Paisagem Protegida da Serra do Açor

A Área de Paisagem Protegida da Serra do Açor situa-se na vertente norte da Serra do Açor, entre os 400 e os 100 metros de altitude, ainda na Cordilheira Central. A classificação de paisagem protegida foi atribuída em Março de 1982, no sentido de proteger a área mais significativa da serra, que inclui um dos seus mais importantes valores – a Mata da Margaraça. Importante é, também, o sítio da Fraga da Pena, constituído por um conjunto de quedas-d’água e de vegetação natural luxuriante que, apesar das suas dimensões, de tão escondido que está pode passar despercebido aos olhos dos visitantes.

A Mata da Margaraça é uma das raras amostras da vegetação que cobria as encostas xistosas das serras do Centro. Estende-se por pouco menos de 50 hectares, numa vertente voltada a norte, entre as aldeias de Pardieiros e de Relva Velha. Ainda não há muito tempo, parte da serra era cultivada por habitantes das aldeias vizinhas, que aí arrendavam pequenas courelas, como o testemunham os edifícios ainda existentes – a casa grande, as casas dos caseiros, o palheiro, a casa da eira, o forno, a azenha e os fornos de refugo da madeira de castanho – alguns em ruínas e outros a serem recuperados.

Devido ao «êxodo rural» foram deixados ao abandono os terrenos de cultura assim como os curiosos fornos de madeira, construções circulares com cúpula, constituídos por lajes de xistos ou calhau de quartzo. O artesanato dependente da floresta – tamancos, gamelas, mobiliário, várias alfaias agrícolas – também quase desapareceu, sobrevivendo apenas alguma cestaria e fabrico de colheres de pau.

Área: 346 ha

Concelhos: Arganil (Freguesia da Benfeita, Moura da Serra)

Fauna

Esta área é atravessada por várias linhas de água, que permitem a existência de espécies animais associadas a meios húmidos. Tal é o caso do lagarto-de-água e da salamandra-de-cauda-comprida, assim como do tritão e da rã. De entre os mamíferos salienta-se, pelo seu porte, o javali. Das aves salientam-se a coruja-do-mato, o açor e o gavião, o cuco, a gralha-preta, o gaio e o pombo-torcaz.

Flora

Esta mata apresenta uma composição florística muito rica, com várias espécies arbóreas e uma abundância de castanheiros e carvalhos-robe. Para além destas árvores nota-se, ainda, a presença de medronheiros e azereiros de porte invulgar. Além disso, existe toda uma extensão de madressilvas, silvas e gilbardeiras e inúmeras espécies de fetos. A serra apresenta, ainda, muitas plantas que são actualmente raras em Portugal, como é o caso do martagão, determinadas espécies de narcisos, o selo-de-salomão, entre outras. Abundam ainda musgos, líquenes e fungos.

01. março 2012 by admin

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *