Vulcão Katla

A natureza na Islândia é a principal razão para a maioria dos turistas que a pretendem visitar. Os limites das placas tectónicas tornam a Islândia um país de grande atividade vulcânica e de geologia diversificada. Os glaciares cobrem mais de 10% da Islândia e com  8.000 km², Vatnajokull é o maior glaciar da Europa.  A vida selvagem consiste principalmente em aves, embora as águas islandesas sejam também ricas em mamíferos marinhos, como baleias e focas.  As luzes do norte (aurora polar) também são um fenômeno natural, muitas vezes visto na Islândia.

Vulcão Katla

O vulcão Katla é um dos maiores vulcões da Islândia. Situa-se a norte de Vík í Mýrdal e a leste do glaciar mais pequeno Eyjafjallajökull. O seu cume atinge os 1512 metros de altura e é parcialmente coberto pelo glaciar Mýrdalsjökull (o quarto maior da Islândia), que tem uma área de 595 m2. O desfiladeiro Eldgjá faz parte do mesmo sistema vulcânico. A caldeira tem 10 km de diâmetro e está coberta por 200 a 700 metros de gelo.

16 erupções foram documentadas entre 930 e 1918, com intervalos de 40 a 80 anos. Não teve erupções significativas nos últimos 92 anos, apesar de terem ocorrido erupções menores que não partiram a cobertura de gelo em 1955 e 1999. A libertação de lava na maior explosão (em 1755) estimou-se entre 200000 a 400000 m3/s, o que é comparável às libertações combinadas dos rios Amazonas, Mississipi, Nilo e Yangtzé.

As erupções catastróficas tiveram Índice de Explosividade Vulcânica (IEV) entre 4 e 6 (a escala varia entre 0 e 8). Em termos comparativos, a erupção de 2010 de Eyjafjallajökull teve um IEV de 4. Os maiores IEV de nível 6 correspondem a erupções comparáveis às de Pinatubo (Filipinas) em 1991. O nome Katla deriva da palavra ketill, que significa caldeirão – referindo-se à forma do vulcão. O vulcão Katla também é usado como o equivalente feminino do primeiro nome.

Actividade Pré-Histórica

Pensa-se que o vulcão Katla está na origem das cinzas Vedde, mais de 6 a 7 quilómetros cúbicos de cinzas e piroclastos, datados de 10600 anos Antes do Presente, encontrados em vários locais, incluindo Vedde na Dinamarca, Noruega, Escócia e centros no Norte Atlântico.

Actividade Histórica

Foram registadas 16 erupções do Katla desde 930. A última grande erupção ocorreu em 1918 (IEV de nível 5)m apesar de terem ocorrido outras erupções menores em 1955 e 1999. A erupção de 1918 resultou numa extensão de mais 5 km da costa sul por causa de depósitos originários de um lahar (deposição de fluxos compostos por material piroclástico, rocha e água). O repouso vulcânico desde 1918 está entre um dos mais longos da história.

As principais erupções ocorreram em:

• 934 – Com Índice de Explosividade Vulcânica entre 5 e 6; 5 km3 de piroclastos e 18 km3 de lava
• 1580 – Com Índice de Explosividade Vulcânica de 4
• 1612 – Com Índice de Explosividade Vulcânica de 4
• 1625 – Com Índice de Explosividade Vulcânica de 5; teve a duração de 13 dias
• 1660 – Com Índice de Explosividade Vulcânica de 4; teve a duração de aproximadamente 60 dias.
• 1721 – Com Índice de Explosividade Vulcânica de 5; teve a duração de aproximadamente 100 dias.
• 1755 – Com Índice de Explosividade Vulcânica de 5; 1,5 km3 de material expelido; libertação de lava entre 200000 e 400000 m; teve a duração de aproximadamente 120 dias.
• 1823 – Com Índice de Explosividade Vulcânica de 3; teve a duração de 28 dias.
• 1860 – Com Índice de Explosividade Vulcânica de 4; teve a duração de 20 dias.
• 1918 – Com Índice de Explosividade Vulcânica de 4 ou 5; cerca de 0,7 km3 de material expelido; teve a duração de 24 dias.

