Gravidez – Corpo – Como somos por dentro

Como somos por dentro

Em determinados ocasiões é necessário assomar ao interior do corpo humano para estudar determinadas doenças, diagnosticá-las, indicar o tratamento mais adequado em cada caso e, posteriormente, supervisionar os resultados. As técnicas de diagnóstico por imagem permitem aos especialistas aceder a este mundo secreto.

Embora os pediatras tenham em consideração a história clínica e os resultados do exame à criança, para decidir quais as provas que são mais adequadas em cada caso, tentam sempre efectuar, em primeiro lugar, as que sejam menos agressivas para os pequenos pacientes. Estas são algumas das técnicas de diagnóstico por imagem mais comuns.

=>Nenhuma destas provas está directamente relacionada com uma doença concreta, pelo que o pediatra é quem deve decidir qual é a adequada em cada situação, em função do caso e das características da criança.

TÉCNICAS QUE PERMITEM VER O NOSSO INTERIOR

RADIOGRAFIA

Características da radiografia
Consiste na reprodução sobre uma placa fotográfica dos órgãos e demais mecanismos internos do nosso organismo, mediante a acção de um feixe de raios X que atravessa a parte do corpo interposta entre a frente de raios e a placa mencionada. A qualidade da imagem que se obtém depende da densidade do elemento atravessado: quanto mais denso for, menos raios deixa passar. Daí que os ossos sejam os órgãos que melhor se vejam nas radiografias. Habitualmente, a imagem impressiona-se numa placa fotográfica, mas já existem sistemas de recolha de dados digitais que se podem imprimir em papel ou numa transparência. Nestes novos métodos a dose de radiação necessária para conseguir a imagem é menor.

Em determinadas ocasiões, o especialista necessita de fazer uma radiografia de uma parte do organismo que não é visível para os raios. Nestes casos faz-se uma radiografia de contraste, que consiste em introduzir no organismo (por via intravenosa, oral ou rectal) uma substância que absorve muita radiação e torna opaco o órgão, deixando-o visível.

Quando se empregam as radiografia?

Para detectar muitos dos problemas relacionados com os ossos (fracturas, pés planos, displasia da anca ou desvios da coluna, entre outros).

A radiografia do pulso permite ao pediatra conhecer a idade óssea da criança e comprovar se corresponde à sua idade real.

Ver o tecido pulmonar quando é necessário, e diagnosticar problemas respiratórios (pneumonia, bronquite…) e malformações pulmonares.

Detectar problemas abdominais (como uma obstrução ou perfuração intestinal, a prisão de ventre, a apendicite ou a presença de pedras nos rins).

Diagnosticar vegetações adenóides e sinusites.

Localizar corpos estranhos no interior do corpo, ingeridos acidentalmente pela criança (botões clipes…).

Ver os problemas do coração.

Preparação
Nalgumas radiografias de contraste o paciente tem de estar em jejum.

Inconvenientes das radiografias
Os raios X são radiações electromagnéticas. Mas, nas doses que se empregam actualmente não têm porque provocar efeitos adversos. Não obstante, convém proteger os genitais sempre que seja possível.

Vantagens da radiografia
A radiografia é uma prova muito simples e um instrumento útil de diagnóstico para os médicos. Constitui um método muito bom para ver os ossos e as partes menos densas do organismo. Além disso, a sua interpretação é relativamente simples, facilitando por isso o estudo.

ECOGRAFIA

Características da ecografia
É uma prova acessível, económica e nada agressiva, que permite obter uma imagem anatómica através do som. O emissor desse som, chamado transdutor, lança ondas ultra-sónicas (ondas sonoras de alta frequência que o ouvido humano não capta) para o interior do corpo que chocam com as estruturas internas do nosso organismo e regressam em forma de eco. Este eco é transformado numa imagem que permite ver, através de um écran, o interior do nosso organismo. O transdutor tem de estar em contacto directo com a pele, pelo que se aplica nela um gel aquoso que impede a interposição de ar ou outro material.

Quando se emprega a ecografia?

Durante a gravidez, para detectar malformações do feto.

Para diagnosticar a displasia da anca no recém-nascido.

No diagnóstico de apendicites, determinadas infecções urinárias, malformações nos rins, hipertrofia do piloro (um problema relativamente frequente nas crianças com menos de quinze dias) e obstruções intestinais.

Quando a fontanela anterior não fechou aos dois anos, a ecografia da cabeça permite descartar a existência de um tumor ou uma malformação.

Preparação para a ecografia
Nas ecografias abdominais tem de estar em jejum e/ou com a bexiga cheia para que os restos alimentares não dificultem a visão dos órgãos. Quando a criança é muito pequenina, convém fazer a ecografia antes que urine.

Inconvenientes
A falta de pequeno-almoço ou a retenção da urina e nalguns casos, a sensação do contacto do gel frio sobre a pele.

