Piperina: Conheça as 17 Propriedades Benéficas da Pimenta Preta - Fotos Antes e Depois
Fotos Antes e Depois

Piperina: Conheça as 17 Propriedades Benéficas da Pimenta Preta

O que é e para que serve? Extraída da pimenta preta (Piperis Nigri) as partículas da piperina têm características benéficas que influenciam fortemente o emagrecimento e permitem eliminar permanentemente o excesso de peso.

Mas os benefícios do extracto não se esgotam por aqui. Saiba mais…

piperina para perder peso

Benefícios e propriedades

De acordo com um artigo publicado no “Journal of Ayruveda and Integrative Medicine”, em 2010, a piperina mostrou ser útil no aumento da absorção de vitamina C, selénio, beta-caroteno, vitamina A, vitamina B6 e coenzima Q10.

O artigo sugere ainda que o extrato pode ser útil em pessoas que sofrem de doenças que causam má absorção de nutrientes e em pessoas que sofrem de desnutrição.

Antioxidante

O composto protege contra o estresse oxidativo removendo os radicais livres (como o hidroxilo e superóxido) do corpo (1).

Em estudos realizados verificou-se que baixas doses de piperina reduziram os níveis de radicais livres. No entanto, doses elevadas podem causar a produção de radicais livres (2).

Juntamente com fatores de risco cotidianos como poluentes e radiações, uma dieta rica em gorduras pode causar a produção de radicais livres. Após a administração de piperina em ratos alimentados com uma dieta rica em gordura, verificou-se que o número de radicais livres diminuiu. (34).

Imunomodulador

benefícios da piperina

A piperina mostrou também ser benéfica no tratamento da gota, doença caracterizada por uma forte resposta imunitária contra os cristais de ácido úrico.

Um estudo publicado em 2011 apresentou provas de que o composto consegue bloquear os cristais de ácido úrico, podendo desta forma ser utilizada como um complemento no tratamento da gota.

Aumenta a biodisponibilidade dos fármacos

A Piperina foi identificada em 1979 como o primeiro composto já existente que aumenta a “biodisponibilidade” de outras substâncias (56).

Em outras palavras, a substância aumenta a capacidade do corpo em usar nutrientes e drogas. Isto significa que podem ser usadas doses menores de medicamentos para alcançar o mesmo efeito.

Este efeito é muito benéfico quando se trata de drogas que têm efeitos colaterais desagradáveis! E a Piperina faz isso (7):

  • Impedindo o corpo de quebrar a drogas, bloqueando as enzimas metabolizadoras de drogas no fígado (como CYP3A4, CYP2E1, CYP1B1 e CYP1B2);
  • Aumentando a quantidade de drogas e nutrientes absorvidos no intestino, estimulando o transporte intestinal.

Por exemplo, a piperina aumenta a biodisponibilidade de curcumina em 2000% em humanos, um composto encontrado na açafrão-da-índia. (8)

Efeito anti câncer

Algumas evidências sugerem que a piperina pode ter algumas propriedades anti-câncer.

A publicação no “Clinical Laboratory Science” em 2008, por exemplo, sugere que a piperina inibe o crescimento de células cancerígenas do cólon, cultivadas em laboratório.

No câncer de pele (melanoma), a piperina impediu as células tumorais de se espalharem para outras partes do corpo (metástases) levando a melhores taxas de sobrevivência (9).

Estudos de laboratório realizados relatam que a substância diminuiu também o crescimento tumoral e metástases em ratos com câncer de mama (10).

Os mecanismos exactos pelos quais o suplemento previne o cancro ainda são desconhecidos.

Antidepressivo

A piperina pode ter propriedades antidepressivas, embora ainda não tenham sido firmemente evidenciadas.

Um ensaio realizado com piperina em ratos forneceu evidências claras de que o suplemento teve efeitos antidepressivos e cognitivos de reforço.

Estes resultados foram publicados no “Food and Chemical Toxicology” em 2008.

Outro estudo publicado no “Pharmacology, Biochemistry and Behavior“, em 2009, descobriu que o composto aumenta a neurotransmissão da serotonina e da dopamina, dois neurotransmissores muitas vezes deficientes em indivíduos deprimidos.

São necessários ensaios clínicos que atestem que o suplemento tem os mesmos benefícios em pessoas.

Melhora a função cognitiva

Estudos realizados em animais sugerem que a piperina pode melhorar a função cerebral (1112).

Por exemplo, os ratos que foram alimentados com piperina aprenderam mais rápido e retivaram memórias por mais tempo (13).

A substância também aumentou a função cerebral em ratos com doença de Alzheimer, protegeu o hipocampo e o líquido cefalorraquidiano dos radicais livres e causou o crescimento de novas células cerebrais no hipocampo, uma área do cérebro fortemente envolvida na memória (1415).

