Corrente Galvânica

Na estética o tratamento de estrias, acne, olheiras, desincruste (retirar a oleosidade), ionização facial e corporal, rugas, linhas de expressão e eliminação do excesso de sebo da pele são apenas alguns dos usos da corrente galvânica, direta, constante ou contínua, técnica esta com muitos outros fins terapêuticos nomeadamente em fisioterapia.

O termo “contínuo” indica que a intensidade de corrente é constante em valor e em direção.

A aplicação terapêutica da corrente contínua divide-se em: galvanização propriamente dita, e iontoforese (ionização).

Os efeitos terapêuticos de ambas aplicações são devidas, em grande parte, aos efeitos polares da corrente contínua sobre as células do organismo.

A corrente galvânica é uma forma de eletroterapia na qual temos um sentido único de corrente, onde os elétrons dirigem-se do pólo negativo em direção ao pólo positivo, a partir do circuito regenerador, criando assim duas áreas com dois pólos bem distintos.

A corrente galvânica é uma corrente de baixa frequência, com fluxo de elétrons constante sem interrupção nem variação de intensidade na unidade de tempo.

Esta corrente flui de forma unidirecional por pelo menos de um segundo, mas pode ser revertida, interrompida e conter rampas.

Por definição, corrente contínua não tem pulsos, portando não tem parâmetros de pulso ou de forma de onda. No estimulador corrente contínuo simples, não existe nem reversão da polaridade nem possibilidade de rampa.

A interrupção é feita manualmente com um interruptor existente no eletrodo de estimulação.

A corrente contínua em um circuito eletrônico simples é produzida por uma voltagem de magnitude fixa aplicada a um condutor com uma resistência fixa.

A fonte da força eletromotriz fixa (FEM) é a pilha, onde as reações químicas produzem um excesso de elétrons em um pólo (cátodo) e uma deficiência de elétrons no pólo oposto (ânodo).

A oposição à corrente no circuito é representada como um resistor. Quando o interruptor no circuito está fechado, os elétrons fluem da área de alta concentração (cátodo) para a área de baixa concentração (ânodo).

Esse fluxo, que é impedido pela resistência do fio, irá continuar até que a diferença de carga entre os terminais seja eliminada – quando as reações químicas dentro da pilha não podem mais fornecer elétrons livres para o terminal negativo.

Embora o movimento das partículas nesse circuito seja dos terminais negativos para os positivos, por convenção, movendo-se dos terminais positivos para os negativos.

EFEITOS DA CORRENTE GALVÂNICA

AÇÃO FÍSICO-QUÍMICA

Dissociação é um fenômeno mediante o qual as moléculas se dividem em seus diferentes componentes químicos pelo fato de cada um deles leva consigo carga elétrica diferente.

A iontoforese é o deslocamento das cargas para o pólo oposto; propriedade utilizada para introduzir radicais químicos.

A endosmose ocorre ao mesmo tempo em que os radicais químicos, também se deslocam as partículas fluídas e, por regra geral, seu deslocamento se efetua ao cátodo, onde, conseqüentemente se acumula mais quantidade de líquido provocando uma zona edemaciada, o que se aproveita para determinados tratamentos.

A alteração de eletrono ocorre quando a corrente galvânica altera a excitabilidade e condutibilidade do tecido tratado.

A ação estimulante encontra-se unida ao fator tempo de tal maneira que quanto mais rapidamente aumenta a intensidade, mais forte se apresenta à excitação enquanto que se este aumento se produz de forma lenta, a excitação ou estimulação não se apresenta, originando o fenômeno da acomodação.

A mudança de permeabilidade é bastante evidente na corrente contínua e parece um fator importante para a produção da acomodação. Ao lado do cátodo a membrana se relaxa, enquanto que ao lado do ânodo se tensiona (GUTMANN, 1991).

AÇÃO FÍSICO-TÉRMICO

Este efeito é produzido no tecido quando administramos a corrente, levando a um leve aquecimento tecidual. O efeito térmico será diretamente relacionado com a intensidade da corrente e tempo de aplicação.

AÇÃO BIOLÓGICA

O corpo humano atua como uma célula de polarização com a pele como capa terminal, produzindo uma resistência muito alta com uma enorme diferença de potencial.

EFEITO SOBRE OS NERVOS SENSITIVOS

A corrente galvânica, ao ser aplicada no tecido produz inicialmente uma sensação de cócega ou comichão; conforme vamos aumentando a intensidade a sensação passa para um leve formigamento, que recrudesce à medida que aumentamos a intensidade, passando para uma sensação de agulhada, ardência e dor.

REAÇÕES VITAIS

A hiperemia é mais intensa no cátodo, aparecendo como edema, já no ânodo origina um aplanamento da pele. As parestesias podem ser subjetivas e objetivas ao empregar intensidades médias.

Ocorrem hiperestesias no ânodo e hipoestesias no cátodo.

A narcose galvânica se dá ao colocar o ânodo em posição cefálica e o cátodo na periferia que produz uma corrente descendente que desencadeia este efeito.

A excitação espástica é um efeito inverso ao anterior. A vasodilatação ocorre devido a hiperemia ativa prolongada que ocasiona uma reatividade vasomotora.

Tem efeitos: bactericida, antiinflamatória, analgésica, tonificação muscular (GUTMANN, 1991).

EFEITO ANALGÉSICO

A corrente galvânica aumenta o limiar de excitabilidade das fibras nervosas sensitivas, levando a uma diminuição dos estímulos dolorosos.

Produz analgesia pela diminuição da pressão nos lugares congestionados, uma vez que a fuga de líquido ocorre do pólo positivo para o negativo.

A diminuição da acidez também ocorre com a analgesia (MACHADO, 1991).

EFEITO ESPECIAL DA CORRENTE GALVÂNICA

A corrente galvânica produz uma diminuição do limiar de excitabilidade das fibras nervosas motoras, levando a uma maior capacidade de reação e função.

As fibras nervosas motoras reagirão mais efetivamente, elevando sua função, principalmente nos casos de paresias e atrofias.

RISCOS DA CORRENTE DIRETA

Devido à baixa frequência, a corrente direta pode causar acidentes. Por exemplo, queimaduras cutâneas por seu efeito eletrolítico.

INDICAÇÃO DA CORRENTE GALVÂNICA:

PÓLO POSITIVO:

Artrite na fase crônica), artralgia, caiatalgia, distensão, bursite, dores lombares, lombalgia, mialgia, neuralgia, neurite e tendinite.

PÓLO NEGATIVO:

Artrose, contusão, distensão, fibrose,hidratação tecidual, transtornos tróficos, doença de Raynaud.

Esta é uma técnica usada também para tratar os excessos de gordura localizada, celulite e flacidez através da eletroforese, que consiste na aplicação do polo positivo da corrente galvânica.

O que Procura?

Esta matéria tem 3 Comentários
  1. IONE PINHEIRO GODOI Reply

    ESTOU FAZENDO CURSO DE ESTETICA FACIAL E CORPORAL E ESTAMOS ESTUDANDO SOBRE CORRENTE GALVANICA.NOSSA…..COMO E IMPORTANTE TANTO NA ESTETICA QUANTO NA AREA DE MEDICINA

  2. maria Reply

    como é possível que ponham uma foto a fazer corrente galvânica com uma pessoa com um piercing de metal no nariz? sendo esta uma corrente electrica e podendo provocar QUEIMADURAS à cliente?
    inacreditável

  3. Layza Reply

    . Adoreeei pois, estou cursando Estética e Cosmética, estudo sobre corrente galvânica, é tuuudo muito importante!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *