O que detecta realmente a ecografia

O que detecta realmente a ecografia.

Ainda não há uniformidade no que concerne ao número de explorações « na Sociedade Espanhola de Ginecologia e Obstetrícia, recomendamos três ecografias, ao longo da gravidez», diz o Dr. José Manuel Bajo Arenas , Chefe do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Universitário de Getafe.

Estas três explorações coincidem com cada um dos trimestres de gestação. Assim, a primeira deve fazer-se entre a oitava e a duodécima semana posterior á primeira falta.(Não está correcto falar de gravidez, pois a ecografia pode revelar a sua inexistência). A segunda, entre a décima oitava e a vigésima semana de gestação. Por último, uma terceira entre a trigésima quarta e a trigésima sexta semana , como última avaliação ao parto.

Poderiam realizar-se mais, pois tratam-se de provas inócuas quer para o feto quer para a mãe, mas entraríamos numa discussão acerca da sua utilidade, e não menos importante, do seu custo.« Numa informação norte-americana questionava-se inclusivamente as três de rotina», comenta o Dr. Bajo Arenas. Mas estamos a falar de um serviço suportado por uma companhia de seguros, que provavelmente só repara no seu custo. O que temos de exigir de cada exploração, é o que realmente pode dar. É importante que a mãe esteja documentada sobre o que está a fazer e os resultados que se podem exigir de cada ecografia.

Ver o rosto do feto, ainda que não esteja de frente, é uma das vantagens da ecografia a três dimensões. Além disso permite detectar problemas que poderão passar dissimulados numa ecografia tradicional, tais como: espinhas bífidas ou lábios leporinos.

O que revela realmente A ECOGRAFIA

A primeira das três explorações, pode ser realizada por obstetras não especializados propriamente em ecografias ( em centros de saúde ou ambulatórios). Serve para comprovar que o embrião está no seu lugar e que não se produziu nenhuma gravidez ectópica ( fora da cavidade uterina), ao mesmo tempo que se assegura a presença do ritmo cardíaco. Além disso, permite datar a gestação, quer dizer, saber de quanto tempo está grávida a mulher..

Medindo a longitude do feto, desde a parte superior da cabeça às nádegas, pode ainda saber-se a data provável do parto, com uma margem de erro que pode ir de três a seis dias; deverá fazer-se esta avaliação antes da duodécima semana, pois mais tarde a flexão da coluna impede uma medição exacta.
Por outro lado, facilita o diagnóstico de problemas na gestação (quistos no ovário, ameaças de aborto…). Comprova-se ainda se é uma gravidez única ou gemelar.

Duas possibilidades

Existem ainda, duas formas de realizar esta ecografia, sobre o abdómen ou por via vaginal, recomenda-se a segunda. « Vê-se tudo maior e melhor», comenta o Dr. Bajo Arenas. «É como trabalhar com um microscópio. A sonda aproxima-se da parede uterina para obter imagens mais fiáveis, começando pelo estudo morfológico do feto».

Confirmar a integridade leva o seu tempo

«Tudo isto, é impossível de realizar em menos de meia hora», explica o Chefe do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia Do Hospital Universitário de Getafe, « Pois, tratam-se exames de detecção. Por exemplo; comprovar a normalidade cardíaca de um feto, é comparável a medir a de um adulto que se mova numa casa às escuras… Como tal, urge explicar aos pais, que devido á massificação da saúde pública, a ecografia que se lhes efectuou e que não durou mais de dez minutos, não é realmente de alta resolução, e por isso não serve para assegurar a integridade fetal».

Nalguns casos, nem sequer serve para verificar correctamente o sexo do bebé. Seja pela apresentação do feto, o líquido amniótico, a placenta ou a obesidade da mãe…, não se consegue facilmente observá-lo . Assim, de vez em quando, uns pais esperam uma menina e encontram-se com um belo rapazinho na sala de partos. « Se conseguires ver o pénis, não tenhas duvidas; mas se não o conseguires ver, é porque não existe e se trata-se de uma menina ou porque está escondido até ao último momento, ainda que seja um menino ».

A finalidade da ecografia que se realiza á grávida durante o terceiro trimestre é a de comprovar o crescimento fetal ( e como tal, excluir um possível atraso de crescimento intra-uterino); localizar a colocação da placenta (alta, baixa, marginal ou prévia); visualizar o cordão umbilical para comprovar que não está a rodear o pescoço do feto; avaliar a quantidade de líquido amniótico; e obter informações sobre a posição e apresentação do feto desde agora até ao momento do parto.

Pode-se ainda, calcular o peso aproximado. Medindo o diâmetro biparietal da cabeça e o perímetro abdominal, dependendo das semanas de vida do feto, o resultado compara-se com as tabelas estabelecidas. Na hora do parto, é uma grande ajuda saber que a medida do crânio do bebé é maior que a da pélvis da mãe , para poder actuar rapidamente em conformidade com a situação.

A um médico da segurança social, que faz mais de meia centena de ecografias numa manhã, não se lhe pode exigir que veja em cinco minutos, o mesmo que um obstetra em várias consultas e com todos os exames ao seu alcance.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 3:07 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)