Vantagens da ecografia
Não é necessário que a criança esteja totalmente quieta, e normalmente não exige uma preparação especial. É rápida, fácil e indolor e não utiliza radiação. É ideal para o exame pediátrico.

ENDOSCOPIA
Características da endoscopia: Consiste em introduzir uma sonda contendo uma luz e uma objectiva microscópica pelo nariz, pela boca, pelo recto ou pela uretra, ou através de uma pequena incisão, quando os órgãos a estudar não forem acessíveis por estes orifícios naturais. Usam-se diferentes medidas dependendo do tamanho das crianças e diferentes calibres para cada tipo de endoscopia.

Quando se emprega a endoscopia?

Para visualizar os brônquios (broncoscopia), o ouvido (otoscopia), etc.

A endoscopia do tubo digestivo (esofagoscopia, colonoscopia, gastroscopia…), para diagnosticar úlceras e gastrites.

Preparação para a endoscopia

Na esofagoscopia e na gastroscopia é preciso estar em jejum; na colonoscopia é preciso limpar o recto através de dieta, clisteres… Em alguns casos é necessário dar sedativos à criança, pelo que deve estar em jejum.

Inconvenientes

É uma prova incomodativa e desagradável. A gastroscopia pode provocar náuseas e sensação de falta de ar.

A endoscopia do cólon pode produzir distensão abdominal e gases passageiros.

Vantagens

Permite ver o interior com grande precisão e extrair amostras de tecido para diagnosticar a doença e decidir o tratamento. Não emprega radiação. E Graças a esta técnica podem tratar-se com cirurgia não agressiva problemas que antes requeriam cirurgia tradicional.

TAC
Características: A tomografia axial computadorizada (mais conhecida como TAC) realiza-se dentro de um largo tubo chamado «gantry», onde se introduz o paciente deitado numa cama própria. Um fino raio X vai fazendo uma volta de 180º ao redor do corpo de maneira contínua. No extremo oposto, a placa radiográfica recolhe a informação. Os dados são enviados para um computador que os converte em imagem bidimensional, o que permite identificar e localizar as lesões com mais facilidade e precisão que na radiologia convencional, onde todas as estruturas se sobrepõem.

Quando se faz um tac?

Embora se possa utilizar em todo o tipo de patologias, os médicos só a solicitam em casos muito concretos. Normalmente é pedida depois de ter passado por outras provas e quando se requer uma maior precisão.

Para localizar com exactidão um tumor ou uma malformação.

Nos grandes traumatismos (por exemplo, depois de um acidente de trânsito).

Para complementar os resultados da radiografia simples e a ecografia no estudo do conteúdo intra-abdominal.
Preparação

Quando é preciso injectar contraste intravenoso ou oral, a criança deve estar em jejum.

As crianças pequeninas podem precisar de anestesia ou sedação.

Convém proteger os genitais.

Inconvenientes do tac

Demora mais tempo do que uma radiografia convencional pelo que a radiação que se recebe também é maior (cerca de 17 vezes mais). Por isso, é mais perigosa e exige colaboração do paciente, que deve permanecer muito quieto.

Vantagens do tac

Muito útil para o diagnóstico. Separa com muita precisão e nitidez as diferentes estruturas corporais.

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Características: O paciente introduz-se no mesmo tubo que se utiliza para o TAC. Também é uma análise computadorizada que dá como resultado uma imagem no écran do computador. Embora neste caso se baseie em complicados processos relacionados com os campos magnéticos dos átomos. Trata-se de um instrumento de diagnóstico muito útil, uma vez que as imagens são inclusivamente mais precisas que as que se conseguem com o TAC e com a ecografia.

Quando se emprega a ressonância magnética?

Embora se possa aplicar em todos os campos, normalmente reserva-se para determinar a localização exacta de um problema (tumor, malformação, lesão intracraniana), especialmente se o paciente necessita de uma intervenção cirúrgica posterior.

Estudos cerebrais e da medula espinal.

Ver lesões musculares que não se possam diagnosticar com a ecografia.

Estudar os sistemas circulatório ou linfático.

Preparação

A criança deve estar em jejum para se submeter à anestesia.

Inconvenientes da ressonância magnética

Torna-se muito cara.

O tempo de exploração é maior do que noutras provas, uma vez que os computadores demoram algum tempo a processar a imagem.

As crianças mais pequeninas necessitam de sedação ou anestesia.

Vantagens da ressonância magnética

É mais preciso do que os raios X e o TAC.

Emprega radiações magnéticas

Contra indicações da ressonância magnética

A ressonância não se pode levar a cabo em adultos com “pacemaker” nem em crianças com clips metálicos de cirurgia vascular ou qualquer outro implante metálico.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 3:00 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)