Nem muito gorda nem excessivamente magra durante a Gravidez

Nem muito gorda nem excessivamente magra durante a gravidez – O peso da mulher, se for excessivo, pode ter repercussões sobre o bom desenvolvimento do embrião e do feto.

No caso das mulheres obesas, porque podem sofrer problemas com o açúcar (diabetes), o que supõe um risco para o futuro bebé, que poderia nascer com defeitos congénitos do sistema nervoso central, coração, coluna, extremidades inferiores, etc.

Nas mulheres com uma magreza excessiva, porque podem ter deficiências nutricionais que também colocam em perigo o desenvolvimento embrio-fetal, dando lugar ao aparecimento de, por exemplo, espinha bífida.

Por isso, as mulheres obesas devem planificar as suas gravidezes e dirigir-se ao médico para que determine se têm problemas com o açúcar e estabeleça um controlo pertinente antes de que se produza a gestação. Deste modo, poder-se-á controlar o problema diminuindo o risco de diabetes ou pré-diabetes. Não se devem seguir dietas para emagrecer salvo que sejam prescritas pelo médico que tenha conhecimento de que a mulher está grávida ou planeando uma gravidez.

As mulheres que são muito magras também devem planificar as suas gravidezes e dirigir-se quanto antes ao seu médico para descartar que existam deficiências nutricionais. Neste caso, o médico determinará a dieta mais apropriada e o tratamento pertinente para corrigir as carências antes de que se produza uma gravidez. É muito importante que fique claro que toda a mulher que planeia uma gravidez ou que está grávida deve seguir dietas recomendadas pelo médico a quem terá informado de que espera conceber um filho ou que já o concebeu; nunca deve seguir dietas sem controlo.

Geralmente, qualquer mulher, embora não tenha problemas de peso, desde que planeia uma gravidez deve seguir uma alimentação adequada em qualidade e equilibrada em quantidade e componentes, e consumir de todos e de cada um dos seis grupos de alimentos básicos. Ou seja, leite e seus derivados; hortaliças e vegetais; legumes e batatas; frutas e derivados; carnes e derivados; peixes e ovos, cereais, massas e açúcar.

Quer dizer, deve ter uma alimentação saudável e equilibrada (como a dieta mediterrânica), uma vez que isto ajuda a prevenir defeitos congénitos e propicia que a criança nasça saudável.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 3:07 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)