Medo do desconhecido

Publicado por Equipe Editorial a 9 de abril de 2011 - Atualizado em 13 janeiro 2018

Medo do desconhecido:

Uma das coisas mais importantes que aprendemos na vida e, às vezes uma das mais dolorosas, é que nada permanece igual, tudo está sempre a mudar. A idade, os empregos, a saúde, a disposição, a família e os amigos, a natureza, nós próprios, nada se manterá como foi um dia ou como é agora.

Há pessoas que dão as boas vindas a estas mudanças, desejam-nas e estão preparadas para elas. Outras, pelo contrário, não lidam muito bem com a mudança e com as coisas novas. Gostariam que muitas coisas ficassem com estão, seja porque gostam delas assim ou porque têm medo do que poderá vir se elas mudarem.

O medo do desconhecido faz parte da humanidade desde sempre. Há uma sensação de possível ameaça àquilo que somos e temos em cada passo novo, em cada novidade que arriscamos, em cada situação que não conhecemos. Temos medo de perder o que já conquistámos e não ganhar nada de novo.

Isto passa por coisas tão simples como alguém que tem medo de conduzir porque advinha, antes de sair de casa, todas as situações em que não se vai sair bem, como estacionar ou perder-se num sítio que não conhece. Ou como pais perante as escolhas arriscadas dos filhos, ou alguém que deseja muito mudar de emprego mas a quem parece tudo tão difícil. Inúmeras situações que parecem vir a par e passo com o receio.

Os homens ao longo dos tempos não se deixaram dominar pelo medo do desconhecido, do que poderá acontecer e não se deixaram ficar presos à indecisão. Nem nós devemos; não é uma questão de nos precipitarmos, de não procurarmos pensar no que fazemos, mas uma questão de não deixar a nossa vida parar por causa do receio.

Toda a pessoa tem capacidades de lidar com o inesperado, com os aspectos incertos do futuro; podem não saber que as têm e não acreditar nelas próprias mas não quer dizer que serão piores que outros quando decidem arriscar e dar um passo em frente. Este passo em frente não tem nada de extraordinário, é uma decisão de querer melhorar a vida – isso é o que torna tudo tão especial.