Gramado – Brasil, Rio Grande do Sul

Gramado não parece Brasil. Parece antes um pedacinho de Europa transplantado para o coração da serra gaúcha. Uma aldeia bávara no hemisfério sul, com casinhas de madeira, gente alta e loura, neve no Inverno, nevoeiro o ano todo e muita, muita chuva. Em Gramado não há praia, nem samba, nem mulatas. Nem sequer futebol. Mas isso não impede esta cidadezinha de ser uma das maiores atracções turísticas do Brasil.

Lago Negro

Gramado é uma espécie de Disneylândia serrana. Tem luzes penduradas nas casas, desfiles nas ruas, música nas esquinas. É limpa, arrumadinha, florida. Prussianamente organizada, mas com um jeitinho maroto dos trópicos que consegue transformar qualquer pequeno ajuntamento de pessoas numa festinha com “glamour”. Ali bebe-se chá nas esplanadas da rua coberta, comem-se biscoitos e bolos capazes de fazer inveja às melhores pastelarias austríacas, acendem-se lareiras em casas que parecem de brinquedo.

A cidade, situada a 115 quilómetros de Porto Alegre, vive do turismo e para o turismo. É hoje o principal destino turístico do Estado do Rio Grande do Sul e o quarto do Brasil, ficando apenas atrás do Rio de Janeiro, Salvador e S. Paulo. Tem pouco menos de 30 mil habitantes permanentes, mas recebe 2,5 milhões de turistas por ano. É obra! No total existem 130 hotéis e pousadas, que oferecem mais de nove mil camas, mais de mil lojas e, segundo a última contagem da Prefeitura, mais de 110 bares e restaurantes, a maioria de comida italiana e alemã. Pastas, polenta, pizzas, cannellonis, lasagna e muito, muito queijo. Chocolate de grande qualidade e muito vinho, não só proveniente da Europa e do Chile, mas também produzido nas quintas das redondezas, em especial na vizinha cidade de Bento Gonçalves.

Os festivais são as maiores atracções da cidade. O mais conhecido é o festival de Cinema de Gramado, que leva à cidade em Agosto actores e actrizes de todo o Brasil, mas também da América Latina e da Europa. Nesses dias a população da cidade quintuplica, como conta o prefeito Pedro Henrique Bertolucci (nome mais cinéfilo era difícil…). Antes do Natal ocorre o Festival do Turismo, organizado pelas incansáveis Marta Rossi e Silvia Zorzanello, o qual já se transformou na maior mostra do sector no Brasil.

Decoração natalina

Segue-se o Natal Luz de Gramado, um evento que se prolonga por dois meses e que atrai milhares de visitantes de todo o país e também da vizinha Argentina. Aliás, Natal em Gramado é sempre que o Prefeito quiser, e a julgar pelas iluminações permanentes nas casas, Bertolucci é o fã número um do “Papai Noel”, aqui também conhecido como o “O Bom Velhinho”. E dar de caras com uma estrela da Globo, uma “socialite” famosa do Rio ou de S. Paulo, ou um político conhecido é uma coisa normal nesta cidadezinha cosmopolita.

A sete quilómetros de Gramado fica a rival cidade de Canela, mais desarrumada e menos rica, mas talvez por isso mais genuína. Parcialmente colonizada por portugueses idos dos Açores (em contraste com Gramado, erguida por alemães e italianos), Canela tem um ar de cidadezinha parada no tempo, com uma grande praça, muitas árvores uma igreja matriz imponente. Na estrada que liga as duas cidades ficam situadas as principais atracções turísticas, alguns restaurantes interessantes, muitos hotéis e casas de marroquinaria, onde se podem comprar sapatos e casacos de cabedal a um terço do preço que custam em Portugal. E as hortênsias estão por todo o lado, tornando a paisagem estranhamente familiar

O que fazer

Desfrutar da calma de Gramado. Descansar na Rua Coberta (é impossível não dar com ela), provar os chocolates, os bolos e os biscoitos, ir ao cinema. As noites devem ser guardadas para as festas nos hotéis, que duram até às tantas e têm fama de juntar as pessoas mais bonitas do Brasil. A melhor maneira de descobrir a cidade é a pé, mas para ir a Canela convém contratar um táxi por cerca de dois euros.

Imperdível é a visita ao Parque Knorr e à Aldeia de Papai Noel. No Museu do Chocolate, na Avenida das Hortênsias, pode provar o famoso chocolate com pimenta (que é de facto delicioso) e apreciar o maior coelho de chocolate do mundo. Gramado quase não tem história, por isso abundam locais com tradições importadas, como o Museu do Perfume, o Hollywood Dream Cars ou o inacreditável Museu do Fumaça, um monumento ao “kitsch” que reconstitui um acidente de comboio ocorrido em Paris no século XIX.

Com uma queda de água de mais de 131 metros de altura, o Parque do Caracol é um dos locais mais visitados nas vizinhanças de Gramado. No meio da mata, um elevador de vidro transporta os visitantes até a copa das árvores, oferecendo uma vista deslumbrante. Ao lado fica o Parque da Ferradura, com um desfiladeiro com 400 metros de profundidade. Para repor as forças, nada melhor que o Castelo do Caracol, uma construção em estilo alemão que oferece um delicioso “apfestrudel” (tarte de maçã).

Alojamento – Hoteis e Pousadas

Há muita oferta em Gramado, mas no Natal e na época dos Festivais as camas não chegam para toda a gente. O Fotosantesedepois.com ficou no Hotel Serra Azul, a dois passos da Rua Coberta, com uma diária de cerca de 100 euros. Mas quem visitar a cidade fora da época alta não terá dificuldade em encontrar alojamento para todas as bolsas, destacando-se o Hotel Serrano e a Casa da Montanha. Uma boa (e barata) alternativa é procurar alojamento em casas particulares. Nos principais hotéis é fácil alugar um carro a preços moderados. As estradas são boas, o policiamento é discreto mas eficiente e reina a segurança.

Restaurantes

Mais uma vez, a dificuldade é escolher. De qualquer forma, aqui ficam algumas sugestões:

Tio Muller, Avenida Borges Medeiros 4029, tel. 286-2899, comida alemã.

Tarantino, Avenida das Hortênsias, tel. 286-9757, comida italiana.

Il Piacere, Avenida Borges Medeiros 1989, tel. 286-1937, churrasco gaúcho.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 4:13 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)