Novo tratamento para Vitiligo

piperina trata vitiligo

O Vitiligo, uma desordem na pigmentação da pele que afecta cerca de 100 milhões de pessoas em todo o mundo, é uma doença caracterizada pela perda de pigmentação em determinadas áreas da pele.

É a doença que a estrela pop Michael Jackson divulgou publicamente.

Não é nenhuma ameaça à vida, nem contagiosa. Mas é um problema que pode produzir alguma angústia emocional para os que dela sofrem.

Uma investigação científica conduzida por Amala Soumyanath, Ph.D. e Philippe Thuillier, Ph.D., mostrou que a piperina é capaz de aumentar o crescimento dos melanócitos in vivo (os melanócitos são as células que produzem a pigmentação na pele).

O objetivo desta pesquisa inovadora é oferecer às pessoas uma nova e eficaz opção de tratamento para o vitiligo.

Com base em estudos realizados em animais, estes compostos comprovam-se seguros em humanos, e prometem resultados muito superiores aos tratamentos atuais.

Pode ajudar a tratar a doença de Parkinson

A doença de Parkinson é a segunda doença doença neurodegenerativa mais comum e debilitante associada à idade, seguida do Alzheimer.

Em estudos realizados em ratos com a doença de Parkinson, verificou-se que a piperina melhorou a coordenação motora destes.  Também melhorou a função cerebral e a aprendizagem (16).

Aumentar os níveis de dopamina é a terapêutica mais comum de tratar a doença de Parkinson.

A Piperina inibe a Monoamine oxidase A (MAO-A) e a Monoamine oxidase B (MAO-B), as enzimas que quebram a dopamina, aumentando os níveis globais de dopamina no cérebro (17).

A piperina evitou também a morte de neurônios dopaminérgicos em ratos. A substância protege os neurônios porque é um antioxidante, anti-inflamatório e evita a morte celular programada (18).

Reduz a inflamação

Verificou-se que o composto reduz os sintomas de inflamação de curto e longo prazo (19).

Num estudo realizado verificou-se que a piperina reduziu a dor e o tamanho das áreas das articulações inchadas (e diminuiu as moléculas inflamatórias, como a IL-6, MMP13, PGE2) (20).

Na doença das gengivas (periodontite), a substância reduziu a inflamação das gengivas e a perda óssea.

Também reduziu a produção de moléculas inflamatórias IL-1β, MMP-8 e MMP-13 (21) e a endometrite (inflamação do útero) (22).

Em ratos com lesão pulmonar aguda causada por lipopolissacarídeos, a piperina reduziu a produção de citocinas que causam inflamação e reduziu o acúmulo de glóbulos brancos e a acumulação de excesso de fluido nos pulmões (23).

Combate alergias

A substância reduz a inflamação e suprime o sistema imunológico, tornando-a um bom candidato para tratar e prevenir algumas reações alérgicas.

Em ratos, a piperina reduziu os espirros, coceira e vermelhidão no nariz, e outros sintomas de alergias e rinite alérgica.

Ela diminuiu, dependentemente da dose a histamina, o óxido nítrico, a Imunoglobulina E (IgE) e as citocinas inflamatórias IL-6 e IL-1b (24).

Alivia a dor

Verificou-se que apenas 1/6 de uma colher de chá de piperina por quilograma de peso corporal ajuda na redução da dor. Outro estudo realizado mostrou que doses mais elevadas, cerca de 30 a 70 mg por kg de peso corporal, têm um efeito semelhante à indometacina, um medicamento usado para aliviar a dor, semelhante à aspirina ou ao ibuprofeno (25).

Melhora o colesterol

Ratos com altos níveis de gorduras e colesterol no sangue foram alimentados com piperina durante três semanas. Sem qualquer mudança na dieta, os seus níveis de colesterol total, LDL e VLDL (os tipos ruins de colesterol) diminuíram, enquanto o HDL-colesterol (o bom tipo) aumentou (26).

Baixa a pressão sanguínea

O aumento da pressão sanguínea é acompanhada por alterações morfológicas e funcionais na parede vascular.

Foi verificada uma queda significativa na pressão arterial em ratos alimentados com a substância (27). Em outro estudo, também realizado em ratos, verificou-se que a piperina foi capaz de prevenir parcialmente o aumento da pressão arterial causada por um medicamento (inibidor da síntese de óxido nítrico) (28).

A pressão arterial elevada faz com que as paredes das artérias fiquem mais rígidas, o que é um preditor de doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais. A piperina evita que as paredes das artérias se endureçam, mantendo as artérias jovens, saudáveis e mais flexíveis (29).

