Os pais vinculam-se antes ao filho e cuidam da mãe

Os pais vinculam-se antes ao filho e cuidam da mãe.

E isso, ninguém duvida que a intervenção do homem durante a gravidez e no momento do parto, produz um benefício imediato no estado emocional da mãe. A experiência da haptonomia demonstrou que os papás se alegram especialmente ao tomarem contacto através do ventre da sua mulher com esse desconhecido que é o seu futuro filho.

As investigações sobre a vida intra-uterina asseguram que os sentimentos de um homem para a sua mulher e para o seu filho ainda não nascido constituem um dos factores mais importantes para determinar o êxito de uma gravidez.

Segundo estas investigações não há nada que afecte mais profundamente nem que produza um impacto tão efectivo na mulher grávida como sentir que o seu companheiro permanece alheio ao que ela está a viver, sem lhe prestar o apoio que necessita.

O papá deve ajudar a mamã nos exercícios, e isso faz com que se envolva nmais na gravidez e se sinta unido à sua mulher e ao seu futuro filho

Além disso, o futuro bebé que ouve no útero a voz do seu papá, responde emocionalmente a ela uma vez nascido; se, por exemplo, está a chorar, esse som carinhoso e conhecido diz-lhe que está protegido e, sossega.

Os estudos afirmam que, quanto mais cedo o pai se interessar pela vida do seu futuro filho, melhor será para o desenvolvimento psíquico da criança. Esta técnica é ensinada em várias maternidades europeias.

As crianças apenas choram e são mais independentes

Pablo Aguirre de Cárcer director da Escuela Española de Educacion Maternal (privada) em Madrid, especializado em psicologia e filho do médico que introduziu esta técnica em Espanha, afirma que o que mais chama a atenção dos pais que aplicaram esta técnica durante a gravidez é que «os seus bebés apenas choram.

Creio que estas crianças sabem pedir as coisas e, sobretudo, que não solicitam tantas demonstrações de afecto como os bebés que os seus papás não praticaram a técnica da haptonomia, porque sabem que contam com isso. São mais independentes, talvez pelo carinho que receberam antes do seu nascimento».

A técnica da haptonomia aprende-se exclusivamente nas escolas privadas, mas muitos ginecologistas e enfermeiras incorporam algumas ideias nos seus cursos de preparação para a maternidade.Nem todos os médicos confiam nos seus benefícios, mas todos estão de acordo em que não é contraproducente para o futuro bebé

Não elimina as dores do parto, mas…

A haptonomia também é útil no momento do parto. As mulheres que a praticaram durante a gestação suportam melhor as dores da dilatação e expulsão. Pensa-se que as carícias estimulam a produção de endorfinas, umas hormonas com efeito analgésico.

Além disso, a grávida aprendeu mediante esta técnica a relaxar-se, a concentrar-se no seu filho e a deixar os músculos abdominais a se distenderem, algo imprescindível durante a dilatação.

A haptonomia também se torna útil nos casos de gravidez ou parto com problemas (por exemplo, má colocação do feto), já que mediante movimentos das mãos, a mãe ou a médica pode ajudar a criança a colocar-se na postura desejada. Será possível que o magoem com estas manobras? Os especialistas em haptonomia estão convencidos que não. Asseguram que o feto manifesta as suas preferências e quem as pratica, apercebe-se do que gosta e do que lhe desagrada.

E mais, estão convencidos que a haptonomia ensina os pais a respeitar a personalidade do seu filho mesmo antes de o verem pela primeira vez.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 3:07 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)