Conceber um filho – A gravidez sem maus hábitos

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018 - Publicado a 26 de junho de 2010

Em forma para conceber um filho.

Ainda não está demonstrado, mas alguns estudos apontam a possibilidade de que o tabaco, o álcool, o café e as drogas ilegais (incluindo o cannabis e a marijuana) diminuem a fertilidade do homem e da mulher. Esta é razão suficiente para abandonar o consumo destes produtos. Mas, além disso, todos eles são prejudiciais, de algum modo, ao organismo da mãe, quando o que se procura é melhorar as suas condições físicas.

O álcool, por exemplo, afecta o fígado e este deve estar preparado para enfrentar um esforço suplementar que pressupõe a gravidez: deverá filtrar o sangue do feto além do da mulher. Por outro lado, o tabaco repercute negativamente sobre o aparelho respiratório, o que afecta a oxigenação geral do organismo e a circulação do sangue. Se durante os meses que antecedem a gravidez conseguir deixar estes hábitos, a mulher evitará a angústia de renunciar a todos bruscamente. Porque já se demonstrou que afectam de forma negativa o feto.

Colocar o organismo em ordem

Tanto a obesidade como a magreza excessivas podem dificultar a concepção. Um grande excesso de peso desequilibra o sistema hormonal da mulher e chega a produzir alterações no ciclo menstrual da mulher. Em contrapartida, perante uma situação de desnutrição, o organismo pode considerar a gravidez como um risco desnecessário. O ideal seria iniciar a gravidez com o peso considerado normal (mais ou menos o que ultrapassa do metro, quer dizer, uns 60 quilos para uma mulher que meça 1,60). É recomendável começar a praticar desporto durante os meses que antecedem a gravidez. O exercício não só ajuda a controlar melhor o peso, mas também previne as descalcificações, tonifica os músculos, relaxa e estimula a oxigenação. Criando antes este hábito, será possível mantê-lo ao longo da gravidez, elegendo, claro está, exercícios permitidos durante a gravidez, como andar, nadar e fazer determinados exercícios.

Uma alimentação equilibrada

Tem que incluir alimentos de todos os grupos para garantir o aporte correcto de nutrientes. A dieta perfeita deve incluir cada dia um dos alimentos de cada um destes grupos: leite e derivados; carne peixe e ovos; batatas, legumes e frutos secos; verduras e hortaliças; fruta; pão, massas, cereais e açúcar; gorduras, azeite e manteiga.  Além disto, durante os meses que antecedem a gravidez é muito importante manter um bom nível de proteínas (influem na cicatrização e regeneração dos tecidos), evitar a hipervitaminose A (pode acontecer com mulheres que tenham tomado ácido retinoico para o tratamento do acne) , evitar algumas gorduras (toucinho, chouriço, bacon, morcela…) e assegurar-se que os níveis de ácido fólico são os adequados para prevenir possíveis malformações do feto.

Este composto (uma vitamina do grupo B) obtém-se através de alimentos, como ostras, espargos, espinafres, couves de Bruxelas, fígado, ervilhas, pão de centeio, ovos, cenouras… A levedura de cerveja também contém um alto conteúdo deste composto. A sua insuficiência agrava-se por diversos factores, entre eles, o consumo continuado de medicamentos, como anticoncepcionais, barbitúricos, sulfamidas e antibióticos. Os níveis são muito baixos nos casos de anemia ou alcoolismo. Como às vezes não é fácil ter o aporte necessário de ácido fólico com a dieta, é recomendável tomar uma dose baixa deste composto (0,4 mg/dia) dois ou três meses antes da gravidez. Se a gestação se atrasa, pode-se tomar durante três meses. Está provado que não tem nenhum efeito prejudicial para a futura mamã.

Parece lógico pensar que, se a mulher vai conceber durante nove meses um filho dentro de si, o seu organismo deverá estar nas melhores condições físicas possíveis para que a gravidez decorra com toda a normalidade.

O melhor é relaxar e ser feliz

Todos os ginecologistas tiveram casos de casais que, sem causa orgânica aparente, não conseguiram gerar um filho e, periodicamente, uma vez que abandonam a ideia e começam a pensar na adopção, surge a gravidez.. A mulher que queira ter um bebé deverá baixar o ritmo da sua actividade (o stress dificulta a concepção), dormir bem, desfrutar o mais possível de ar livre, dedicar-se a actividades agradáveis, praticar desporto… É permitido tudo que, não sendo prejudicial, contribua para o bem-estar geral e melhore o ânimo. O bem-estar psicológico e afectivo do casal é também um factor fundamental na hora em que se preparam para ter um filho.

Sexo para procurar um bebé
Durante os meses de preparação antes da gravidez, o mais indicado é utilizar métodos anticoncepcionais naturais. Nalguns casos, a gestação pode ser absolutamente contra-indicada (depois da vacina da rubéola, por exemplo). Se for assim, o método da temperatura ou o do muco cervical são úteis para evitar que se produza a gravidez antes do tempo previsto. Há que ser muito precavidos e considerar como dias de risco, os quatro anteriores e posteriores à ovulação. Para complementar estes métodos, nos dias férteis, o melhor é utilizar o preservativo (masculino ou feminino) ou o diafragma. No entanto, no caso da vacina da rubéola, o mais seguro é tomar 3 meses de pílula.

O ideal é ter relações sexuais sempre que a ambos os membros do casal lhes apeteça, sem qualquer programação. Unicamente, quando já decidiram ir ter o bebé, deverão considerar quais são os dias férteis da mulher. Se não detectaram problemas para que se produza a gestação (nem no homem nem na mulher), tão-pouco há que adoptar posturas estranhas para fazer amor, qualquer é boa para chegar à gravidez.