Fotos Antes e Depois

Previna-se da Obesidade!

Ser gordo pode ser fatal. Inúmeros estudos provaram que existe uma ligação entre o peso e a mortalidade. Níveis mais agudos de obesidade geram maiores riscos de sofrermos um ataque cardíaco ou uma trombose, de desenvolvermos cancro ou diabetes ou de padecermos de artrite.

As vítimas da síndrome metabólica – obesidade com hipertensão, diabetes ou resistência à insulina e níveis de colesierol anormais – têm o triplo da probabilidade de morrer mais cedo do que é normal para a sua idade.

Um estudo realizado pelos organismos oficiais de saúde norte-americanos (National Insitutes of Health) em 2006 permitiu compilar dados sobre mais de meio milhão de americanos e descobrir que até pequenos aumentos do índice de massa corporal (IMC) podem conduzir à morte prematura.

Nos homens e mulheres de meia idade que nunca fumaram, o simples facto de terem excesso de peso (lMC de 25-30) foi associado a um acréscimo de 20 a 40% por cento do risco de morte. As taxas de mortalidade aumentam substancialmente quando o IMC ulrapassa 30, ou seja, uma pessoa com obesidade mórbida pode perder sete anos de vida.

A solução para controlar o peso é fazer uma alimentaçao saudável e exercício físico com regularidade. Deve pesar-se uma vez por semana para não se enganar a si próprio. Crie um regime alimentar sensato que possa seguir à risca e evite dietas radicais. (Ler: Balão Intragástrico)

Descubra maneiras de fazer exercício que lhe agradem e não desista. Tire o maior partido do apoio disponível, como grupos de emagrecimento e aconselhamento. Fale também com o seu médico sobre tratamentos para perder peso. A obesidade vai tirar-lhe 3 anos de vida.

Reconhecida como doença pela Organização Mundial de Saúde, a obesidade afecta actualmente pessoas de todas as idades, estando associada a uma redução significativa da qualidade de vida. Tal como muitas outras doenças, porém, a obesidade pode ser prevenida. Saiba como.

Definida, em poucas palavras, como um excesso de massa gorda acumulada no corpo com consequências nefastas para a saúde, a obesidade tem vindo a tornar-se um dos alvos preferenciais da atenção da comunidade médica. A razão é simples. Não sendo uma “descoberta” ou um “mal” das últimas décadas, a verdade é que os nossos hábitos mudaram, tornando-nos mais susceptíveis de acumular umas gorduras extras que, não recebendo a atenção devida, poderão vir a constituir um problema grave. Daí a ênfase na sua prevenção, na qual devemos ser os principais intervenientes, não hesitando em solicitar a ajuda de especialistas sempre que necessário.

Alimentação: um mal maior

Encontrar a solução para a obesidade passa, antes de mais, por descobrir o que se esconde por detrás da sua origem, tendo-se chegado à conclusão de que a alimentação é um factor realmente de peso, especialmente devido ao:

O que Procura?
Galactosemia

Desequilíbrio energético entre as calorias que consumimos ao longo do dia e aquelas que despendemos nas actividades diárias e para assegurar as funções vitais do organismo (funcionamento dos órgãos, respiração, por exemplo). Ou seja, alimentação em excesso, sendo muitos os erros que cometemos, nomeadamente no que concerne o aporte calórico, regra geral elevado se tivermos em consideração a pouca actividade física que fazemos.

Neste campo, há que ter atenção aos chamados alimentos com grande densidade calórica, caso das gorduras, doces e bebidas alcoólicas. Isto não pressupõe, no entanto, que os eliminemos radicalmente da nossa alimentação, mas que o seu consumo seja bastante moderado. Convém igualmente ter em atenção que o tamanho das doses servidas em restaurantes tem vindo a aumentar, sendo muito fácil ingerirmos numa só refeição o aporte calórico necessário para suprir todas as necessidades energéticas diárias. Se comer fora frequentemente, opte por meia dose ou peça uma maior proporção de legumes.

