9 Efeitos Colaterais dos Remédios Para Dormir: Os Medicamentos mais Viciantes que Deve Conhecer

É fácil tomar um remédio para dormir se está com dificuldades para adormecer. Infelizmente, os comprimidos para dormir têm muitos efeitos secundários que os tornam perigosos.

Pode acabar por sentir sonolência durante o dia, pesadelos, alucinações ou até mesmo dores de cabeça e dores corporais leves ou mais fortes.

Existe também o risco de ficar dependente ou ficar viciado em alguns desses medicamentos O seu uso indevido pode levar ao coma ou morte, portanto deve saber exatamente naquilo onde se está a meter.

Distúrbios no sono ou na vigília afetam 50 a 70 milhões de adultos nos Estados Unidos.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (Centers for Disease Control and Prevention – CDC) já lhe chamou de problema de saúde pública.

E, embora algumas pessoas tentem sobreviver com menos horas de sono e ignorem o cansaço, estresse e problemas de saúde que acompanham o sono insuficiente ou mais curto, os comprimidos para dormir oferecem descanso para muitas outras.

Infelizmente, estes comprimidos não são nenhuma cura milagrosa e trazem os seus próprios problemas.

9 Efeitos Colaterais Dos Remédios Para Dormir, Os Medicamentos Mais Viciantes Que Deve Conhecer

Antes de tentar resolver os seus problemas de sono com comprimidos para dormir prescritos, aqui estão algumas coisas que deve saber.

Como Funcionam os Comprimidos para Dormir?

Existem essencialmente dois tipos de medicamentos para dormir com receita médica.

As benzodiazepinas da velha guarda, como o lormetazepam, diazepam, temazepam, nitrazepam ou loprazolam, atingem uma variedade de recetores no cérebro que promovem o sono.

Infelizmente, estes comprimidos tendem a ser viciantes.

A nova geração de comprimidos para dormir são medicamentos seletivos de ácidos gama-aminobutíricos, nonbenzodiazepinas ou agonistas recetores de melatonina, e atingem recetores mais específicos do que as benzodiazepinas.

São menos viciantes mas também têm os seus efeitos secundários.

As pílulas para dormir sem receita médica são, geralmente, medicamentos como anti-histamínicos, cujo principal objetivo não é ajudar ninguém a adormecer – a sonolência que causam é um efeito secundário casual da medicação.

Estes também têm os seus efeitos secundários.

Dados recolhidos de uma pesquisa nacional revelaram que cerca de 4 porcento dos adultos na casa dos 20 anos ou mais nos Estados Unidos utilizaram medicação para dormir com receita médica no mês anterior à pesquisa.

A pesquisa não inclui os inúmeros outros que utilizam anti-histamínicos e medicação para dormir sem receita médica. Se é um deles, aqui estão algumas coisas com as quais deve ter cuidado.

Efeitos Secundários dos Remédios para Dormir

Comprimidos Para Dormir

  • Sonolência diurna
  • Alucinações e pesadelos
  • Agravamento da apneia do sono
  • Dependência e vício
  • Dores corporais leves e fortes
  • Aumento do risco de demência
  • Riscos de uso impróprio

Os médicos normalmente evitam receitar estes remédios a não ser que a sua insônia seja realmente grave e não tenha respondido ao tratamento cognitivo/comportamental.

São também vistos como uma solução a curto prazo para a insónia e nunca são recomendados para uso a longo prazo por causa dos seus efeitos secundários potencialmente arriscados.

Aqui estão alguns dos problemas que as pessoas que tomam qualquer tipo destes medicamente podem enfrentar.

Sonolência diurna

Os medicamentos para dormir são conhecidos por causar sonolência durante o dia em algumas pessoas, o que pode confundi-lo.

Tomar decisões e ficar concentrado pode tornar-se um desafio. Algumas pessoas dizem sentir-se tontas e sonolentas no dia seguinte a ter tomado os comprimidos para dormir.

Para pessoas mais velhas que tomam comprimidos para dormir, existe um risco adicional.

Por causa do tempo que o seu corpo demora a digerir o medicamento, ele mantém-se mais tempo no seu organismo. Pode acordar e sentir-se um pouco instável de pé ou sentir-se confuso e atordoado.

Alucinações e pesadelos

Medicamentos como zaleplon, zopiclona e zolpidem (também denominados medicamentos-Z) são receitados por um curto período de tempo que pode ir de duas a quatro semanas.

Podem causar ilusões ou alucinações em algumas pessoas. Outras pessoas queixam-se de pesadelos depois de utilizarem estes comprimidos.

Agravamento da apneia do sono

Se sofre de apneia do sono, os remédios para dormir podem piorar esse problema.

A apneia obstrutiva do sono é uma condição que faz com que as suas vias respiratórias fiquem parcialmente ou totalmente bloqueadas quando está a dormir, fazendo com que acorde de repente quando os níveis de oxigénio no corpo diminuem.

Isto faz com que tenha uma noite de sono muito agitada por estar constantemente a acordar.

Infelizmente, os cmedicamentos, que pensa que podem ajudá-lo a dormir melhor, podem ainda piorar as coisas. Benzodiazepinas e barbitúricos são conhecidos por terem esse efeito.

Dependência e vício

Com o passar do tempo, pode desenvolver tolerância aos medicamentos, o que faz com que tenha de aumentar a dose do remédio para conseguir o mesmo efeito de antes.

Este aumento na ingestão torna-o mais suscetível a todos os efeitos secundários.

Pode até ficar completamente dependente e achar que não consegue dormir se não os tomar.

Os fármacos com receita médica são especialmente notórios pela sua natureza viciante.