Combate a Síndrome metabólica

Verificou-se que a suplementação de piperina em ratos com síndrome metabólica diminuiu a pressão sanguínea, melhorou a tolerância à glicose, reduziu os marcadores sanguíneos do estresse oxidativo e inflamação, evitou danos nos tecidos e inflamação no fígado (fibrose) e melhorou a função hepática (30).

Previne cálculos biliares

Os cálculos biliares são formados a partir de colesterol cristalizado na vesícula biliar. A Piperine impediu a formação de cálculos biliares de colesterol, reduzindo o tamanho dos cristais de colesterol e diminuindo o transporte de colesterol do fígado para a vesícula biliar (31).

Previne a diarreia

A substância previne a diarreia em ratos. Em coelhos e cobaias, verificou-se que funciona tão bem como a loperamida, uma droga usada para tratar diarreia – mas sem causar nenhum dos efeitos colaterais usuais da loperamida (3233).

Também é um anti-espasmódico, o que significa que reduz os espasmos musculares no trato digestivo (34).

Emagrecimento

emagrecimento com piperina antes e depois

Até agora apenas poucas pessoas tinham noção das propriedades benéficas da pimenta preta (Piperis Nigri).

A sua camada superior (responsável pelo sabor característico e picante) acaba por ser uma ferramenta importante no combate à obesidade.

Os cientistas explicam que o efeito de emagrecimento da piperina é resultado das suas capacidades naturais de reduzir o tecido lipídico.

Melhora a digestão e bloqueia o surgimento de novas células adiposas, pelo que o organismo não tem onde acumular as calorias.

Por isso o composto pode ter uma aplicação ampla no combate às doenças associadas com a obesidade.

Piperina para perder peso, como se dá o emagrecimento?

  1. Estimulação dos receptores histamínicos H2 existentes na membrana mucosa do estômago.
  2. Aumento da secreção do suco gástrico e Aceleramento do metabolismo.
  3. Aumento da termogénese e oxidação rápida do tecido adiposo.
  4. Maior anabolismo proteico. Delineamento dos músculos e silhueta tonificada.

“A piperina aumenta a produção dos sucos digestivos (gástrico, intestinal e do pâncreas), facilitando e acelerando o processo de metabolismo.

Combate o tecido adiposo, impedindo o surgimento de novas células lipídicas e impede eficazmente a acumulação novamente de calorias desnecessárias.”

Emagrecer de forma saudável

É compreensível as pessoas sentirem-se enganadas ao ouvirem promessas sobre o seu emagrecimento de três tamanhos num mês.

Os nutricionistas sublinham, que o emagrecimento de 4 a 6 kg por mês é um ritmo óptimo, que evita o efeito YO-YO.

O facto de não podermos emagrecer mais kg sem termos nenhum malefício para a nossa saúde significa que os produtores de suplementos á base de bagas de açai ou café verde enganaram muitas pessoas durante anos.

Perdas mais rápidas de peso são perigosas para o nosso organismo e os quilogramas perdidos de forma radical regressam sempre com força dupla.

A inovação relacionada com a piperina consiste no facto do tecido adiposo ser queimado mais lentamente, mas de forma permanente.

O preguiçoso emagrece 2 vezes mais rápido

É certo: a aplicação regular deste extrato ajuda a emagrecer até 6 kg num mês.

As análises realizadas provam que, entre as pessoas que tomaram suplementos com piperina, parte delas emagreceram não 6 kg, mas 5 kg ou 7 kg.

Depende do quê? O resultado final dos quilogramas perdidos varia conforme as predisposições individuais.

É lógico, que a actividade física acelera os resultados do emagrecimento.

Se praticar desporto, a quantidade de quilogramas perdidos pode aumentar, mas sem exercício físico também irá emagrecer.

Os cientistas explicam que o suplemento melhora o desempenho físico de cada organismo – o mesmo significa, que ajuda a emagrecer igualmente tanto em pessoas activas fisicamente como em pessoas com um uma vida sedentária.

Que quantidades tomar para emagrecer

perder peso com piperina antes e depois

Os cientistas sublinham, que uma adição generosa de pimenta nos pratos é demasiado pouco, para emagrecer.

Para aproveitar as características de emagrecimento da piperina, teria que descascar 120 grãos de pimenta e consumir esta quantidade todos os dias.

Num ambiente doméstico impossível de cumprir.

Felizmente a substãncia pode ser tomada como suplemento. No mercado aparecem cada vez mais suplementos com piperina, uns mais fortes que outros, mas nem todos são igualmente eficazes.

Tendo noção, de que quanto maior a concentração de piperina, mais forte será o efeito na perda de peso.

A concentração mais comum é de 60-90%, embora existam já suplementos com uma concentração de 95%.

Efeitos colaterais e suas contraindicações

Embora a piperina seja geralmente considerada segura, ainda são necessárias algumas questões importantes serem respondidas sobre os seus efeitos colaterais e interações medicamentosas.

