Hiperemese Gravídica - Estudo identifica predisposição genética - Fotos Antes e Depois
Fotos Antes e Depois

Hiperemese Gravídica – Estudo identifica predisposição genética

Atualizado em 13 Janeiro 2018

Estudo identifica predisposição genética da hiperemese gravídica.

Investigadores do Instituto Norueguês de Saúde Pública, em Oslo, descobriram que a hiperemese gravídica pode ser transmitida de mãe para filha. O estudo, publicado no British Medical Journal, dia 29 de Abril, foi realizado com os dados do registo norueguês de nascimentos entre 1967-2006 e englobou mais de 2, 3 milhões de gravidezes. Os resultados demonstraram que as filhas que nasceram após uma gravidez complicada por hiperemese tiveram um risco acrescido de 3 por cento de sofrer desta perturbação na sua própria gravidez, enquanto as mulheres que nasceram após uma gravidez sem este problema apresentaram um risco de 1, 1 por cento.

As parceiras dos filhos que nasceram depois de gestações complicadas por hiperemese tiveram, por sua vez, um risco de 1, 2 por cento. Já as filhas que nasceram após uma gravidez não complicada por hiperemese tiveram um risco aumentado da doença, quando a mãe sofreu de hiperemese na gravidez anterior ou posterior. Os investigadores noruegueses concluíram que a hiperemese gravídica é mais fortemente influenciada pelo genótipo materno do que pelo genótipo fetal, embora as condicionantes ambientais ao longo da gravidez não possam ser excluídas como factores contribuintes.

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *



Seguir fotosantesedepois.com

Siga-nos na rede social Facebook e receba dicas sobre os temas de saúde mais atuais.

Facebook Fotos Antes e Depois
Receber Dicas de Saúde?

Se está interessado/a em receber no seu Email, dicas de saúde, remédios caseiros..., subscreva a nossa newsletter.

Contacte-nos

© 2018 Fotos Antes e Depois | Politica de Privacidade