Se parar de os tomar de repente depois de um longo período a tomá-los, pode também sentir sintomas de abstinência, como transpiração, náuseas ou tremores.

Dores corporais leves e fortes

A medicação para dormir baseada em melatonina tem sido conhecida por melhorar a insónia regulando o ciclo do sono.

No entanto, podem também causar dores de cabeça ou desenvolver dores nas costas ou nas articulações.

Interferência entre medicamentos

Existe uma preocupação no que toca à interferência entre determinados medicamentos, especialmente analgésicos prescritos com remédios para dormir.

Quando combinados com drogas para dormir, como as benzodiazepinas, podem resultar em depressões respiratórias ou até mesmo coma ou morte, o que fez com que a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (Food and Drug Administration – FDA) quisesse fazer mudanças nos rótulos dos medicamentos e informações dos pacientes em toda esta classe de medicamentos.

Se isto for em frente, tanto os pacientes como os profissionais de saúde estarão mais informados do sério risco de combinar benzodiazepinas com alguns medicamentos opióides, como analgésicos ou medicamentos para a tosse.

Aumento do risco de demência

O consumo de benzodiazepinas tem sido associado ao risco elevado da doença de Alzheimer, o que fez com que os pesquisadores sugerissem que o uso a longo prazo deste medicamento devia ser abordado como um problema de saúde pública.

O excesso de risco está associado ao consumo de benzodiazepinas bem como outros medicamentos similares, como ansiolíticos e hipnóticos, por um período superior a três meses.

A regulamentação de quanto consome torna-se especialmente crítica se for idoso.

Risco de mortalidade

Por mais chato que possa parecer, algumas pesquisas sugerem que tomar medicamentos hipnóticos para ajudar com problemas de sono podem aumentar o seu risco de mortalidade.

Esses medicamentos incluem anti-histamínicos, barbitúricos, benzodiazepinas e medicação como zolpidem, temazepam, zaleplon e eszopiclona.

Estima-se que cerca de 6 a 10 porcento de todos os americanos adultos têm usado medicamentos hipnóticos para tratar os seus problemas de sono em 2010.

Mesmo com menos de 18 comprimidos por ano, os comprimidos podem aumentar em três vezes o risco de morte.

Para aqueles que tomam entre 18 e 132 doses por ano, o risco de morte é de quatro ou cinco vezes maior do que para alguém que não toma qualquer comprimido.

Para aqueles que consomem mais de 132 doses por ano, a ingestão de medicamentos também aumenta o risco de câncer, para além de aumentar em cinco a seis vezes mais o risco de morte.

Riscos de uso impróprio

Se planeia tomar remédios para dormir sem receita médica, como anti-histamínicos, deve evitar envolver-se em qualquer atividade importante.

Idealmente, deve apenas deitar-se e ter uma boa noite de sono.

O mesmo se aplica a qualquer medicamento para este objetivo, incluindo aqueles com receita médica.

Se tomar os comprimidos e continuar a sua rotina normalmente, coloca-se a si e aos outros em risco de danos corporais.

Operar máquinas, conduzir ou até mesmo sair de casa depois de tomar um comprimido para dormir é perigoso.

Se estiver desorientado e atordoado, reagir pode tornar-se um processo lento e pode até mesmo diminuir as suas capacidades, o que pode ser perigoso se estiver, por exemplo, a conduzir.

Pode também fazer um mau julgamento em pequenas coisas, como atravessar a rua ou utilizar qualquer tipo de equipamento em casa.

Dicas Naturais para Dormir Melhor sem Remédios para Dormir

Dicas Naturais Para Dormir Melhor

Estas pílulas mágicas não são assim tão boas como as pessoas dizem/pensam. Na verdade, de acordo com alguns estudos sobre o sono, eles podem ajudá-lo a adormecer apenas 8 a 20 minutos mais rápido do que se não os tomasse.

No geral, eles podem ajudá-lo a ter 35 minutos de sono extra nas noites em que os toma. Então, precisa perguntar a si mesmo se os comprimidos são realmente necessários. E se não forem, quais são as suas outras opções?

Aqui estão algumas dicas simples e naturais que o irão ajudar a dormir melhor.

  • Decida uma hora para se deitar e para se levantar e planeie o seu dia de acordo com isso para garantir que cumpre os horários.
  • Crie uma rotina para fazer antes de se deitar. Um banho quente, uma música calma ou um bom livro e uma luz mais suave podem ajudar a ter uma boa noite de sono.
  • Retire os seus aparelhos eletrónicos de perto e concentre-se em relaxar a mente. Um livro ou uma música calma são alternativas melhores.
  • Não coma demasiado perto da hora de se deitar.
  • Não consuma cafeína, álcool e nicotina nas horas antes de se deitar. Idealmente, deve evitar qualquer um deles durante pelo menos 5-6 horas antes de dormir.
  • A terapia comportamental cognitiva pode ajudar a aprender hábitos, incluindo técnicas para se acalmar, que permitem que durma melhor.

Referências

https://www.fda.gov/
https://www.sleepassociation.org/
https://www.health.harvard.edu/sleep/
https://www.sleepassociation.org/sleeping-pills/
https://www.cdc.gov/features/dssleep/index.html
http://www.nhs.uk/Conditions/Insomnia/
https://www.cdc.gov/nchs/
http://www.aarp.org/health/
http://www.bmj.com/content/349/bmj.g5205
http://bmjopen.bmj.com/content/2/1/e000850
https://aasm.org/resources/pdf/
http://www.ummidtown.org/

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 15/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 15/01/2018 às 11:04 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)