De acordo com o “Journal of Food Safety”, o consumo de piperina é geralmente seguro, uma vez que não causou grandes alterações nos exames de sangue realizados.

Um potencial efeito colateral da piperina é esta poder aumentar a absorção de alguns medicamentos, levando-os a níveis perigosos na nossa corrente sanguínea.

Por esta razão, o suplemento é contraindicado e não deve ser administrado ao mesmo tempo que quaisquer medicamentos.

A piperina pode inibir (impedir) o metabolismo de drogas no fígado, bem como, aumentar os níveis dessas drogas ingeridas.

Alguns testes em animais realizados com a piperina sugerem que esta pode ser tóxica para o sistema reprodutor.

Outros efeitos secundários referidos em estudos

  • A substância tanto pode suprimir como estimular o sistema imunológico;
  • A piperina pode diminuir as hormonas da tiróide;
  • Pode atrasar o trânsito intestinal;
  • Pode diminuir a fertilidade;
  • Pode aumentar a biodisponibilidade de algumas toxinas.

Interações Medicamentosas

A Piperina é um potenciador de biodisponibilidade, o que significa que ela ajuda o corpo a fazer uso de outras substâncias. Isto significa que o omposto faz com que muitas drogas e suplementos ofereçam maiores efeitos em dosagens mais baixas (35).

Ela melhora o efeito de muitas drogas (incluindo aqueles metabolizados pelas enzimas CYP3A4 e CYP2E1):

  • Diclofenac (droga anti-inflamatória não esteróide) (36)
  • Ibuprofeno (droga não-esteróide anti-inflamatória) (37)
  • Fexofenadina (medicamento anti-histamínico ) (3839)
  • Carbamazepina (anti-epiléptico) (40)
  • Clorzoxazona (relaxante muscular) (41)
  • Trihidrato de ampicilina (um tipo de penicilina, que é um antibiótico ) (42)
  • Norfloxacina (antibiótico) (43)
  • Nevirapina (medicamento utilizado para tratar o HIV ) (44)
  • Domperidona (droga anti-emética) (45)
  • Docetaxel (droga anti câncer) (46)
  • Glimepirida (anti-diabético) (47)
  • Nateglinida (anti-diabético) (48)
  • Metformina (anti-diabético) (49)

O composto também aumenta o efeito de alguns suplementos, tais como o beta-caroteno, a curcumina, e o resveratrol  (505152).

Fontes Alimentares

Pimenta Longa Bali (Piper Retrofractum) é Uma Fonte Rica Em Piperina

A pimenta preta da espécie (Piper nigrum) contém cerca de 0,4-7,0% de piperina (53).

Menores quantidades podem ser encontradas na pimenta branca, pimenta longa (piper longum), e pimenta longa Bali (Piper retrofractum) (54).

Os suplementos de piperina são vendidos tanto em forma de pó, como pílulas.

Dosagem

Não existe uma dosagem recomendada para o consumo de piperina. Nos seres humanos, verificou-se que doses de 20 mg por dia podem aumentar a biodisponibilidade da curcumina (55).

Poucos estudos foram realizados em humanos. No entanto, as doses diárias indicadas abaixo mostraram-se eficazes em estudos realizados em ratos:

Para o alívio da dor : 30-70 mg / por kg de peso corporal (56)
Para melhorar a função cerebral : 5-50 mg / por kg de peso corporal (57)
Para baixar a tensão arterial : 10 mg / por kg de peso corporal (58)
Para efeitos antioxidantes: 20 mg / por kg de peso corporal (59)

Tal como referido acima, a Pimenta preta (Piper nigrum) oferece cerca de 0,4-7,0% do composto (60). Portanto, para obter 1 grama de piperina proveniente da pimenta preta, terá que comer mais de seis colheres de chá de pimenta preta! Devido a este fato, recomenda-se o uso em forma de suplemento.

Mais uma vez, ao iniciar quaisquer novos tratamentos, consulte sempre o seu médico.

E você, já experimentou o extrato da pimenta preta? Partilhe connosco os usos medicinais que dá a este composto!

2 Comentários no Fórum

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *


  1. Tomo antihipertensivo, eutirox, esomeprazol e climara em selos posso tomar a piperina? Obrigada, Liliana

  2. Faz mal tomar a piperina para quem tenha o diu com hormonas inserido? Ou quem tome suplemento de colagénio e vitamina C?

    Obrigada.

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *



Seguir fotosantesedepois.com

Siga-nos na rede social Facebook e receba dicas sobre os temas de saúde mais atuais.

Facebook Fotos Antes e Depois
Receber Dicas de Saúde?

Se está interessado/a em receber no seu Email, dicas de saúde, remédios caseiros..., subscreva a nossa newsletter.

Contacte-nos

© 2018 Fotos Antes e Depois | Politica de Privacidade