Imperatória

Publicado por Drª Caroline Vallinhos (Nutricionista Clínica e Estética) a 11 de abril de 2012 - Atualizado em 15 novembro 2018

Imperatória, o seu nome científico “ostruthium”deriva do grego “ostranthium” que se traduz, grosso modo, por força suprema. Os romanos diziam-na medicinal e milagrosa, afirmavam que tinha o poder de fazer ver os cegos. A questão impõe-se: que características e benefícios tem esta planta que a torna tão especial?

Convictos de que a Natureza nos dava tudo o que necessitávamos para a sobrevivência, impulsionados pela necessidade e motivados pela constatação prática das propriedades curativas das plantas, os nosso antepassados possuíam um vasto conhecimento na área da fitoterapia e cedo começaram a utilizar infusões da Imperatória no combate a diversas patologias.

O método era simples e arcaico, no entanto, ainda hoje é utilizado: depois de fervida a água, junta-se-lhe raízes da Imperatória cortada em pedaços.

A Imperatoria L. é um género botânico pertencente à família Apiaceae.

Benefícios da Imperatória para a saúde e propriedades medicinais

Das características benéficas que lhe identificaram, as que se salientam são as seguintes:

– Estimulante das glândulas digestivas, salivares e intestinais bem como estimulante de apetite;
– Altamente diurética;
– Tônico estomacal;
– Anti- espasmódica, tanto no nível uterino como estomacal;
– Favorece o impedimentos da supuração de feridas;
– Calmante, contribui para diminuir a frequência de ataques de epilepsia;
– Combate a dor (nelvralgia) ligeira como a dor de cabeça na sequência de uma gripe.

Hoje são, maioritariamente, os agricultores suíços os responsáveis pela produção e proteção desta espécie; plantam a Imperatória de uma forma ambientalmente sustentável vendendo-a posteriormente à indústria da cosmética que não podia deixar de aproveitar as propriedades curativas da Imperatória.

A planta é por esta industria manipulada e a sua utilização nas formulações de produtos cosméticos é bastante comum e abrange um largo espectro de acção:

– Protege a pele das agressões climatéricas. É usada nomeadamente na formulação de cremes pós-exposição solar;
– Hidrata e possuí imensas propriedades antioxidantes;
– Reduz as rugas promovendo a vitalidade e a elastecidade da pele;
– Suaviza a textura da pele;
– Facilita o tratamento de marcas de cicatrizes.
– Funciona como adstringente.

Enquanto sociedade dita evoluída e quanto mais pesquisamos sobre a utilização que os nossos antepassados davam a muitas plantas e verificamos a sua acção, mais questionamos a nossa evolução e arrogância – somos esmagados pelas evidências.