O Que fazer para evitar birras ás horas das Refeições

Fazer com que as crianças comam depende muito do estímulo e da criatividade. Conheça algumas tácticas que podem evitar as birras dos seus filhos à mesa e transformar o tormento das horas de refeição em prazer e diversão para toda a família

É ponto assente: a maior parte das crianças não simpatiza com comida e principalmente depois do primeiro ano de vida começam a fazer birras à hora da refeição – porque não querem comer, porque não gostam disto ou daquilo, da cor, da forma ou até dos nomes dos alimentos. Antes que perca a paciência com a choradeira e parta para atitudes de força, lembre-se de algumas dicas que podem ajudar nesta batalha de vontades e apetites. Tome nota de três exemplos de sucesso.

Outros nomes

O Rui, por volta dos 3 anos, detestava sopa com nabos. Não comia “aquilo”, pronto! E a birra era daquelas de fugir a sete pés. Um dia, a mãe, num laivo mais de desespero do que de inspiração divina, disse-lhe que aquela sopa era de cenourinhas brancas. E puft, milagre! O único problema foi ele ter passado a gostar tanto daquele novo prato que o menu lá de casa passou a ser menos variado. Quanto aos nabos, sabe-se lá porquê, continuou a odiá-los. Por muito tempo.

Outras cores

Já o Marinho, ainda tão pequenino de quase mal saber expressar-se mas com vasto currículo de birras para comer, sentou-se um dia à mesa, olhou fixamente para o prato e com as lágrimas a assomarem aos olhos protestou: “Arroz amarelo, não!” Tinha começado a ladainha das refeições, agora por causa de uma cor. Dizer-lhe que o açafrão usado como tempero dera cor mas não alterara o paladar do alimento que tinha à sua frente era inútil naquela idade. Um pouco hesitante, o pai contou-lhe uma história. A do arroz, que por vir de muito, muito longe, da China, apanhava muito sol até chegar ao prato dele e, daí, o seu tom “bronzeado”. E que na China todos os meninos bem queriam comer o arroz daquela cor, mas o deles era branco, porque não apanhava sol. Não foi uma história brilhante, é certo, mas resultou, pois enquanto a ouvia, o Marinho ia abrindo a boca e comendo o que tinha à sua frente.

Outras formas

Francisca não apreciava nada do que lhe pusessem no prato. Carne, peixe, legumes, era tudo “não presta”, “não quero”, “não gosto”. A sua boca permanecia fechada como uma ostra. Já saturada com as fitas da filha, mas ainda sem perder a esperança, a mãe lembrou-se de um pormenor muito simples: os miúdos – tal como os adultos, afinal – comem com os olhos e um prato atraente e divertido estimula o apetite. E fez a experiência: transformou uma porção de arroz numa cara, com uma cenoura fez um nariz, uma rodela de tomate tomou o lugar da boca e para os olhos arranjou dois feijões. Umas tiras de alface transformaram-se numa exuberante cabeleira verde. O boneco estava pronto e “olhava” fixamente para o bife que estava ao seu lado “com vontade de comê-lo”, disse a mãe. Foi tiro e queda: Francisca começou uma corrida para ver quem era mais rápido e, claro, foi a grande vencedora!

A fazer e a evitar

Obviamente que se tiver de puxar pela imaginação sempre que os seus filhos se recusarem a comer, não tarda quem começa a fazer birras é você. Mas não há razão para chegar a este estado de coisas, principalmente se seguir à risca dois aspectos fundamentais: incutir nas crianças, desde tenra idade, hábitos alimentares correctos e evitar certas atitudes.

Vamos, primeiro, aos hábitos:

Não se esqueça de um mandamento incontornável: a hora da refeição é sagrada. Este mandamento exclui a possibilidade de deixar o seu filho trocar a cadeira à mesa pelo sofá da sala, em frente do televisor. Ou seja, as refeições devem ser feitas à mesa, junto com o resto da família.

Mesmo que não queira comer mais, a criança deve permanecer sentada, podendo, talvez deliciar-se com uma história contada por si. Assim, além de distrai-la, essa atitude irá fomentar o diálogo familiar.

Lembre-se: o importante não é a criança comer tudo o que lhe põe no prato, mas antes alimentar-se em doses suficientes, retirando daí o máximo de nutrientes indispensáveis ao crescimento.

Não se esqueça que também já existem no mercado produtos feitos especialmente para as crianças ? já a pensar nestes conflitos diários à mesa entre pais e filhos ? que não descuram o aspecto nutritivo. Bons exemplos são os douradinhos, os hambúrgueres e os nuggets, entre outros. Proporcione-lhes uma refeição deste tipo de vez em quando e verá como o prato fica vazio num ápice!

E, agora, às atitudes que deve evitar:

Quantas vezes proferiu frases do tipo: “Se comeres o peixe todo, o pai leva-te ao jardim”? Mas olhe que não vale a pena. Além de estar a ensinar as crianças a comer pelos motivos errados, o mais frequente é elas resistirem com boca de ferro à “chantagem”. A verdade é que, na maior parte das vezes, a criança recusa-se a jantar simplesmente porque, naquele momento, não tem apetite. Por isso, não se preocupe: as suas reservas são limitadas, pelo que, no dia seguinte, a fome já será outra.

Não caia no erro de encher o prato do seu filho. Em primeiro lugar, e ao contrário do que possa acontecer com um adulto, é natural que uma criança não se deslumbre com um prato cheio de comida. Antes de pegar no garfo, vai dizer que já está cheia. Portanto, o truque é alimentá-la com pequenas porções, repartindo-as várias vezes ao dia.

Nunca ceda à tentação de lhe dar alimentos mais “fáceis” para substituir a refeição. Se o seu filho não comeu o bife e o arroz, não lhe dê bolachas ou chocolates, pois isso apenas servirá para adiar a resolução do problema, além de que este tipo de produtos não constitui a base de uma alimentação saudável, devendo o seu consumo ser limitado. Experimente guardar antes o bife e o arroz e dar-lhos quando ele tiver fome e pedir comida. Ou então, opte por aqueles Talvez funcione.

Histórias de jantar

Já foi dito que a criatividade é meio caminho andado para evitar birras à mesa e despertar o apetite dos seus filhos. Por isso, aqui fica mais uma estratégia que pode adoptar quando eles dizem que não querem comer.

Por exemplo, se a criança diz que não gosta de sopa de feijão verde, experimente contar-lhe histórias. Convença-a de que aquele feijão verde que acabou de comer era o Cocas (ou qualquer outro desenho animado verde) e que os outros bocadinhos de feijão verde, que estão no prato são amigos dele. Se ela não comer tudo, o Cocas vai ficar muito sozinho, sem os amigos, e não podem fazer uma grande festa que já estava marcada na barriga dela.

Também pode dizer que as personagens favoritas dela adoram aqueles alimentos. Sirva a sopa do Mickey, o empadão do Winnie de Pooh, o sumo do Pokémon, os espinafres do Popeye e a fruta da Barbie. Ela vai ficar animada e querer comer tudo o que os seus ídolos comem.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 3:16 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)