Controlo demasiado apertado, caso das dietas rígidas, sem indicação médica, que podem revelar algumas surpresas desagradáveis e implicar um inesperado ganho de peso. Ao privarmo-nos de muitos alimentos de que gostamos, é natural cansarmo-nos do regime que seguimos e cairmos em tentação – o que geralmente se traduz num consumo excessivo de calorias em pouco tempo e consequente aumento de peso.

Outro dos erros frequentes e cada vez mais comuns é saltarmos refeições. Pequeno-almoço, almoço, lanche e jantar (leve) devem fazer parte integrante da rotina diária. Torna-se assim mais fácil controlar o apetite e evitam-se excessos nas outras refeições.

Outras causas da obesidade

Mas outros factores existem, para além da alimentação, que podem ser responsáveis pela obesidade:

– genética: não sendo uma regra, os factores genéticos podem influenciar a predisposição para a obesidade, especialmente se ambos os progenitores e/ou outros familiares próximos forem obesos;

hormonas: as alterações hormonais registadas durante a gravidez e a menopausa podem ser responsáveis por algum aumento de peso nas mulheres, situação que poderá ser controlada seguindo as indicações dadas pelo nutricionista e mantendo a actividade física. Desaconselhável é iniciar-se uma dieta desequilibrada para derreter os quilos a mais sem consultar previamente um especialista;

 – factores sicológicos: problemas como o stress e a depressão podem reflectir-se no normal funcionamento do organismo e provocar alterações de peso. Neste caso, é quase impossível prever- -se de que forma é que o corpo vai reagir. Há, contudo, uma certa tendência para o aumento de peso quando se recorre ao uso de antidepressivos.

O que Procura?
Sal e Hipertensão Arterial

De pequenino se troce o pepino… 🙂

Com cerca de 250 milhões de pessoas com excesso de peso no mundo (número em aumento), é natural que a Organização Mundial de Saúde tenha incluído o combate à obesidade na sua lista de prioridades. Um pouco assustadora quando colocada desta forma, a realidade é que a obesidade pode ser prevenida com a adopção precoce de comportamentos saudáveis a nível não só da alimentação como da prática de exercício físico. Cabe aos pais e educadores a tarefa de incutirem desde cedo hábitos alimentares equilibrados às crianças e de as incentivarem a fazer desporto. Convém não esquecer que a maioria das crianças obesas tende a permanecer obesa na idade adulta. Assim:

Adie o mais possível a introdução de refrigerantes, guloseimas e snacks na sua alimentação, mas não as proíba de forma ostensiva (o fruto proibido é o mais apetecido);

Não use os doces como forma de recompensa, criando regras para o seu consumo;

Habitue-as a fazer uma alimentação equilibrada e variada, com base na pirâmide alimentar;

Opte por métodos de confecção mais saudáveis, que não utilizem gorduras em excesso.

Inscreva-as num ginásio ou saia regularmente com elas para jogarem, por exemplo, futebol ou à apanhada, correrem na praia, etc.

Adopte estes mesmos comportamentos e torne-se um exemplo a seguir. Os benefícios não tardarão a fazer-se sentir.

Opção light

Ciente de que a obesidade tem consequências graves para a sociedade, nomeadamente no que diz respeito ao aumento de doenças cardiovasculares, hipertensão e diabetes, a indústria alimentar tem vindo a introduzir no mercado produtos dietéticos ou light, com teores mais reduzidos de hidratos de carbono ou gorduras, caso dos refrigerantes, manteigas e margarinas ou mesmo refeições completas. Isto não implica, no entanto, que possa haver um consumo desregrado – em excesso, contribuem também para o ganho de peso.

calcular o IMC

O Índice de Massa Corporal (IMC) é uma das ferramentas usadas para se calcular o peso ideal e saudável de cada pessoa. Para avaliar o seu, divida o seu peso pelo quadrado da sua altura (em metros). Assim, o IMC = kg/m2. Imagine que mede 1,70 m e pesa 60 kg. O seu IMC = 60/1,702 = 20,76 (considerado peso normal).