A maior parte destas erupções resultou em cheias glaciais catastróficas. A grave erupção fissural de 934 que libertou 5 km3 de piroclastos e 18 km3 de lava foi uma das maiores erupções de lava dos últimos 10000 anos. Antes da rodovia nacional Hringvegur (estrada à volta de todo o país) ser construída em 1974, a população tinha medo de atravessar os planos à frente do vulcão por causa dos frequentes jökulhlaup (em português, “corridas glaciares”, formam-se na erupção de um vulcão em contacto com um glaciar; o gelo derrete e forma-se uma espécie de lago coberto por uma fina capa gelada). A explosão glaciar que seguiu a erupção de 1918 foi especialmente perigosa.

Actividade no Presente

O vulcão Katla tem dado sinais de agitação desde 1999, e os geólogos consideram que poderá ocorrer uma erupção num futuro próximo. A monitorização tem sido intensificada particularmente desde as erupções de Março de 2010 de um vulcão vizinho mais pequeno – Guðnasteinn – situado debaixo do glaciar Eyjafjallajökull. A erupção ocorrida tão perto do vulcão longamente adormecido em Março e Abril de 2010 deixou os geofísicos assustados, uma vez que pode levar a uma explosão maior e mais perigosa do Katla. Nos últimos 1000 anos, todas as três erupções conhecidas de Eyjafjallajökull levaram a erupções subsequentes do Katla.

Seguindo as erupções de Eyjafjallajökull em 2010, a 20 de Abril de 2010 o Presidente Islandês ÓlafurGrímson disse que “a altura de o Katla entrar em erupção está a chegar… nós (Islândia) estamos preparados… está na hora dos governos europeus e mundiais e autoridades aéreas se começarem a preparar para uma eventual erupção do vulcão”. A actividade de terramotos tem notado um aumento em Katla desde a erupção em Eyjafjallajökull, mas não foram observados nenhuns outros sinais de erupção iminente. Estes tremores de terra dão-se sobretudo na margem a noroeste da caldeira. A 9 de Outubro de 2010, um aumento inesperado de tremores harmónicos foi observado nas estações à volta de Katla, sinais de uma erupção iminente.

Desde Junho de 2010, os vulcanologistas continuam a monitorizar o Katla, cientes de que qualquer erupção deste último sucedendo uma erupção de Eyjafjallajökull, ocorreu com um intervalo de meses depois da erupção de Eyjafjallajökull. O Escritório de Meteorologia da Islândia actualiza o seu site várias vezes com relatórios de terramotos em Eyjafjallajökull e Katla.

Estragos

Com as erupções sucessivas ainda que espaçadas, muitas quintas e terrenos foram destruídos na sequência de erupções do Katla, sendo uma de 1311 recordada como particularmente devastadora. Segundo as histórias contadas, um agricultor chamado Sturla sobreviveu com o filho ao agarrar-se a um iceberg que mais tarde foi ter à costa. Uma outra erupção do séc XVIII matou várias pessoas, enquanto outras estiveram perdidas em montanhas que se transformaram em ilhas por causa das cheias causadas.

Na última erupção do Katla, em 1918, icebergs do tamanho de casas foram vistos a flutuar até ao mar. Mais recentemente, em 1955 e 1979, ocorreram cheias, mas não erupções. No futuro, qualquer erupção poderá causar nova destruição de quintas, campos e gado nas áreas próximas do vulcão devido às cheias. Como nunca existiu uma erupção a grande escala na era moderna, devido às cinzas que serão libertadas na atmosfera, é provável que as linhas aéreas sejam fechadas de modo a não danificar os aviões.

Caracteristicas:

País: Islândia
Nome da Sub-região: Reykjavik
Número vulcão: 1702-1703 =
Tipo de vulcão: Vulcão Subglacial
Status vulcão: Histórico
Elevação Cimeira: 1512 m 4.961 pés
Latitude: 63.63°N 63 ° 38’0″N
Longitude: 19,05 ° W 19°3’0″W

Video:

Sugestões de Leitura:

Vulcão Hekla

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 4:01 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)