Conduta médica – Novo Código de Ética

Conduta médica – Novo Código de Ética prevê maior autonomia por parte do paciente

Desde o dia 13 de abril, está em vigor a sexta edição do Código de Ética Médica brasileiro, que não era atualizado há mais de 20 anos. O novo texto visa, entre outros pontos, criar uma maior autonomia ao paciente para decidir a que tipo de tratamento prefere se submeter. E ainda, de que forma os médicos devem agir em clínicas, consultórios e hospitais. Eles deverão informar todos os procedimentos a serem realizados, sejam clínicos, terapêuticos ou diagnósticos. No caso de algum impedimento por parte do paciente, um representante legal deverá ser ouvido.

Letra legível e bom senso
A partir de agora, os médicos têm que escrever de forma clara as receitas médicas e de exames. Quando o paciente não ficar satisfeito com a primeira avaliação e quiser procurar uma segunda opinião, o médico colaborará passando informações ao novo especialista; essa última recomendação tenta estabelecer uma melhor relação entre médicos e doentes.

Estreia no Código
A terapia genética é citada pela primeira vez no Código de Ética. A medida foi colocada no texto a fim de evitar a criação de embriões, com quais os pais possam escolher o sexo ou outras características específicas do bebê. A terapia é encarada como uma forma de tratar possíveis doenças.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 2:50 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)