O significado do nome

Revisado por Equipe Editorial a 13 janeiro 2018 - Publicado a 30 de junho de 2010

O significado do nome

A composição do nome, tal como o conhecemos hoje, ou seja, o nome próprio, seguido do sobrenome, data de há cerca de quatro séculos a esta parte. Mais do que qualquer outra coisa, o nome que temos pertence-nos e pode até vir a definir muita coisa ao longo da nossa vida.

Com efeito, nesta vida tudo é transitório, designadamente a nossa situação financeira, amorosa ou a posição que ocupamos na actual estrutura social. Todavia o nome, esse permanece imutável e pode mesmo vir a influenciar os mais variados aspectos da nossa vida e, após a nossa morte, é através dele que somos recordados e até evocados.

Porém, e por modo a não castigarmos a nossa descendência, devemos dedicar algum tempo ao estudo do nome que iremos atribuir aos nossos filhos. Para melhor ilustrar a importância deste ponto, tomemos como exemplo o nome Pancrácio.

Imagine o que o seu filho não iria sofrer na escola e no decorrer da sua vida, carregando um nome deste calibre, que apesar de nada ter de ofensivo e de designar uma modalidade olímpica de combate da era greco-romana, nada tem de belo. Daí a importância de uma escolha criteriosa.

Convém ainda saber que a generalidade dos nomes dos nossos pais tinha a sua origem nas culturas, celta, romana, grega e germânica. Contudo, graças ao fenómeno da televisão e do cinema já se encontram nomes de origem essencialmente anglo-saxónica.

Mais recentemente, tem-se vindo a verificar uma apetência pelos nomes dos protagonistas das telenovelas brasileiras. Tudo isto estaria muito bem se não fosse a tendência dos pais para cruzarem os nomes de que gostam mais sem levarem em conta que essas combinações são muitas vezes dissonantes, como, por exemplo, Ivete Marisa, ou Bruna Carina. Pobres crianças.