Hiperemese Gravídica – Estudo identifica predisposição genética

Estudo identifica predisposição genética da hiperemese gravídica.

Investigadores do Instituto Norueguês de Saúde Pública, em Oslo, descobriram que a hiperemese gravídica pode ser transmitida de mãe para filha. O estudo, publicado no British Medical Journal, dia 29 de Abril, foi realizado com os dados do registo norueguês de nascimentos entre 1967-2006 e englobou mais de 2, 3 milhões de gravidezes. Os resultados demonstraram que as filhas que nasceram após uma gravidez complicada por hiperemese tiveram um risco acrescido de 3 por cento de sofrer desta perturbação na sua própria gravidez, enquanto as mulheres que nasceram após uma gravidez sem este problema apresentaram um risco de 1, 1 por cento.

As parceiras dos filhos que nasceram depois de gestações complicadas por hiperemese tiveram, por sua vez, um risco de 1, 2 por cento. Já as filhas que nasceram após uma gravidez não complicada por hiperemese tiveram um risco aumentado da doença, quando a mãe sofreu de hiperemese na gravidez anterior ou posterior. Os investigadores noruegueses concluíram que a hiperemese gravídica é mais fortemente influenciada pelo genótipo materno do que pelo genótipo fetal, embora as condicionantes ambientais ao longo da gravidez não possam ser excluídas como factores contribuintes.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 2:46 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)