Matosinhos

Matosinhos é uma cidade costeira e apresenta uma dualidade muito interessante. Por um lado, é centro urbano por excelência, por outro, o rural predomina de uma forma muito marcante. A modernidade está presente na arquitectura, com edifícios e obras de Siza Vieira, no movimento provocado pelo progresso industrial e no comércio. Mas as referências oitocentistas e os quarteirões onde se construíram solares e casas para a comunidade piscatória, subsistem também. As igrejas estão presentes e marcam épocas e estilos bem definidos e variados. Mas o maior contraste está entre Matosinhos e Leça da Palmeira, antiga aldeia de pescadores transformada, no século XIX, em estância de férias. Aqui vive-se essencialmente do turismo, devido às convidativas.

A localização litoral de Matosinhos reflecte-se em toda a cultura da região; a cozinha à base de peixe e mariscos é apenas um exemplo. As festas, as tradições e o culto são tão antigos como o próprio concelho e não pretendem acabar nos próximos tempos.

Esta cidade ribeirinha onde se situa o maior porto de pesca do país, porto de Leixões, está ligada também a grandes personalidades como Abel Salazar, António Carneiro, Florbela Espanca e muitos outros.

Monumentos

Igreja do Senhor Bom Jesus de Matosinhos

A igreja primitiva data do século XVI, mas foi totalmente remodelada no século XVIII. A actual compõe-se de três naves, separadas por cinco arcadas de volta inteira, assentes em colunas jónicas. O tecto é revestido a painéis de madeira e a capela-mor a talha dourada. Encontra-se nesta igreja uma das mais antigas imagens de Cristo, trata-se da imagem do Bom Jesus de Matosinhos. Esta imagem está associada a uma lenda antiga que atribui a escultura a Nicodemus.

Senhor do Padrão

Foi erguido no local onde apareceu a imagem do Senhor de Matosinhos. Tem a forma de um prisma quadrangular, com arcos abertos nas quatro faces laterais. Na parte superior existe uma abóbada com oito pirâmides e uma cruz no vértice. No interior estão representados os quatro evangelistas. No centro está um crucifixo com datas gravadas, ao que tudo indica do ano em que apareceu a figura.

Igreja de Leça da Palmeira (séc. XVI; o documento mais antigo que se refere ao seu aparecimento é de 1553; em 1790 foi reconstruída pela Universidade de Coimbra; guarda relíquias interessantes, imagem de nossa Senhora da Conceição, cruz em prata dourada do séc. XVIII) – Leça da Palmeira

Forte de Nossa Senhora das Neves (Séc. XVII; foi construído no reinado de D. João IV, após a Restauração da Independência, tinha o objectivo de defender a costa) – Leça da Palmeira

Quinta da Conceição (constituída por capela, claustro e fontes; a cerca do antigo convento de Nossa Senhora da Conceição está hoje transformada em parque municipal)- Leça da Palmeira

Tanques de Salga (remontam à época da romanização e destinavam-se à salga do peixe;. foram descobertos em Setembro de 1965 e classificados como Monumento Nacional, em 1970) – Lavra

Igreja da Lavra (Séc. XVIII; projecto do mestre-pedreiro Domingos Pires de Matos; foi remodelada no ano de 1926; revestida por talha e azulejos) – Lavra

Igreja Matriz (séc. XVIII; possui duas torres; brasão do Bispo do Porto D. Jerónimo de Venezes; capela-mor revestida por talha) – Perafita

Castro e Ponte medieval (castro luso-romano; ponte medieval de três arcos; atravessa o rio Leça)- Guifões

Homem da Massa (escultura de um homem romano em granito; situa-se entre as capelas de Nossa Senhora da Livração e de São Sebastião)- St.ª Cruz do Bispo

Mosteiro de Leça do Baldio

Foi construído em 1336. É um templo romano-gótico e foi sede da Ordem de Malta na Península. A frontaria, voltada a poente, está ladeada pela alta torre de granito. Na capela-mor existe uma estátua orante, da escola dos barristas de Coimbra do século XVI. Na capela do forro, está a lâmina de bronze que recorda a vida do reedificador do mosteiro Frei Estêvão Vasques.

Igreja de S. Mamede de Infesta (estilo barroco)

Ponte de D. Goimil (românica composta por um só arco; atravessa o rio Leça) – Custóias

Museus

Casa Museu de Santiago (casa senhorial do séc. XVIII; no primeiro piso existe uma exposição de mobiliário dos sécs. XVIII e XIX; no segundo piso está uma mostra permanente de pinturas de António Carneiro, Agostinho Salgado e Augusto Gomes; possui jardim e bar)

Casa Museu Abel Salazar – São Mamede de Infesta

A Casa-Museu de Abel Salazar está instalada no edifício do século XIX, onde viveu e trabalhou o professor e artista. Esta ‘casa’ é património da Fundação Abel Salazar e é museu desde 1954. No rés-do-chão estão em exposição esculturas, colecções de desenhos e pinturas a óleo. No primeiro andar foi recriado o ambiente em que viveu o Mestre.

Paisagem Natural

Praia de Matosinhos (prática de desportos náuticos como vela, windsurf, surf e Motonáutica, entre outros)

Praias (propícias à prática de desportos náuticos; grande afluência no Verão)- Lavra, Parafita, Leça da Palmeira de Lavra.

Festas e Feiras

Festa dos Pescadores (último domingo de Julho)

Feira dos Golfinhos (4.º domingo de cada mês)

Festas da Senhora da Hora (Páscoa) – Boa Hora

Festa de Nossa Senhora de Fátima (Agosto) – Lavra

Realiza-se de dois em dois anos (anos ímpares), no quarto domingo de Agosto e é feita especialmente pelos pescadores. Começa no sábado com uma procissão de velas. No domingo há missa solene e bandas de música a percorrer toda a freguesia. À tarde é a procissão com o andor e as crianças da comunhão solene. Sai da igreja e vai até à praia de Angeiras onde tudo está enfeitado incluindo as embarcações. De salientar também a passadeira de flores construída num raio de 3 quilómetros.

Romaria do Senhor de Matosinhos (Domingo do Espírito Santo)

Realiza-se no Domingo do Espírito Santo, no sábado anterior, na segunda e na terça-feira seguintes. É uma das maiores romarias do Norte do país e as comemorações são várias, desde o desporto, fogo de artifício, manifestações culturais, acabando com a missa solene. Esta festa tem lugar na Igreja Matriz de Matosinhos, onde os altares estão decorados com flores naturais.

Gastronomia Tradicional

Sardinhas Assadas no Forno com Sal

Ingredientes:

sardinhas grandes

sal

Colocar bastante sal numa assadeira de barro grande. A seguir colocam-se as sardinhas sem lavar e com a barriga voltada para cima. Devem ficar separadas umas das outras e bem envolvidas no sal. Vão ao forno cerca de 30 minutos. Acompanhar com batatas e sacudir o sal antes de servir.

Outros pratos tradicionais

Santola Recheada

Lagosta estufada

Caldeirada de Peixe

Caldeirada de Sardinhas à Moda de Leça

Arroz de Marisco

Doçaria

Broinhas de Leixões

Torta de Noz

Doce de Ovos

Vinhos

Vinhos Verdes com Denominação de Origem Controlada:

brancos e tintos (Silvino Moreira & Filhos )

O que Procura?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *