Imunidade

Imunidade

Até meados do século passado, incursõeses epidêmicas assolavam, periodicamente, com resultados catastróficos, certas regiões do mundo civilizado. Umas, como acólera; sobrõssaíam por seu elevado índice
de letalidade, ao passo que outras, õcomo a varíola, ressaltavam pelas cicatrizes com que estigmatizavam a fisionomia de suas vítimas. Um horror à vaidade feminina! Verificou-se que essas moléstias costumavam poupar aos que elas já tinham, antes, acometido violentamente, e que muitos organismos resistiam diretamente aos primeiros ataques da doença, mas nínguém imaginou que esse fenômeno se tornaria a chave da teoria da imunidade.

Imunidade é a propriedade que tem um organismo vivo de ficar a salvo de determinada doença. Afirma-se que a imunidade pode ser adquirida ou natural. A primeira, que muito interessa à Medicina oficial, é chamada “ativa’ quando aparece após a doença ou inoculação artificial e é “passiva” quando resulta da aplicação do mes ou de suas toxinas; e soro de um organismo imunizado contra determinada infecção.

A segunda imunidade, que pode ser relativa ou absoluta, pouco interessa à Medicina oficial, mas muito interessa aos que desejam cultivá-la para poderem contar com uma resistência eficaz contra as enfermidades. É com esta que se ocupa a presente obra.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 2:25 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)