IMCClassificação do peso
  <18,5Baixo
  18,5-24,9Normal
  25-29,9Excesso de peso (altura de consultar o seu nutricionista)
  30-34,9Obesidade moderada
  35-39,9Obesidade acentuada
  >40Obesidade mórbida

A Dra. Helena, Nutricionista, responde às questões dos nossos leitores

Como a obesidade está na maioria das vezes ligada à alimentação, é possível recorrer-se às cirurgias ao estômago como prevenção?
João Carvalho

O que Procura?
Sal e Hipertensão Arterial

A obesidade em Portugal está a aumentar e a grande maioria das vezes está, de facto, relacionada com erros alimentares. Em relação à cirurgia ao estômago, este é um método relativamente novo, com vários casos de sucesso. É fundamentalmente aplicável a pessoas que tenham obesidade em elevado grau e não como método de prevenção. Para prevenir a obesidade, sem dúvida que o melhor “método” é praticar uma alimentação saudável e actividade física com regularidade.

O meu filho de 8 anos está a engordar cada vez mais. Que devo fazer?
Acha que o ponha a dieta?
Clara Ferreira – Vila Nova de Gaia

Se o seu filho está a engordar e se tem peso a mais relativamente aos parâmetros normais, é importante que tenha um aconselhamento com um nutricionista, uma vez que as dietas adequadas para crianças deverão ser feitas de forma a não comprometer o seu correcto crescimento e desenvolvimento. Não se esqueça: uma criança obesa na grande maioria das vezes torna-se um adulto obeso, por isso, é importante agir atempadamente.

Tanto eu como o meu marido temos peso a mais. Se tivermos filhos, eles também vão ser gordos?
Maria Andrade – Faro

A obesidade pode ser causada por problemas genéticos ou outros factores, como os erros alimentares. No seu caso, os seus filhos poderão herdar algum problema. Mas na grande maioria das vezes os pais obesos têm filhos obesos porque têm maus hábitos alimentares e estilos de vida menos saudáveis e os incutem pelo exemplo nos filhos.

Quais os melhores métodos de tratamento da obesidade?

Qualquer que seja o método para o tratamento da obesidade este dependerá sempre do excesso de peso existente no paciente, da sua condição geral de saúde e das suas motivações para perder peso. O tratamento da obesidade pode ser feito através de combinação de dietas, exercícios físicos, da mudança no comportamento alimentar e por vezes recorre-se a remédios para emagrecer. Em alguns casos de obesidade severa, a cirurgia para redução de estômago (bariátrica) pode ser recomendada, embora tambem existam outros métodos de emagrecimento não invasivos com resultados igualmente satisfatórios como, o balão intragastrico por exemplo.

Brasil

O Hospital das Clínicas, em São Paulo deu início a uma série de testes com um novo método de combate à obesidade que começou a ser testado no Brasil. A sua peça-chave é um dispositivo de plástico em forma de tubo de 62 centímetros, colocado no duodeno através de  umaendoscopia. Os resultados, até o momento, são surpreendentes e a previsão é de que, este ano, 2011, o tratamento já possa estar acessível a todos. Esta metodologia também está a ser testada nos Estados Unidos, Holanda e Chile.

Lembre-se que controlar o peso é um esforço para toda a vida.

07. junho 2011 by admin

One Comment

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *


  1. Fiquei emprecionada com o indice de obesidade no mundo sou gorda tenho 26kl a mais do que meu peso ideal. E sofro com isso e e bom saber que a algum jeito pra eu perder esses kls que e so eu ter forca de vontade talvez nao tenha conseguido emagrecer ate agora por falta de forca de vontade sempre fui magra engordei apos meu segundo filho e depois disso nao emegreci mais sera que pode er por causa da laquiadura a medicosque dizem que sim enfim tenho que emegrecer e depois das dicas que. Peguei hj tenho certeza de que irei conseguir .

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *