá ser sempre tratado como todos os outros bebês na maioria das coisas, para que possa ter um crescimento e um desenvolvimento natural e normal, sem grandes alterações de maior.

Contudo, o crescimento de bebês com HIV poderá ser atrasado e o seu sistema imunitário tende a nunca evoluir tanto como em casos em que os bebés são perfeitamente saudáveis e não possuem uma doença congênita deste género.

Desde logo é importante que tenhamos a noção que o contágio de HIV não é tão simples quanto isso.

Contacto físico com o bebê, partilha de talheres, abraços, brincadeiras, beijos, e até mesmo cuidados de higiene, não serão motivos de preocupação pois não são suficientes para que exista qualquer contágio.

De qualquer maneira, os cuidados especiais que deveremos ter com um bebê com HIV são os seguintes:

Alimentar o bebê sempre com leite materno. Esta opção deverá ser retirada caso a mãe seja portadora de HIV, sendo que neste caso o leite deverá ser um leite artificial e devidamente prescrito e aconselhado por um pediatra ou médico especialista;

Visitas ao pediatra com frequência são muito importantes, não só para que seja possível acompanhar a evolução do HIV como também para controlar potenciais infecções ou doenças que possam surgir fruto de um enfraquecimento significativo do sistema imunitário;

A utilização de leite em pó com fórmulas especiais para ajudar a fortalecer o sistema imunitário do bebé é bastante aconselhada, porque pode ajudar a compensar aquilo que o HIV enfraquece no sistema imunitário;

Os medicamentos para o HIV deverão ser sempre dados ao bebé e a sua posologia cumprida. Estes medicamentos deverão ser sempre prescritos pelo pediatra do bebé e as suas indicações de toma deverão ser rigorosamente seguidas;

Deve evitar-se que o bebé possa ficar doente por doenças de contágio de outras crianças. A proximidade a crianças com pneumonia, por exemplo, pode ser muito perigosa, já que o sistema imunitário do bebé com HIV pode não conseguir lidar de forma suficiente com este problema;

O plano de vacinação normal deverá ser seguido. No entanto, a vacina contra a tuberculose deverá ser evitada caso existam sintomas de SIDA, mas de qualquer modo convém sempre referir que o bebé tem HIV quando se trata de planos de vacinação para prevenir potenciais problemas.

A transmissão do vírus do HIV para outras pessoas, conforme já foi referido acima, é algo que não acontece com muita frequência.

Basta apenas que consigamos seguir um conjunto de práticas muito importantes para prevenirmos esse contágio.

Lavar as mãos variadas vezes por dia, manter todas as superfícies da sua casa limpas são dois exemplos de medidas importantes.

Fundamental também é a utilização de luvas descartáveis em situações que possam envolver o contacto directo com o sangue do bebé, porque o contacto com o sangue do bebé poderá sim levar ao contágio do HIV.

Em todo o caso, mesmo nas crianças que não tenham HIV as medidas aqui agora indicadas deverão ser igualmente seguidas, pois estes hábitos de higiene e limpeza são sempre importantes para evitar a passagem de doenças e possíveis infecções bacterianas ou por vírus e micróbios.

» Conheça Quais as Diferenças entre o HPV e HIV

Informações que lhe podem ser Úteis:

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 15/01/2018 às 10:53 horas por: Diogo