Pais devem conversar com os seus bebês

A comunicação entre pais e filhos deve começar desde a nascença.

A premissa conduziu ao desenvolvimento, há um ano, da campanha “Conversar desde o Berço”, que visa informar os pais sobre a melhor forma de comunicar como seu bebê.

O embrião do projecto nasceu no Centro de Saúde de Carvalhosa do Douro e chega agora a todo o País.

A informação divulgada dá exemplos de actividades lúdicas que os pais podem ter com os filhos entre os zero meses e os cinco anos.

Caretas, lengalengas, falar pausadamente e dar tempo a que a criança se exprima são algumas das actividades lúdicas aconselhadas nos primeiros anos de vida das crianças.

Estas são informações veiculadas no cartaz que, em breve, vai estar nas creches, centros de saúde e serviços de Pediatria de todo o País.

O material informativo foi criado há cerca de um ano, no Centro de Saúde de Carvalhosa do Douro – Unidade de Saúde Aníbal Cunha, no Porto.

“É uma campanha que se dirige aos pais e que visa potenciar as capacidades linguísticas e comunicativas da criança”, esclarece uma das autoras do projecto, Fátima Pinto.

No passado dia 22, a iniciativa denominada “Conversar desde o Berço” foi generalizada a todo o País, tendo o facto sido assinalado com um evento que contou com a participação da ministra da Saúde, Ana Jorge.

Para esta expansão ser possível, Fátima Pinto assinala o contributo do Alto Comissariado da Saúde e, em particular, da sua dirigente máxima. “Houve um aperfeiçoar da informação.

A dra. Maria do Céu Machado esteve sempre disponível”, conta a também pediatra.

De pequenino…

A comunicação é um elemento fundamental no desenvolvimento da criança.

É este estimular da fala e da comunicação entre pais e filhos que o projecto “Conversar desde o Berço” promove.

A iniciativa nasce pela necessidade de informar as pessoas da importância da componente comunicativa no desenvolvimento mental da criança.

Na opinião da autora, “há falta de informação”. E, por outro lado, “nós, pediatras, temos a obrigação de ajudar os pais a promover o bem-estar da suas crianças”, assinala.

A médica explica que “esta é uma aliança com os pais. A família é o núcleo onde a criança se insere e é aqui que temos de intervir”.

Além dos cartazes colocados na sala de espera, vão ser entregues folhetos aos pais, em mão, após a consulta de Pediatria.

A autora do projeto acredita que este método será mais eficaz, porque, por norma, os cartazes colocados nas salas de espera não são lidos.

“Queremos que as crianças cresçam todas no melhor trajecto e que atinjam o seu máximo potencial.

Se a criança não souber comunicar vai ser atingida no seu desenvolvimento global”, remata a mentora do projecto.

A Unidade de Saúde Aníbal Cunha já tem promovido outras campanhas de auxílio aos pais, nomeadamente sobre a prevenção do acidente, a importância do aleitamento materno e da leitura.

Neste último caso, organizam-se, por vezes, sessões de leitura, onde pediatras e internos da especialidade lêem contos às crianças.

Depois deixam-nas discutir, entre si, o tema da história.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 23/07/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 23/07/2018 às 9:33 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)