Puerpério – Depois do parto

O que acontece no puerpério? – Depois do parto, o aparelho genital feminino recupera pouco a pouco a normalidade.

Se o útero chegou a pesar entre 1.500 e 1.700g, ficará de novo com 50g depois de sete ou oito dias de contracções mais ou menos dolorosas (dores tortas). Uma vez que o feto tenha sido expulso, este órgão também se desprenderá do tecido que recobriu a sua cavidade durante os nove meses; irá descamar-se e será expulso como uma secreção sanguinolenta ao princípio e amarelada depois. São os lóquios; enquanto duram, a mulher deve evitar situações nas quais corra riscos de infecção (relações sexuais, banhos).

O reiniciar das relações sexuais.

Logo depois do parto, o sexo não costuma dar muito prazer. O excesso de trabalho, as novas responsabilidades, as consequências do corte vaginal (episiotomia)… diminuem o desejo de muitas mães, e além disso, a mucosa vaginal está atrofiada por falta de hormonas que o ovário produz, e a penetração pode ser dolorosa ou bastante incomodativa.

O regresso do período.

Se a mãe não dá o peito, os ovários estarão em condições de produzir estrógenos cerca de 25 dias depois do parto. Estas hormonas estimulam a formação do endométrio, o tecido que recobre a cavidade do útero fora da gravidez. Esta capa descama-se ao fim de 45 dias e expulsa-se constituindo o período.

As mães que amamentam demoram mais a ter o período, uma vez que a hormona prolactina, que favorece a produção de leite, impede a ovulação. Muitas mulheres recuperam-na 45 dias depois do desmame, mas algumas podem demorar até 60 dias. O primeiro período é mais abundante e prolongado que o habitual. A mãe deve tomar precauções para não ficar grávida logo desde a primeira relação sexual completa, quer dê ou não de mamar. É provável que durante alguns ciclos os ovários não ovulem, mas nunca se pode ter a certeza.

A vagina, e sobretudo o útero e os ovários… passam por diversas mudanças até voltar à normalidade.

Guia da Gravidez

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 3:08 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)